Gre­ve na Pro­cu­ra­do­ria po­de au­men­tar ca­sos

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Gar­ri­do Fra­go­so

O Sin­di­ca­to dos Téc­ni­cos de Jus­ti­ça e Fun­ci­o­ná­ri­os Ad­mi­nis­tra­ti­vos da Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) re­ceia um au­men­to do nú­me­ro de ca­sos de ex­ces­so de pri­são preventiva nos di­fe­ren­tes es­ta­be­le­ci­men­tos pri­si­o­nais do país, ca­so não se­ja so­lu­ci­o­na­da a gre­ve des­po­le­ta­da se­gun­da-fei­ra pe­los téc­ni­cos de jus­ti­ça e fun­ci­o­ná­ri­os ad­mi­nis­tra­ti­vos da ins­ti­tui­ção.

Em de­cla­ra­ções ao Jor­nal de An­go­la, o pre­si­den­te de Mesa da As­sem­bleia Ge­ral do Sin­di­ca­to Na­ci­o­nal dos Téc­ni­cos de Jus­ti­ça e Fun­ci­o­ná­ri­os Ad­mi­nis­tra­ti­vos da Pro­cu­ra­do­ria Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) apon­tou tam­bém de­se­qui­lí­bri­os na tra­mi­ta­ção pro­ces­su­al nos tri­bu­nais pro­vin­ci­ais, mu­ni­ci­pais e dos Comandos de Di­vi­são da Po­lí­cia Na­ci­o­nal e dos Ser­vi­ços de In­ves­ti­ga­ção Cri­mi­nal, co­mo ou­tra con­sequên­cia da gre­ve, que po­de du­rar os quin­ze di­as pre­vis­tos ca­so o Exe­cu­ti­vo não apro­ve e pu­bli­que em Diá­rio da Re­pú­bli­ca o pa­co­te le­gis­la­ti­vo que di­ta o re­gi­me ju­rí­di­co da tran­si­ção e re­con­ver­são das car­rei­ras, bem co­mo o re­gi­me ju­rí­di­co re­mu­ne­ra­tó­rio dos fun­ci­o­ná­ri­os.

“A si­tu­a­ção po­de des­po­le­tar em ca­sos de ex­ces­so de pri­são preventiva e de­se­qui­lí­bri­os na tra­mi­ta­ção de pro­ces­sos ju­di­ci­ais, uma vez que os ar­gui­dos não po­dem di­ri­gir-se ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co pa­ra le­ga­li­za­ção da pri­são”, dis­se, acres­cen­tan­do que a gre­ve é le­gal e tem ade­rên­cia dos téc­ni­cos de jus­ti­ça de to­das as pro­vín­ci­as, com ex­cep­ção da Huí­la e Cu­ne­ne.

Se­gun­do o sin­di­ca­lis­ta, “se o Exe­cu­ti­vo não ace­le­rar a so­lu­ção das ques­tões con­ti­das no pa­co­te rei­vin­di­ca­ti­vo vão cri­ar-se ou­tras si­tu­a­ções e quem so­fre com tu­do is­so são os ci­da­dãos que pro­cu­ram pe­los ser­vi­ços ju­di­ci­ais”, afir­mou o sin­di­ca­lis­ta, re­al­çan­do que a gre­ve obe­de­ce aos cri­té­ri­os es­ta­be­le­ci­dos na Cons­ti­tui­ção e nas leis da Gre­ve e Sin­di­cal.

A gre­ve em cur­so, ex­pli­cou, é sequên­cia da que acon­te­ceu (pri­mei­ra fa­se) em Ju­nho do ano pas­sa­do, al­tu­ra em que fo­ram cum­pri­dos to­dos os pres­su­pos­tos es­ta­be­le­ci­dos na lei. Lourenço Do­min­gos lem­brou que em ac­ta e re­la­tó­ri­os ba­lan­ço fi­cou es­pe­lha­do que a se­gun­da fa­se da gre­ve de­via acon­te­cer de­pois da to­ma­da de pos­se do no­vo Exe­cu­ti­vo saí­do das úl­ti­mas elei­ções ge­rais. “Re­a­li­za­mos a as­sem­bleia-ge­ral em Mar­ço do ano pas­sa­do, que de­li­be­rou a gre­ve de Ju­nho do ano pas­sa­do. Ti­ve­mos ne­go­ci­a­ções atu­ra­das com a en­ti­da­de em­pre­ga­do­ra e foi cri­a­da uma co­mis­são pa­ra for­ma­li­zar o pa­co­te le­gis­la­ti­vo”, de­cla­rou.

“O nos­so pa­co­te le­gis­la­ti­vo deu en­tra­da na Ca­sa Ci­vil do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca a 27 de Abril de 2017 e até Ju­nho, al­tu­ra em que des­po­le­tou a pri­mei­ra gre­ve, não ti­ve­mos res­pos­ta al­gu­ma. Quer a di­rec­ção da PGR co­mo o Exe­cu­ti­vo não dis­se­ram mais na­da. Ou­vía­mos por al­to que o pa­co­te foi en­ca­mi­nha­do pa­ra o Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça, mas na­da de ofi­ci­al”, afir­mou Lourenço Do­min­gos.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.