Bra­sil re­a­bre li­nha de cré­di­to no pró­xi­mo ano

Au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras aguar­dam uma res­pos­ta po­si­ti­va do con­vi­te do Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer ao Pre­si­den­te João Lou­ren­ço pa­ra fa­zer uma vi­si­ta de Es­ta­do ao Bra­sil no pri­mei­ro se­mes­tre de 2018

Jornal de Angola - - PARTADA - Jo­si­na de Carvalho

O em­bai­xa­dor do Bra­sil, Paulino Ne­to, afir­mou on­tem que o Ban­co Na­ci­o­nal de De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e So­ci­al (BNDES) po­de­rá re­a­brir no pró­xi­mo ano a li­nha de cré­di­to a An­go­la

O Bra­sil po­de­rá re­a­brir a li­nha de cré­di­to for­ne­ci­da pe­lo Ban­co de De­sen­vol­vi­men­to Eco­nó­mi­co e So­ci­al do Bra­sil, atra­vés de em­pre­sas bra­si­lei­ras que têm com­pro­mis­so de ven­der bens e ser­vi­ços em An­go­la, anun­ci­ou o em­bai­xa­dor da­que­le país.

Em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la, Paulino Ne­to ex­pli­cou que a sus­pen­são da li­nha de cré­di­to de­cor­reu no âm­bi­to da ope­ra­ção "La­va Ja­to" e que as em­pre­sas en­vol­vi­das fi­ze­ram um acor­do com o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que nes­te mo­men­to ana­li­sa es­sa si­tu­a­ção ju­rí­di­ca com­ple­xa, pa­ra a re­to­ma­da da li­nha de cré­di­to pa­ra An­go­la e ou­tros paí­ses.

A sus­pen­são, re­fe­riu, ge­rou um im­pac­to ine­gá­vel nas re­la­ções co­mer­ci­as com An­go­la, mas as re­la­ções di­plo­má­ti­cas e po­lí­ti­cas con­ti­nu­am mui­to pró­xi­mas e fra­ter­nas. O em­bai­xa­dor ga­ran­tiu que as au­to­ri­da­des dos dois paí­ses es­tão a tra­ba­lhar pa­ra que a si­tu­a­ção se­ja re­sol­vi­da no pró­xi­mo ano. "Acho que a par­tir de 2018 te­re­mos uma luz no fun­do do tú­nel", re­for­çou. Vi­si­ta de Es­ta­do O di­plo­ma­ta dis­se que as au­to­ri­da­des bra­si­lei­ras aguar­dam uma res­pos­ta po­si­ti­va do con­vi­te do Pre­si­den­te Mi­chel Te­mer ao Pre­si­den­te João Lou­ren­ço pa­ra fa­zer uma vi­si­ta de Es­ta­do ao Bra­sil no pri­mei­ro se­mes­tre do pró­xi­mo ano.

Em de­cla­ra­ções es­te diário, no fi­nal da vi­si­ta de cor­te­sia ao Jor­nal de An­go­la, pa­ra co­nhe­cer as su­as ins­ta­la­ções e o seu fun­ci­o­na­men­to, o di­plo­ma­ta bra­si­lei­ro dis­se que en­tre­gou re­cen­te­men­te o con­vi­te ofi­ci­al ao mi­nis­tro an­go­la­no das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res, Ma­nu­el Au­gus­to, mas até ao mo­men­to não ob­te­ve uma res­pos­ta for­mal da par­te angolana. "Acre­di­ta­mos que a res­pos­ta se­rá po­si­ti­va", dis­se o em­bai­xa­dor, re­ve­lan­do ain­da que as au­to­ri­da­des do seu país pre­ten­dem que a vi­si­ta de Es­ta­do do Pre­si­den­te João Lou­ren­ço te­nha a mes­ma di­men­são da sua vi­si­ta efec­tu­a­da re­cen­te­men­te à Áfri­ca do Sul. Pe­di­dos de asi­lo Paulino Ne­to in­for­mou igual­men­te que au­to­ri­da­des bra- si­lei­ras re­ce­be­ram três mil pe­di­dos de asi­lo po­lí­ti­co de ci­da­dãos an­go­la­nos, que es­tão a ser ana­li­sa­dos pe­lo Conselho Bra­si­lei­ro de Re­fu­gi­a­dos.

En­quan­to aguar­dam a de­ci­são des­te ór­gão co­le­gi­al, que in­te­gra re­pre­sen­tan­tes do go­ver­no e da so­ci­e­da­de ci­vil, o em­bai­xa­dor as­se­gu­rou que es­tes an­go­la­nos re­que­ren­tes de es­ta­tu­to de re­fu­gi­a­do po­dem vi­ver no Bra­sil e be­ne­fi­ci­ar de as­sis­tên­cia mé­di­ca e so­ci­al.

O di­plo­ma aler­tou que o go­ver­no bra­si­lei­ro não vê mo­ti­vos pa­ra ce­der ao pe­di­do dos an­go­la­nos, uma vez que não es­tão a ser per­se­gui­dos por ra­zões po­lí­ti­cas, nem re­li­gi­o­sas. "Nos pa­re­ce que os pe­di­dos são im­per­ti­nen­tes, mas co­mo os po­de­res pú­bli­cos no Bra­sil têm ca­da um a sua fun­ção, vão ana­li­sar os ca­sos a ní­vel do Conselho de Re­fu­gi­a­dos", dis­se, adi­an­tan­do que os pe­di­dos de asi­lo por con­di­ções de vi­da pre­cá­ria no país de ori­gem tam­bém não dão di­rei­to ao es­ta­tu­to de re­fu­gi­a­do.

Aos an­go­la­nos que pre­ten­dam fa­zer o mes­mo pe­di­do, Paulino Ne­to acon­se­lha a de­sis­ti­rem da ideia, po­den­do ape­nas so­li­ci­tar vis­tos de tu­ris­ta, de tra­ba­lho, tem­po­rá­ri­os pa­ra os es­tu­dan­tes ou de ou­tra na­tu­re­za com a de­vi­da jus­ti­fi­ca­ção.

Re­la­ti­va­men­te à sua vi­si­ta ao Jor­nal de An­go­la, Paulino Ne­to dis­se ter si­do a pri­mei­ra vez e fi­cou "bem im­pres­si­o­na­do" com o seu fun­ci­o­na­men­to, so­bre­tu­do por­que no Bra­sil não exis­tem jor­nais pú­bli­cos. "Te­mos um sis­te­ma de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al ape­nas com uma te­le­vi­são e rá­dio pú­bli­cas, cu­ja pro­gra­ma­ção é dis­tri­buí­da a ní­vel na­ci­o­nal, mas não é obri­ga­tó­rio que es­ta se­ja re­trans­mi­ti­da por ór­gãos pri­va­dos", ex­pli­cou.

Por ser o prin­ci­pal jor­nal diário e no­ti­ci­o­so do país, con­si­de­rou a publicação um guia dos te­mas can­den­tes da so­ci­e­da­de e de lei­tu­ra obri­ga­tó­ria. "Sei que o Jor­nal es­tá a pas­sar por um pe­río­do de tran­si­ção. Va­mos acom­pa­nhar com in­te­res­se es­se no­vo pe­río­do e o seu con­teú­do com mai­or cu­ri­o­si­da­de".

A sus­pen­são (da li­nha de cré­di­to) ge­rou um im­pac­to ine­gá­vel nas re­la­ções co­mer­ci­ais com An­go­la, mas as re­la­ções di­plo­má­ti­cas e po­lí­ti­cas con­ti­nu­am mui­to pró­xi­mas e fra­ter­nas

JAIMAGENS | FO­TÓ­GRA­FO

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Em­bai­xa­dor Paulino Ne­to acon­se­lha ci­da­dãos an­go­la­nos a dis­pen­sa­rem in­ter­me­diá­ri­os pa­ra ob­ten­ção de vis­tos por­que os pro­ce­di­men­tos são aces­sí­veis

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.