As­so­ci­a­ção pro­vin­ci­al pre­meia fes­ti­vais

Jornal de Angola - - CULTURA - Má­rio Cohen Jac­ques Ar­lin­do dos San­tos

A As­so­ci­a­ção Pro­vin­ci­al de Te­a­tro de Lu­an­da (APTL) re­a­li­za hoje, às 18h00, na LAASP, em Lu­an­da, uma ga­la pa­ra dis­tin­guir fes­ti­vais, com­pa­nhi­as de ar­tes e pes­so­as sin­gu­la­res que têm tra­ba­lha­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das ar­tes cé­ni­cas na ca­pi­tal.

A ga­la, en­qua­dra­da nas ce­le­bra­ções das fes­ti­vi­da­des da Ci­da­de de Lu­an­da, as­si­na­la­das no pas­sa­do dia 25, vai dis­tin­guir o Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal de Te­a­tro do Ca­zen­ga (FESTECA), Fes­ta­paz, Fest­ve­la e o Fes­ti­val In­ter­na­ci­o­nal pa­ra In­fân­cia e Ju­ven­tu­de (Fes­ti­ij), as­sim co­mo a com­pa­nhia de ar­tes Ho­ri­zon­te Njin­ga Mban­de, o pro­jec­to “Há te­a­tro no Ca­mões”, o Fu­te­bol Clu­be de Te­a­tro, a Rá­dio UnIa e o gru­po Twa­bi­xi­la.

Lu­zia Pan­gui­la, se­cre­tá­ria-ad­jun­ta da APTL, dis­se que Jor­nal de An­go­la que a ac­ti­vi­da­de ser­ve pa­ra reu­nir a fa­mí­lia do te­a­tro, co­la­bo­ra­do­res, ami­gos, pa­tro­ci­na­do­res, as­sim co­mo ou­tros par­cei­ros que de cer­ta for­ma têm con­tri­buí­do pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to do te­a­tro an­go­la­na, par­ti­cu­lar­men­te em Lu­an­da.

Lu­zia Pan­gui­la dis­se que a com­pa­nhia de ar­tes Ho­ri­zon­te Njin­ga Mban­de além de ser o mais po­pu­lar gru­po de te­a­tro an­go­la­na, cri­a­da em 1986, os seus es­pec­tá­cu­los es­tão en­tre os mais pro­cu­ra­dos na ca­pi­tal.

Além das exi­bi­ções que tem fei­to no país e no es­tran­gei­ro, mos­tran­do a re­a­li­da­de an­go­la­no, o Ho­ri­zon­te Njin­ga Mban­de tem uma es­co­la de for­ma­ção pa­ra ac­to­res, ope­ra­do­res de câ­ma­ras e edi­to­res de ví­deo, na qual ac­to­res e ac­tri­zes de ou­tros gru­pos têm co­mo so­lu­ção pa­ra ca­pa­ci­ta­ção e for­ma­ção.

O tra­ba­lho de­sen­vol­vi­do pe­lo Ho­ri­zon­te Njin­ga Mban­de em prol do te­a­tro na­ci­o­nal, dis­se Lu­zia Pang­gui­la, faz com que a APTL pre­meie es­te gru­po, ten­do re­co­nhe­ci­do exis­tir em Lu­an­da ou­tras agre­mi­a­ções me­re­ce­do­ras de tal dis­tin­ção pe­lo que têm fei­to pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to das ar­tes cé­ni­cas. Re­ce­beu o Jor­nal de An­go­la uma mis­si­va do se­nhor Jac­ques Ar­lin­do dos San­tos com o se­guin­te te­or: “Na edi­ção do dia 26 de Ja­nei­ro do Jor­nal de An­go­la, foi da­da à es­tam­pa uma no­tí­cia cu­jo tí­tu­lo “Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal re­a­bre bre­ve­men­te”, bem co­mo par­te subs­tan­ci­al do con­teú­do sus­ci­tou dú­vi­das e in­du­ziu al­gum pú­bli­co leitor a con­clu­sões pre­ci­pi­ta­das, que con­vém es­cla­re­cer. As­sim, nos ter­mos le­gais e usan­do do di­rei­to de res­pos­ta, in­for­mo:

1 – Não sou ac­tu­al­men­te pre­si­den­te nem de­sem­pe­nho qual­quer car­go em ne­nhum ór­gão da As­so­ci­a­ção Cul­tu­ral e Re­cre­a­ti­va Chá de Ca­xin­de. Con­ti­nuo, sim, a ser mem­bro ac­ti­vo da ins­ti­tui­ção e in­te­gro o seu Con­se­lho Ca­xin­den­se, um ór­gão me­ra­men­te con­sul­ti­vo, sem o exer­cí­cio de ne­nhu­ma fun­ção que a obri­gue.

2 – En­quan­to as­so­ci­a­do com ple­nos di­rei­tos e cidadão, te­nho opi­nião pró­pria, e foi nes­sa con­di­ção que te­ci con­si­de­ra­ções à volta do en­cer­ra­men­to da sa­la de es­pec­tá­cu­los do Na­ci­o­nal Ci­ne-Te­a­tro, re­gis­ta­do há cer­ca de quatro anos (Maio de 2014), nes­sa al­tu­ra sim, era eu o Pre­si­den­te do seu Con­se­lho Di­rec­ti­vo. Foi pois nes­tas cir­cuns­tân­ci­as que opi­nei so­bre as hi­pó­te­ses da sua re­a­ber­tu­ra, as­sim co­mo, de um mo­do mais am­plo mas ab­so­lu­ta­men­te in­for­mal, ques­ti­o­nei a re­cu­pe­ra­ção des­sa em­ble­má­ti­ca ca­sa de es­pec­tá­cu­los, clas­si­fi­ca­da, co­mo se sa­be, co­mo Pa­tri­mó­nio Cul­tu­ral Na­ci­o­nal.

3 – Co­mo pes­soa aten­ta aos fe­nó­me­nos da vi­da na­ci­o­nal, com par­ti­cu­lar aten­ção pe­lo cul­tu­ral, ma­ni­fes­tei o de­se­jo, que não é ape­nas meu, é de to­da a co­mu­ni­da­de, de ver de volta à ac­ti­vi­da­de o Na­ci­o­nal Ci­ne-Te­a­tro que, con­tra­ri­a­men­te ao que se fez pas­sar e ain­da per­du­ra nal­gu­ma opi­nião pú­bli­ca, foi en­cer­ra­do por não ter con­di­ções pa­ra fun­ci­o­nar. Pa­ra que se per­ce­ba cor­rec­ta­men­te o as­sun­to se­rá bom es­cla­re­cer que o fac­to ocor­reu em vir­tu­de de, no dia des­sa to­ma­da de de­ci­são, es­tar pa­ra ser le­va­da à ce­na a pe­ça te­a­tral “As Ora­ções de Man­sa­ta”, do au­tor gui­ne­en­se Ab­du­lai Si­la, cu­jo te­ma abor­da­va com acui­da­de a qu­es­tão da cor­rup­ção. Pa­ra mim, a de­ci­são foi mar­ca­da­men­te po­lí­ti­ca. Não ti­nha a ver, co­mo foi am­pla­men­te ex­plo­ra­do, com as­pec­tos de se­gu­ran­ça. O es­pec­tá­cu­lo foi or­ga­ni­za­do pe­lo Elin­ga Te­a­tro que nos so­li­ci­tou a ce­dên­cia da sa­la pa­ra o efei­to. O ar­gu­men­to da fal­ta de se­gu­ran­ça cons­ti­tuiu, qu­an­to a mim, um er­ro cras­so de vi­são po­lí­ti­ca que pre­ju­di­cou o MPLA e, pa­ra além do mais, re­ti­rou aos ci­da­dãos e mu­ní­ci­pes da ca­pi­tal do país, des­de aque­la da­ta, a pos­si­bi­li­da­de de usu­fruí­rem, nu­ma ci­da­de com imen­sas ca­rên­ci­as de lo­cais de la­zer, de uma sa­la de es­pec­tá­cu­los ca­paz de sa­tis­fa­zer ar­tis­tas e pú­bli­co em ge­ral.

4 – Ten­do cons­ci­ên­cia da si­tu­a­ção crí­ti­ca em que se en­con­tra a si­tu­a­ção eco­nó­mi­ca do país, não te­ria ne­nhum sen­ti­do fa­zer nes­te mo­men­to pro­jec­tos pa­ra a to­tal e com­ple­ta re­cu­pe­ra­ção do Na­ci­o­nal Ci­ne-Te­a­tro, mui­to me­nos en­vol­ver nes­sa pre­ten­são o Go­ver­no Pro­vin­ci­al de Lu­an­da. O que foi su­ge­ri­do por mim du­ran­te a vi­si­ta de S.Exª. o Se­nhor Go­ver­na­dor Men­des de Car­va­lho às ins­ta­la­ções da Chá de Ca­xin­de (cu­jo ani­ver­sá­rio se ce­le­bra a 28 de Ja­nei­ro e não a 25, co­mo vei­cu­la­do) foi que, de mo­do pre­cá­rio e com pe­que­nas obras de re­pa­ra­ção se en­ca­ras­se a hi­pó­te­se de al­gum apoio do GPL pa­ra a re­a­ber­tu­ra da sa­la, en­quan­to não se pu­der fi­nan­ci­ar a sua re­a­bi­li­ta­ção com­ple­ta.

5 – Por­que se tor­na opor­tu­no di­zê-lo, mais uma vez em no­me do cidadão Jac­ques Ar­lin­do dos San­tos e nun­ca vin­cu­lan­do a ins­ti­tui­ção Chá de Ca­xin­de, foi la­men­tá­vel ve­ri­fi­car que ao lon­go deste tem­po que não é pou­co, nun­ca se re­gis­tou qual­quer ati­tu­de, pa­la­vra, es­cri­to ou qual­quer ou­tro ges­to que ma­ni­fes­tas­se pe­sar ou so­li­da­ri­e­da­de da par­te dos lau­re­a­dos do Elin­ga Te­a­tro. Es­pe­ra­mos es­te tem­po to­do por um “des­cul­pem o mau jei­to”, “es­ta­mos jun­tos”, “o que po­de­mos fa­zer?”. De­bal­de. Por ve­zes é di­fí­cil en­ten­der os di­tos in­te­lec­tu­ais deste país...

Pos­to is­to nes­tes ter­mos, agra­de­ço a pu­bli­ca­ção in­te­gral des­ta no­ta de es­cla­re­ci­men­to, pa­ra que não fi­quem dú­vi­das em to­dos quan­tos se in­te­res­sam por es­ta cau­sa”.

Lu­an­da, 29 Ja­nei­ro de 2018

DR Fa­cha­da do Ci­ne Te­a­tro Na­ci­o­nal in­ter­di­ta­do há quatro anos

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Ho­ri­zon­te Njin­ga Mban­de re­ce­be hoje uma dis­tin­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.