Zu­ma tem até ho­je pa­ra dei­xar o po­der

Prin­ci­pal ins­tru­men­to de exe­cu­ção fi­nan­cei­ra do Go­ver­no pre­vê um au­men­to de mais de 96 mil mi­lhões pa­ra o sec­tor da Saú­de e da Edu­ca­ção pa­ra ad­mi­tir mais professores e mé­di­cos em to­do o país e re­for­çar a apos­ta fei­ta nos sec­to­res so­ci­ais

Jornal de Angola - - PARTADA - Ade­li­na Iná­cio

O se­cre­tá­rio-ge­ral do ANC, Ace Ma­gashu­le, as­se­gu­rou on­tem que o Pre­si­den­te su­la­fri­ca­no, Ja­cob Zu­ma, vai pro­nun­ci­ar-se ho­je so­bre a or­dem de de­mis­são do par­ti­do.

O Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do des­te ano, com re­cei­tas es­ti­ma­das em 9.685.550.810.785, 00 (no­ve tri­liões, seis­cen­tos e oi­ten­ta e cin­co mil mi­lhões, qui­nhen­tos e cin­quen­ta mi­lhões, oi­to­cen­tos e dez mil, se­te­cen­tos e oi­ten­ta e cin­co kwan­zas) vai ho­je à apro­va­ção fi­nal glo­bal, de­pois de pas­sar na ge­ne­ra­li­da­de e na es­pe­ci­a­li­da­de.

Os de­pu­ta­dos vão apro­var o OGE com um au­men­to das ver­bas pa­ra o sec­tor da saú­de, edu­ca­ção, en­si­no su­pe­ri­or e cons­tru­ção ci­vil no va­lor glo­bal de 96.453.183.132,00 kwan­zas.

Du­ran­te o de­ba­te do Or­ça­men­to na es­pe­ci­a­li­da­de, os de­pu­ta­dos re­co­men­da­ram ao Exe­cu­ti­vo a aber­tu­ra de um concurso pa­ra ad­mis­são de até 20.000 no­vos professores pa­ra to­dos os ní­veis de en­si­no, a con­tra­ta­ção de 1.500 mé­di­cos em to­do o país e 200 téc­ni­cos de en­fer­ma­gem e de di­ag­nós­ti­co no Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de Pú­bli­ca.

Os de­pu­ta­dos re­co­men­da­ram tam­bém a cri­a­ção de me­ca­nis­mos mais cé­le­res de aten­di­men­to nas uni­da­des hos­pi­ta­la­res, de mo­do a ga­ran­tir uma me­lho­ria na as­s­si­tên­cia ao pú­bli­co.

Or­ça­men­to in­clu­si­vo

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar do MPLA, Sa­lo­mão Xi­rim­bim­bi, dis­se ao Jor­nal

de An­go­la que o au­men­to do nú­me­ro de professores e mé­di­cos foi uma pro­pos­ta do MPLA, que du­ran­te o de­ba­te, na es­pe­ci­a­li­da­de, ou­viu vá­ri­os par­cei­ros so­ci­ais e al­gu­mas en­ti­da­des do Go­ver­no.

“In­de­pen­den­te­men­te das au­di­ções do Par­la­men­to, o gru­po par­la­men­tar do MPLA foi o pri­mei­ro a ou­vir os vá­ri­os par­cei­ros so­ci­ais e al­gu­mas en­ti­da­des, pa­ra nos in­tei­rar­mos dos vá­ri­os pro­ble­mas e da ur­gên­cia em tra­ba­lhar­mos com o Exe­cu­ti­vo no sen­ti­do de aten­der às su­as pre­o­cu­pa­ções”, dis­se o lí­der do gru­po par­la­men­tar do MPLA.

Quan­to à ori­en­ta­ção do Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pa­ra a con­tra­ta­ção ur­gen­te de no­vos professores, o de­pu­ta­do Sa­lo­mão Xi­rim­bim­bi afir­mou que a de­ci­são de João Lou­ren­ço es­tá em li­nha com aqui­lo que o gru­po par­la­men­tar do MPLA en­ten­de e de­fen­deu du­ran­te a dis­cus­são do OGE na es­pe­ci­a­li­da­de. “É uma ori­en­ta­ção opor­tu­na por­que to­dos sa­be­mos que a edu­ca­ção é a ba­se de tu­do, e tu­do que pre­ten­de­mos fa­zer pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­la boa edu­ca­ção e pre­pa­ra­ção de pro­fis­si­o­nais e téc­ni­cos quer se­ja no do­mí­nio da saú­de quer se­ja no do­mí­nio da edu­ca­ção”, dis­se Sa­lo­mão Xi­rim­bim­bi.

O vo­to da UNITA

O pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da UNITA, Adal­ber­to Cos­ta Júnior, afir­mou, du­ran­te o de­ba­te, na es­pe­ci­a­li­da­de, que a UNITA dei­xou cla­ra a sua ten­dên­cia de vo­to ao Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do pa­ra es­te ano.

Adal­ber­to Cos­ta Júnior dis­se “não ser tra­di­ção da UNITA vo­tar fa­vo­ra­vel­men­te ou abs­ter-se no Or­ça­men­to Ge­ral do Es­ta­do”, mas que, de­vi­do ao re­sul­ta­do da si­tu­a­ção ac­tu­al do país, a di­rec­ção da UNITA cri­ou a pos­si­bi­li­da­de de mu­dar a sua ten­dên­cia de vo­to no sen­ti­do de, em con­jun­to, se abra­ça­rem os de­sa­fi­os di­fí­ceis que An­go­la tem e en­con­trar uma saí­da pa­ra os pro­ble­mas.

“A UNITA abs­te­ve-se nas vo­ta­ções to­das até à úl­ti­ma ho­ra, por­que foi con­tri­buin­do nos de­ba­tes com uma gran­de par­ti­ci­pa­ção, e en­tre­ga­mos tam­bém por es­cri­to uma pro­pos­ta com uma vi­são de fu­tu­ro pa­ra o país, on­de a UNITA de­sa­fi­ou a um de­ba­te pa­ra se en­con­trar ca­mi­nho que se de­via se­guir e não fo­mos res­pon­di­dos em ne­nhum dos as­pec­tos es­tra­té­gi­cos apre­sen­ta­dos ”, dis­se.

O de­pu­ta­do dis­se que a UNITA con­ti­nua a pen­sar que a dí­vi­da pú­bli­ca as­su­mi­da pe­lo país não é re­al, uma vez que a mes­ma atin­giu 70 por cen­to do Pro­du­to In­ter­no Bru­to (PIB) e que, de­pois, tem o ser­vi­ço da dí­vi­da com ju­ros que con­so­mem 52 por cen­to da des­pe­sa pú­bli­ca. “Se for ve­ri­fi­ca­do na prá­ti­ca ela (a dí­vi­da) é a mãe da cor­rup­ção em An­go­la”, afir­mou o pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar da UNITA.

Adal­ber­to Cos­ta Júnior dis­se que a UNITA pen­sa­va que o ac­tu­al Go­ver­no quer mes­mo com­ba­ter a cor­rup­ção e pre­ten­dia tra­ba­lhar em con­jun­to com o Exe­cu­ti­vo nu­ma es­tra­té­gia de com­ba­te a es­ta ques­tão. Mas, acres­cen­tou o de­pu­ta­do, o Exe­cu­ti­vo não res­pon­deu a es­te de­sa­fio apre­sen­ta­do pe­la UNITA.

Pa­ra o pre­si­den­te do gru­po par­la­men­tar do mai­or par­ti­do da opo­si­ção, o OGE con­ti­nua a ter vá­ri­as alí­ne­as com fi­nan­ci­a­men­to par­ti­dá­rio.

“Há uma sé­rie de ins­ti­tui­ções que en­con­tram ver­bas no OGE vin­cu­la­das ao par­ti­do no po­der e não fo­ram re­ti­ra­das, com ex­cep­ção do CANFEU (Cam­po de Fé­ri­as pa­ra Es­tu­dan­tes Uni­ver­si­tá­ri­os). Con­ti­nu­am a exis­tir fi­nan­ci­a­men­to a ins­ti­tui­ções do par­ti­do e fa­zem cam­pa­nha pe­lo país fo­ra”, afir­mou o de­pu­ta­do.

Adal­ber­to Cos­ta Júnior, do gru­po par­la­men­tar da UNITA, con­si­de­ra que não há or­ça­men­to bas­tan­te no sec­tor pro­du­ti­vo e in­dus­tri­al pa­ra ti­rar o país da cri­se eco­nó­mi­ca

JOHANNES EISELE | AFP

KINDALA MA­NU­EL | EDIÇÕES NOVEMBRO

Opo­si­ção par­la­men­tar es­tá apre­en­si­va quan­to às pro­pos­tas apre­sen­ta­das pe­lo gru­po do MPLA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.