Lan­ça­das bri­ga­das pa­ra ma­nu­ten­ção de es­tra­das

O pro­jec­to con­sis­te em co­lo­car 20 fun­ci­o­ná­ri­os em ca­da ba­se pa­ra as­se­gu­rar a ma­nu­ten­ção num per­cur­so de 25 qui­ló­me­tros

Jornal de Angola - - PARTADA - Jo­sé Bu­le

O Fun­do Ro­do­viá­rio An­go­la­no inau­gu­rou on­tem, em Ca­te­te, no mu­ni­cí­pio de Ico­lo e Ben­go, pro­vín­cia de Lu­an­da, a pri­mei­ra ba­se de bri­ga­das de con­ser­va­ção de es­tra­das, de um to­tal de 500 uni­da­des pa­ra as­se­gu­rar a ma­nu­ten­ção das vi­as.

Com es­te nú­me­ro de bri­ga­das fi­cam as­se­gu­ra­dos cer­ca de oi­to mil pos­tos de tra­ba­lho di­rec­tos, pa­ra ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção dos mais de 13 mil qui­ló­me­tros de es­tra­das já re­cu­pe­ra­das.

O pro­jec­to con­sis­te em co­lo­car 20 fun­ci­o­ná­ri­os em ca­da ba­se, 16 dos quais são tra­ba­lha­do­res de cam­po que vão ga­ran­tir a con­ser­va­ção de um de­ter­mi­na­do per­cur­so de 25 qui­ló­me­tros.

As ba­ses fun­ci­o­nam co­mo es­ta­lei­ros, on­de os bri­ga­dis­tas se reú­nem e ar­ma­ze­nam os mei­os de tra­ba­lho. As es­tru­tu­ras con­tam com um ar­ma­zém pa­ra a con­ser­va­ção dos mei­os de tra­ba­lho e fer­ra­men­tas di­ver­sas, uma ca­sa de ba­nho, um ga­bi­ne­te pa­ra o che­fe da bri­ga­da e uma ca­sa de ba­te­ri­as.

“Pa­ra além da con­ser­va­ção de es­tra­das, o pro­jec­to tem um lon­go al­can­ce so­ci­al. Ao fa­zer­mos a ma­nu­ten­ção de 13 mil qui­ló­me­tros de es­tra­das no país va­mos pre­ci­sar de qui­nhen­tas bri­ga­das com mais de oi­to mil tra­ba­lha­do­res”, dis­se o ad­mi­nis­tra­dor pa­ra área Técnica do Fun­do Ro­do­viá­rio An­go­la­no.

Si­meão To­mé, que pro­ce­deu ao cor­te da fi­ta, afir­mou que os tra­ba­lhos de con­ser­va­ção con­sis­tem na lim­pe­za das ber­mas e das va­las de dre­na­gem das águas plu­vi­ais e re­si­du­ais, na re­mo­ção de obs­tá­cu­los nas vi­as e re­a­li­za­ção de ser­vi­ços de ta­pa bu­ra­cos.

“Em ca­da tro­ço pre­ci­sa­mos ter as ber­mas de­vi­da­men­te ca­pi­na­das e lim­pe­za às va­las de dre­na­gem pa­ra per­mi­tir que as águas si­gam o seu cur­so, evi­tan­do as ero­sões que per­mi­tem o sur­gi­men­to de ra­vi­nas e co­lo­cam em cau­sa a se­gu­ran­ça ro­do­viá­ria”, dis­se Si­meão To­mé, su­bli­nhan­do que o de­sa­fio vi­sa me­lho­rar as ac­ções de con­ser­va­ção das es­tra­das cons­truí­das ou re­a­bi­li­ta­das nos úl­ti­mos anos.

Si­meão To­mé ex­pli­cou que a cons­tru­ção das ba­ses e a ges­tão das equi­pas que com­põem as bri­ga­das de con­ser­va­ção de es­tra­das são fei­tas por em­pre­sas lo­cais, e vão ne­ces­si­tar de cin­co mi­lhões de kwan­zas mês, pa­ra a ma­nu­ten­ção de 25 qui­ló­me­tros de es­tra­da.

Com cer­ca de 100 qui­ló­me­tros, o tro­ço que li­ga Mu­xi­ma, Ca­te­te e Ma­ria Te­re­sa con­ta com três ba­ses cons­truí­das. Se­gun­do o ad­mi­nis­tra­dor pa­ra a área Técnica do Fun­do Ro­do­viá­rio, na­que­la via, ca­da gru­po de 16 bri­ga­dis­tas re­a­li­za tra­ba­lhos de ma­nu­ten­ção em ape­nas 25 qui­ló­me­tros do per­cur­so.

“As bri­ga­das só in­ter­vêm nos tro­ços on­de não de­cor­rem obras de re­a­bi­li­ta­ção. Por­tan­to, ali on­de já fi­ze­mos tra­ba­lhos de me­lho­ri­as de pa­vi­men­to co­lo­ca­mos bri­ga­das a fun­ci­o­nar”, acres­cen­tou o ad­mi­nis­tra­dor.

Si­meão To­mé dis­se que nos pró­xi­mos di­as ou­tras ba­ses de bri­ga­das de con­ser­va­ção de es­tra­das en­tram em fun­ci­o­na­men­to no tro­ço ro­do­viá­rio Ca­bo­lom­bo/Bar­ra do Cu­an­za/Ca­bo Le­do, pa­ra de­pois ser “ata­ca­do” o ei­xo ro­do­viá­rio Lu­an­da - Ca­xi­to.

O ad­mi­nis­tra­dor pa­ra área Técnica do Fun­do Ro­do­viá­rio An­go­la­no re­fe­riu que as vi­as a se­rem in­ter­ven­ci­o­na­das têm con­di­ções ra­zoá­veis de tra­fe­ga­bi­li­da­de e não ca­re­cem de obras de ma­nu­ten­ção ime­di­a­ta.

“Nas es­tra­das que apre­sen­tam ele­va­dos ní­veis de de­gra­da­ção, pri­mei­ro va­mos re­a­li­zar obras de re­a­bi­li­ta­ção e em se­gui­da co­lo­car as bri­ga­das”, con­cluiu.

O Fun­do Ro­do­viá­rio An­go­la­no foi cri­a­do em 2016 com o ob­jec­ti­vo de agre­gar os re­cur­sos fi­nan­cei­ros des­ti­na­dos à con­ser­va­ção das es­tra­das do país.

A es­tru­tu­ra or­gâ­ni­ca e o mo­do de fun­ci­o­na­men­to do Fun­do Ro­do­viá­rio são es­ta­be­le­ci­dos pe­lo De­cre­to Pre­si­den­ci­al n.º 189 de 5 de Ou­tu­bro de 2015.

O di­plo­ma re­fe­re que o Fun­do Ro­do­viá­rio tem por atri­bui­ções agre­gar os re­cur­sos fi­nan­cei­ros des­ti­na­dos à con­ser­va­ção e ma­nu­ten­ção da re­de de es­tra­das do país, no­me­a­da­men­te atra­vés da co­ber­tu­ra de des­pe­sas de con­ser­va­ção das es­tra­das da re­de na­ci­o­nal, com ba­se nu­ma ges­tão ade­qua­da e trans­pa­ren­te su­bor­di­na­da à po­lí­ti­ca ma­cro­e­co­nó­mi­ca de­fi­ni­da pe­lo Exe­cu­ti­vo. Ana­li­sar e apro­var o Pro­gra­ma Anu­al de Con­ser­va­ção e Ma­nu­ten­ção de Es­ta­das de An­go­la, e os sub­me­ti­dos pe­lo Ins­ti­tu­to de Es­tra­das de An­go­la, são ou­tras atri­bui­ções do Fun­do Ro­do­viá­rio.

O pro­jec­to con­sis­te em co­lo­car 20 fun­ci­o­ná­ri­os em ca­da ba­se, 16 dos quais são tra­ba­lha­do­res de cam­po que vão ga­ran­tir a con­ser­va­ção de 25 qui­ló­me­tros

JOÃO GO­MES | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO Bri­ga­das vão ga­ran­tir a ma­nu­ten­ção de mais de 13 mil qui­ló­me­tros de es­tra­das já re­cu­pe­ra­das

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.