CUANDO CUBANGO

No ins­ti­tu­to si­tu­a­do na lo­ca­li­a­de de Mis­som­bo são for­ma­dos anu­al­men­te téc­ni­cos pa­ra os di­fe­ren­tes ramos da agri­cul­tu­ra

Jornal de Angola - - PARTADA - Lou­ren­ço Bu­le| Me­non­gue

Pro­fes­so­res sem sa­lá­ri­os há 4 me­ses

Pe­lo me­nos 25 pro­fes­so­res co­la­bo­ra­do­res dos cursos mé­di­os de pro­du­ção ve­ge­tal, ani­mal e dos cursos bá­si­cos de au­xi­li­ar de agri­cul­tu­ra e pe­cuá­ria, no Ins­ti­tu­to Mé­dio Agrário do Mis­som­bo (IMAM), lo­ca­li­za­do a 15 qui­ló­me­tros de Me­non­gue, pro­vín­cia do Cuando Cubango, es­tão há qua­tro anos sem sa­lá­ri­os, se­gun­do o di­rec­tor da re­fe­ri­da ins­ti­tui­ção aca­dé­mi­ca.

Ma­teus Nda­la dis­se que além dos re­fe­ri­dos pro­fes­so­res, três fun­ci­o­ná­ri­os ad­mi­nis­tra­ti­vos, na con­di­ção de co­la­bo­ra­do­res, tam­bém es­tão a igual pe­río­do de tem­po sem re­ce­ber sa­lá­rio.

Adi­an­tou que a ins­ti­tui­ção tem 36 fun­ci­o­ná­ri­os e des­tes ape­nas oi­to pro­fes­so­res são efec­ti­vos e 28 co­la­bo­ra­do­res, que, sem o con­tri­bu­to de­les, o IMAM já te­ria en­cer­ra­do.

Ma­teus Nda­la dis­se que a si­tu­a­ção é de to­tal do­mí­nio do go­ver­no da pro­vín­cia, que pro­me­teu le­var o as­sun­to ao Exe­cu­ti­vo saí­do das elei­ções ge­rais de 23 de Agos­to do ano pas­sa­do, pa­ra que se en­con­tre um de­no­mi­na­dor co­mum so­bre o pro­ble­ma, a jul­gar pe­la im­por­tân­cia que es­ta ins­ti­tui­ção de en­si­no re­pre­sen­ta pa­ra a po­pu­la­ção do Cuando Cubango.

Aque­le res­pon­sá­vel ex­pli­cou que em De­zem­bro do ano pas­sa­do, os 25 pro­fes­so­res e os três fun­ci­o­ná­ri­os ad­mi­nis­tra­ti­vos re­ce­be­ram do go­ver­no lo­cal 150 mil kwan­zas ca­da, pa­ra que pu­des­sem pas­sar uma qua­dra fes­ti­va ra­zoá­vel, jun­to das su­as fa­mí­li­as.Fez sa­ber que a ins­ti­tui­ção que di­ri­ge re­ce­be um or­ça­men­to men­sal, on­de es­tão ca­bi­men­ta­dos to­dos os gas­tos cor­ren­tes de bens e ser­vi­ços, in­cluin­do sa­lá­ri­os pa­ra os oi­to pro­fes­so­res efec­ti­vos, que re­ce­bem re­gu­lar­men­te os or­de­na­dos, sub­sí­di­os de fé­ri­as e o dé­ci­mo ter­cei­ro mês.

“É di­fí­cil ge­rir uma ins­ti­tui­ção on­de 90 por cen­to dos fun­ci­o­ná­ri­os não re­ce­bem os ho­no­rá­ri­os men­sais. Não te­nho co­mo exi­gir tra­ba­lho a eles e mui­to me­nos mar­car-lhes fal­tas quan­do não com­pa­re­cem ao ser­vi­ço, por­que, além da fal­ta de sa­lá­rio, não exis­te trans­por­te”, la­men­tou.

Ou­tras di­fi­cul­da­des

Ma­teus Nda­la dis­se que a ins­ti­tui­ção pos­sui três la­bo­ra­tó­ri­os, mor­men­te de in­for­má­ti­ca, bi­o­lo­gia e tra­ta­men­to de so­los e agroquí­mi­ca, es­te úl­ti­mo que não fun­ci­o­na des­de a inau­gu­ra­ção do Ins­ti­tu­to IMA em 2014, por fal­ta de um téc­ni­co es­pe­ci­a­li­za­do na ma­té­ria.

A fal­ta de pro­fes­so­res qua­li­fi­ca­dos pa­ra mi­nis­tra­rem au­las prá­ti­cas nos dis­tin­tos la­bo­ra­tó­ri­os da ins­ti­tui­ção aca­dé­mi­ca, ma­te­ri­ais de con­sul­ta e mei­os de trans­por­te pa­ra os alu­nos e pro­fes­so­res do cen­tro da ci­da­de e vi­ce-ver­sa, têm con­tri­buí­do pa­ra os alu­nos aban­do­na­rem o cur­so e a au­sên­cia cons­tan­te de pro­fes­so­res nas sa­las de au­la.

“O go­ver­no da pro­vín­cia pro­me­teu co­lo­car no tra­jec­to do Mis­som­bo dois au­to­car­ros pa­ra o trans­por­te dos pro­fes­so­res e alu­nos. Es­pe­ra­mos, po­rém, que is­so ve­nha a con­cre­ti­zar-se, sob pe­na de com­pro­me­ter­mos o ano aca­dé­mi­co de 2018”, su­bli­nhou Ma­teus Nda­la, acres­cen­tan­do que es­tão dis­po­ní­veis pa­ra o pre­sen­te ano lec­ti­vo no Ins­ti­tu­to Agrário 885 va­gas, das quais 777 pa­ra o en­si­no mé­dio e 108 pa­ra os cursos téc­ni­cos pro­fis­si­o­nais.

In­for­mou ain­da que es­tão dis­po­ní­veis nos cursos mé­di­os mi­nis­tra­dos no IMAM 468 va­gas pa­ra pro­du­ção ve­ge­tal e 309 pa­ra a pro­du­ção ani­mal, ao pas­so que pa­ra os cursos téc­ni­co- pro­fis­si­o­nais es­tão dis­po­ní­veis 72 va­gas pa­ra a for­ma­ção de au­xi­li­ar de agri­cul­tu­ra e 36 pa­ra o cur­so téc­ni­co de au­xi­li­ar de pe­cuá­ria.

Sa­li­en­tou que, nos úl­ti­mos tem­pos, o nú­me­ro de can­di­da­tos ao cur­so téc­ni­co de au­xi­li­ar de pe­cuá­ria ten­de a di­mi­nuir. Os ci­da­dãos que mais in­te­res­se mos­tram por es­ta for­ma­ção são os re­si­den­tes no Caiún­do e na Or­la Fron­tei­ri­ça, lo­ca­li­da­des on­de exis­tem gran­des cri­a­do­res de ga­do ,mas aca­bam por não se ma­tri­cu­lar por­que o ins­ti­tu­to não tem in­ter­na­to pa­ra os al­ber­gar.

O res­pon­sá­vel má­xi­mo do Ins­ti­tu­to Mé­dio Agrário do Mis­som­bo dis­se que as ma­trí­cu­las na ins­ti­tui­ção que di­ri­ge são re­a­li­za­das de­pois dos ou­tros ins­ti­tu­tos mé­di­os da pro­vín­cia con­cluí­rem es­te pro­ces­so.

É di­fí­cil ge­rir uma ins­ti­tui­ção on­de 90 por cen­to dos fun­ci­o­ná­ri­os não re­ce­bem os ho­no­rá­ri­os. Não te­nho co­mo exi­gir tra­ba­lho a eles e mui­to me­nos mar­car-lhes fal­ta quan­do não com­pa­re­cem ao ser­vi­ço

LOU­REN­ÇO BU­LE | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Alu­nos do IMAM são pro­ve­ni­en­tes de vá­ri­as re­giões da pro­vín­cia do Cuando Cubango

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.