PGR de Mo­çam­bi­que quer res­pon­sa­bi­li­za­ção

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

A Pro­cu­ra­do­ria-Ge­ral da Re­pú­bli­ca (PGR) de Mo­çam­bi­que vai pe­dir a res­pon­sa­bi­li­za­ção fi­nan­cei­ra dos ges­to­res pú­bli­cos e das em­pre­sas pú­bli­cas que con­traí­ram uma dí­vi­da ocul­ta de dois mil mi­lhões de dó­la­res, com o aval do Es­ta­do, en­tre 2013 e 2014, in­for­mou on­tem a ins­ti­tui­ção em comunicado di­vul­ga­do em Ma­pu­to.

“O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co sub­me­teu ao Tri­bu­nal Ad­mi­nis­tra­ti­vo, a 26 de Ja­nei­ro, uma de­nún­cia com vis­ta à res­pon­sa­bi­li­za­ção fi­nan­cei­ra dos ges­to­res pú­bli­cos e das em­pre­sas par­ti­ci­pa­das pe­lo Es­ta­do, in­ter­ve­ni­en­tes na ce­le­bra­ção e na ges­tão dos con­tra­tos de fi­nan­ci­a­men­to, for­ne­ci­men­to e de pres­ta­ção de ser­vi­ços”, re­fe­re o comunicado.

A de­ci­são de­cor­re dos au­tos de ins­tru­ção pre­pa­ra­tó­ria do pro­ces­so re­la­ti­vo à dí­vi­da pú­bli­ca con­traí­da pe­las em­pre­sas ProIn­di­cus, Em­pre­sa Mo­çam­bi­ca­na de Atum (Ema­tum) e Mo­zam­bi­que As­set Ma­na­ge­ment (MAM) atra­vés de fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no com ga­ran­tia do Es­ta­do. A PGR in­for­mou te­rem si­do de­tec­ta­dos “vá­ri­os factos sus­cep­tí­veis de con­subs­tan­ci­ar in­frac­ções financeiras” ao lon­go da ins­tru­ção, que in­te­gra o re­la­tó­rio da au­di­to­ria realizada pe­la Kroll As­so­ci­a­tes e o re­la­tó­rio da co­mis­são par­la­men­tar de inqué­ri­to pa­ra ave­ri­guar a si­tu­a­ção da dí­vi­da.

O Mi­nis­té­rio Pú­bli­co men­ci­o­na três pon­tos: O “des­res­pei­to dos procedimentos e dos li­mi­tes fi­xa­dos por lei na emissão de ga­ran­ti­as e avais pe­lo Go­ver­no”, a “inob­ser­vân­cia dos procedimentos le­gais na con­tra­ta­ção de fi­nan­ci­a­men­to ex­ter­no e na con­tra­ta­ção de bens e ser­vi­ços” e ain­da a “exe­cu­ção de ac­tos e con­tra­tos sem a sua sub­mis­são pa­ra a fis­ca­li­za­ção obri­ga­tó­ria pe­las en­ti­da­des com­pe­ten­tes.”

in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das an­go­la­nas con­traí­ram em De­zem­bro 6,64 por cento, si­tu­an­do-se em 13.299,71 mi­lhões de dó­la­res, de acor­do com o Co­mi­té de Po­lí­ti­ca Mo­ne­tá­ria do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), que esteve reu­ni­do se­gun­da­fei­ra, em Lu­an­da, pa­ra ava­li­ar os in­di­ca­do­res de cres­ci­men­to eco­nó­mi­co e as con­tas fis­cais e mo­ne­tá­ri­as de De­zem­bro de 2017.

No fi­nal do mês de Agos­to de 2017, as re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das re­gis­ta­vam o seu va­lor mí­ni­mo em 7 anos, si­tu­an­do-se em 15,609 mil mi­lhões dó­la­res, que en­tra­ram no li­mi­te da sol­va­bi­li­da­de ex­ter­na de­fi­ni­da pe­lo an­te­ri­or Go­ver­no. Da­dos pre­li­mi­na­res da Es­ta­tís­ti­ca Mo­ne­tá­ria e Fi­nan­cei­ra do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la re­ve­lam que em Abril de 2010 as re­ser­vas es­ta­vam ava­li­a­das em 15,300 mil mi­lhões de dó­la­res.

Des­de o iní­cio da cri­se pe­tro­lí­fe­ra, em 2014, as re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais já bai­xa­ram cer­ca de me­ta­de. Em Ja­nei­ro de 2014, as re­ser­vas es­ta­vam es­ti­ma­das em 30,7 mil mi­lhões de dó­la­res, sen­do que, de lá pa­ra cá, re­gis­tou-se uma per­da de 15,1 mil mi­lhões.

An­go­la é o se­gun­do país mem­bro da Co­mu­ni­da­de de De­sen­vol­vi­men­to da Áfri­ca Aus­tral (SADC) com o mai­or vo­lu­me de re­ser­vas in­ter­na­ci­o­nais lí­qui­das dis­po­ní­veis, per­den­do ape­nas pa­ra a Áfri­ca do Sul que, a 8 de Ja­nei­ro deste ano, con­ta­bi­li­za­va re­ser­vas ava­li­a­das em 42,927 mil mi­lhões de dó­la­res.

Eco­no­mia mo­ne­tá­ria

No mês de De­zem­bro de 2017, a ta­xa de in­fla­ção men­sal, me­di­da pe­lo Ín­di­ce de Pre­ços no Con­su­mi­dor Na­ci­o­nal, pu­bli­ca­da pe­lo Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal de Es­ta­tís­ti­ca,

Em De­zem­bro de 2017, a LUIBOR "Over­night" fi­xou­se em 17,77 por cento ao ano. O cré­di­to à eco­no­mia au­men­tou 2,35 por cento, en­quan­to o cré­di­to bru­to ao Go­ver­no cen­tral (ti­tu­la­do e não ti­tu­la­do) au­men­tou 4,14 por cento.

No mer­ca­do cam­bi­al pri­má­rio, a ta­xa de câm­bio mé­dia do kwan­za fa­ce ao dó­lar foi de 165,92. Em De­zem­bro, os ban­cos co­mer­ci­ais com­pra­ram 892 mi­lhões de dó­la­res, dos quais 689 mi­lhões ao BNA e o re­ma­nes­cen­te aos seus cli­en­tes, o que, com­pa­ra­ti­va­men­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.