Co­reia do Sul anun­cia in­ves­ti­men­to ele­va­do

Em­pre­sas de Seul pro­me­tem em­pre­gar fun­dos na pro­du­ção de fer­ti­li­zan­tes e na re­fi­na­ção de pe­tró­leo

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Adal­ber­to Cei­ta |

Em­pre­sá­ri­os sul-co­re­a­nos pre­vêem em­pre­gar 3,5 mil mi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 584 mil mi­lhões de kwan­zas) em in­ves­ti­men­to nos do­mí­ni­os da in­dús­tria e dos hi­dro­car­bo­ne­tos, re­ve­lou on­tem, em Lu­an­da, o se­cre­tá­rio-ge­ral da As­so­ci­a­ção pa­ra o De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co Co­reia do Sul e Áfri­ca (AKEDA).

Chung Si-Woo, que fa­lou à im­pren­sa no fi­nal de um en­con­tro de tra­ba­lho com o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra a Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria, Carlos Al­ber­to Jai­me, in­di­cou um pro­jec­to pa­ra ins­ta­lar em An­go­la uma fá­bri­ca de fer­ti­li­zan­tes, num in­ves­ti­men­to ava­li­a­do em 1,5 mil mi­lhões de dó­la­res (250 mil mi­lhões de kwan­zas) de fun­dos ins­ti­tu­ci­o­nais.

Dois mil mi­lhões de dó­la­res (cer­ca de 584 mil mi­lhões de kwan­zas) po­dem ser em­pre­gues num con­jun­to de pro­jec­tos co­mo a cons­tru­ção de uma cen­tral de ener­gia ava­li­a­da de uma re­fi­na­ria a ser cons­truí­da no sul do país, com o pro­jec­to já em fa­se de ela­bo­ra­ção, adi­an­tou.

Chung Si-Woo, que en­ca­be­çou uma mis­são in­te­gra­da por re­pre­sen­tan­tes de em­pre­sas li­ga­das aos ra­mos do agro­ne­gó­ci­os, ener­gia, ex­plo­ra­ção e dis­tri­bui­ção de gás, re­fi­na­ri­as, cons­tru­ção e en­ge­nha­ria ci­vil, as­sim co­mo fi­nan­ci­a­men­tos e in­ves­ti­men­tos ma­ni­fes­tou in­te­res­se no au­men­to da pre­sen­ça do sec­tor pri­va­do sul-co­re­a­no no mer­ca­do an­go­la­no.

O se­cre­tá­rio-ge­ral da AKEDA so­li­ci­tou às au­to­ri­da­des an­go­la­nas que, di­an­te da mag­ni­tu­de das pre­vi­sões de in­ves­ti­men­to, con­ce­dam mais aber­tu­ra e adop­tem me­ca­nis­mos que fa­ci­li­tem a en­tra­da de in­ves­ti­do­res no mer­ca­do agrí­co­la do país.

Chung Si-Woo in­for­mou que as au­to­ri­da­des an­go­la­nas já re­a­gi­ram às in­ten­ções sul-co­re­a­nas e pro­pu­se­ram que a AKEDA fa­ça uma apre­sen­ta­ção dos pro­jec­tos a even­tu­ais par­cei­ros na­ci­o­nais.

“Com ba­se na in­for­ma­ção que re­ce­be­mos das au­to­ri­da­des an­go­la­nas, va­mos fa­zer uma apre­sen­ta­ção da pro­pos­ta aos po­ten­ci­ais par­cei­ros, de mo­do a in­cre­men­tar a pre­sen­ça do em­pre­sa­ri­a­do sul-co­re­a­no no vos­so país”, dis­se.

O se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra a Agri­cul­tu­ra e Pe­cuá­ria dis­se que o mi­nis­té­rio de­fi­niu co­mo pri­o­ri­da­de, na co­o­pe­ra­ção com os em­pre­sá­ri­os sul-co­re­a­nos, a pro­du­ção de ce­re­ais e le­gu­mi­no­sas, in­fra-es­tru­tu­ras de ir­ri­ga­ção e áre­as do sec­tor ro­do­viá­rio, pa­ra o es­co­a­men­to da pro­du­ção, as­sim co­mo al­gu­mas es­tru­tu­ras de ar­ma­ze­na­men­to e trans­for­ma­ção da pro­du­ção agrí­co­la.

“Sa­be­mos que a Co­reia do Sul é mui­to for­te no do­mí­nio da pro­du­ção ani­mal, fun­da­men­tal­men­te na avi­cul­tu­ra. Há pro­jec­tos em cur­so, mas pre­ci­sa­mos de dis­se­mi­nar um pou­co mais e alar­gar es­sa co­o­pe­ra­ção a ní­vel de ou­tras pro­vín­ci­as do país”, dis­se.

Se­cre­tá­rio-ge­ral da AKEDA so­li­ci­tou às au­to­ri­da­des an­go­la­nas mais aber­tu­ra e me­ca­nis­mos que fa­ci­li­tem a en­tra­da de in­ves­ti­do­res

Carlos Al­ber­to Jai­me lem­brou que os dois paí­ses têm em cur­so pro­jec­tos fi­nan­ci­a­dos em 50 mi­lhões de dó­la­res (8,4 mil mi­lhões de kwan­zas) pe­lo Exim­bank da Co­reia do Sul, um pa­ra a pro­du­ção de al­go­dão no Cu­an­za-Sul e ou­tro de avi­cul­tu­ra.

An­go­la tem cer­ca de 35 mi­lhões de hec­ta­res de ter­ra ará­veis, mas só ex­plo­ra cin­co, pe­lo que é “fun­da­men­tal” cri­ar­se pro­jec­tos mais es­tru­tu­ran­tes, prin­ci­pal­men­te no do­mí­nio da pro­du­ção agrí­co­la e pe­cuá­ria, con­si­de­rou o se­cre­tá­rio de Es­ta­do.

“Fal­ta di­nâ­mi­ca do pon­to de vis­ta da in­ter­li­ga­ção en­tre a Câ­ma­ra de Co­mér­cio An­go­la-Co­reia do Sul e a as­so­ci­a­ção dos em­pre­sá­ri­os sul-co­re­a­nos, pa­ra que es­ses pro­jec­tos pos­sam ser de­sen­vol­vi­dos nu­ma ver­ten­te pri­va­da”, dis­se.

A mis­são sul-co­re­a­na, que es­tá em An­go­la des­de do­min­go, tem co­mo prin­ci­pal ob­jec­ti­vo a pros­pec­ção de opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os no mer­ca­do an­go­la­no e ob­ter me­lhor co­nhe­ci­men­to das pri­o­ri­da­des de in­ves­ti­men­to lo­cal.

Até ao fi­nal de 2016, o co­mér­cio bi­la­te­ral atin­giu cer­ca de 20 mil mi­lhões de dó­la­res (mais de três tri­liões de kwan­zas), se­gun­do da­dos da An­gop.

EDU­AR­DO PE­DRO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Mo­men­to em que a mis­são sul-co­re­a­na foi re­ce­bi­da no Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.