Sin­di­ca­to do En­si­no Su­pe­ri­or ame­a­ça en­trar em gre­ve

Sin­di­ca­to des­car­ta fa­zer gre­ve in­ter­po­la­da, por de­ci­são da as­sem­bleia de tra­ba­lha­do­res, co­mo sen­do a mais ra­ci­o­nal e sis­te­má­ti­ca, ca­paz de exi­gir do Go­ver­no a cri­a­ção de con­di­ções pa­ra o fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Rodrigues Cam­ba­la

A par­tir do dia 12 de Ju­lho des­te ano, os do­cen­tes das uni­ver­si­da­des pú­bli­cas po­de­rão pa­ra­li­sar as ac­ti­vi­da­des la­bo­rais, por tem­po in­de­ter­mi­na­do, ca­so até à da­ta não se­jam re­sol­vi­das pe­lo Exe­cu­ti­vo as pre­o­cu­pa­ções cons­tan­tes do ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo, já em pos­se da en­ti­da­de pa­tro­nal, anun­ci­ou, on­tem, em Lu­an­da, o Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res do En­si­no Su­pe­ri­or (Sin­pes).

O se­cre­tá­rio-ge­ral do Sin­pes, Eduardo Peres dis­se ao Jor­nal de An­go­la que o sin­di­ca­to des­car­ta fa­zer uma gre­ve in­ter­po­la­da e jus­ti­fi­ca tal ati­tu­de, saí­da da as­sem­bleia de tra­ba­lha­do­res, co­mo sen­do a mais ra­ci­o­nal e sis­te­má­ti­ca, ca­paz de exi­gir do Go­ver­no a cri­a­ção de con­di­ções pa­ra o nor­mal fun­ci­o­na­men­to das ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or.

“Gre­ve in­ter­po­la­da pre­ju­di­ca o sis­te­ma de en­si­no e apren­di­za­gem, por­que cria la­cu­nas, por is­so acha­mos que va­le a pe­na pa­ra­li­sar por tem­po in­de­ter­mi­na­do, mes­mo que de­pois se in­vi­a­bi­li­ze o ano lec­ti­vo, pa­ra re­to­mar­mos em me­lho­res con­di­ções”, ex­pli­ca.

Eduardo Peres de­cla­rou que o diá­lo­go com o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or não tem en­con­tra­do so­lu­ção plau­sí­vel, por­que, às ve­zes, “dá-se o di­to pe­lo não di­to.”

“Se, nes­tes 60 di­as, o Go­ver­no não re­sol­ver o pro­ble­ma, as au­las no en­si­no su­pe­ri­or vão pa­rar e po­de­re­mos che­gar até De­zem­bro. Por is­so, ape­la­mos os do­cen­tes a man­te­rem a cons­ci­ên­cia de clas­se, por­que, no país, to­da a cul­pa tem si­do atri­buí­da ao pro­fes­sor”, acen­tu­ou.

Tal co­mo es­ta­va pre­vis­to, o Go­ver­no já apro­vou, há di­as, o Es­ta­tu­to da Car­rei­ra Do­cen­te, mas o se­cre­tá­rio-ge­ral do Sin­pes, Eduardo Peres, avan­çou que, até ao mo­men­to, não têm a ver­são fi­nal do do­cu­men­to pa­ra apu­rar a con­for­mi­da­de das pro­pos­tas apre­sen­ta­das pe­lo sin­di­ca­to.

“Não sa­be­mos se, de fac­to, as nos­sas rei­vin­di­ca­ções fo­ram ti­das em con­ta. Aguar­da­mos pe­la ver­são fi­nal”, pros­se­guiu.

So­bre o Es­ta­tu­to Re­mu­ne­ra­tó­rio, Eduardo Peres ex­pli­cou que o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or, Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e Ino­va­ção ha­via, na úl­ti­ma reu­nião com o sin­di­ca­to, in­for­ma­do que o do­cu­men­to es­ta­va em aná­li­se nos mi­nis­té­ri­os das Fi­nan­ças e da Ad­mi­nis­tra­ção Pú­bli­ca, Tra­ba­lho e Se­gu­ran­ça So­ci­al.

“As pro­mes­sas não es­tão a re­sol­ver os pro­ble­mas. Não com­pre­en­de­mos co­mo foi le­va­do ao Con­se­lho de Mi­nis­tros, o Es­ta­tu­to da Car­rei­ra do Pro­fes­sor do En­si­no Su­pe­ri­or, sem o Es­ta­tu­to Re­mu­ne­ra­tó­rio”, ques­ti­o­nou-se, pa­ra su­bli­nhar que as pro­pos­tas do Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or não con­ven­cem os pro­fes­so­res em ra­zão do cus­to al­to de vi­da dos do­cen­tes.

Por es­ta via, o Sin­pes opôs­se à pro­pos­ta do Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or de dar um sa­lá­rio de 301 mil pa­ra o as­sis­ten­te es­ta­giá­rio e 440 mil pa­ra o pro­fes­sor ti­tu­lar. O sin­di­ca­to de­fen­de um or­de­na­do en­tre 430 mil e 576 mil kwan­zas.

“Com os sa­lá­ri­os pro­pos­tos pe­lo mi­nis­té­rio, va­mos con­ti­nu­ar mi­se­rá­veis, por cau­sa dos im­pos­tos”, in­di­cou, dan­do a co­nhe­cer que o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or ori­en­tou, a par­tir de uma cir­cu­lar, às ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or a pa­ga­rem a dí­vi­da pú­bli­ca, ava­li­a­da em 800 mi­lhões de kwan­zas, aos do­cen­tes e fun­ci­o­ná­ri­os.

Se­gun­do o lí­der sin­di­cal, a mai­o­ria das ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or ain­da não cum­priu com a ori­en­ta­ção da mi­nis­tra.

A pa­ra­li­sa­ção, pre­vis­ta pa­ra da­qui a dois me­ses, po­de­rá com­pro­me­ter o iní­cio do se­gun­do se­mes­tre a ní­vel das ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or pú­bli­co.

Os do­cen­tes re­cla­mam, des­de 2013, al­tu­ra da re­a­li­za­ção de uma gre­ve que du­rou mais de 20 di­as, a apro­va­ção do Es­ta­tu­to da Car­rei­ra do Pro­fes­sor, Es­ta­tu­to Re­mu­ne­ra­tó­rio, Sub­sí­dio de Ori­en­ta­ção do Tra­ba­lho de Fim de Cur­so, Se­gu­ro de Saú­de e In­ter­ven­ção do Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or pa­ra fa­ci­li­ta­ção de cré­di­to pa­ra aqui­si­ção de vi­a­tu­ras e re­si­dên­ci­as.

Fal­ta de pro­mo­ções

Eduardo Peres con­si­de­rou que o con­ge­la­men­to das pro­mo­ções é uma in­jus­ti­ça, uma vi­o­la­ção dos di­rei­tos do tra­ba­lha­dor e dos di­rei­tos do ho­mem, por­que “al­guns tra­ba­lham, há 15 anos, sem be­ne­fi­ci­ar de uma pro­mo­ção.”

Ao acres­cen­tar que a lis­ta de pro­fes­so­res sem ele­va­ção de ca­te­go­ria es­tá com­pos­ta por pro­fes­so­res PhD e mes­tres, que até ago­ra ga­nham co­mo as­sis­ten­tes es­ta­giá­ri­os, dis­se que a in­ten­ção do sin­di­ca­to é a pro­gres­são dos mes­tres e dou­to­res, por fa­ze­rem par­te do qua­dro de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca.

As­sim, o Sin­pes pro­põe que os mes­tres pro­gri­dam até a ca­te­go­ria de Pro­fes­sor As­so­ci­a­do e PhD a de Pro­fes­sor Ti­tu­lar.

Des­ta for­ma, dis­se, “po­de­re­mos fa­lar na me­lho­ria da qua­li­da­de do en­si­no su­pe­ri­or, que é uma das me­tas do Sin­di­ca­to dos Pro­fes­so­res Uni­ver­si­tá­ri­os.”

So­bre a me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho, o tam­bém pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio ape­lou ao Go­ver­no pa­ra a cons­tru­ção de um con­do­mí­nio a fa­vor dos pro­fes­so­res e tra­ba­lha­do­res e apoio ur­gen­te pa­ra per­mi­tir a aqui­si­ção de mei­os de trans­por­te por via de cré­di­to, no sen­ti­do de evi­tar que os pro­fes­so­res an­dem de bo­leia nas vi­a­tu­ras de es­tu­dan­tes, por fal­ta de uma re­de de transportes pú­bli­cos pa­ra os fun­ci­o­ná­ri­os das ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or.

En­tre­tan­to, o ca­der­no rei­vin­di­ca­ti­vo dos do­cen­tes uni­ver­si­tá­ri­os exi­ge, igual­men­te, a me­lho­ria das con­di­ções das in­fra-es­tru­tu­ras do en­si­no su­pe­ri­or, por al­gu­mas fun­ci­o­na­rem, na óp­ti­ca do sin­di­ca­to, em ins­ta­la­ções idên­ti­cas às das es­co­las do en­si­no pri­má­rio.

A fal­ta de la­bo­ra­tó­ri­os e de bi­bli­o­te­cas con­dig­nos é ou­tro fac­tor que in­ter­fe­re na má qua­li­da­de do en­si­no, ad­mi­tiu, pa­ra sus­ten­tar que pa­ra me­lho­rar o en­si­no é ne­ces­sá­rio, pri­mei­ro, me­lho­rar as in­fra-es­tru­tu­ras e cri­ar um fun­do pa­ra as in­ves­ti­ga­ções ci­en­tí­fi­cas.

Ao re­cla­mar a ne­ces­si­da­de de se­gu­ro de saú­de pa­ra os pro­fes­so­res, de­vi­do à de­fi­ci­ên­cia dos ser­vi­ços de saú­de pú­bli­cos, la­men­tou a mor­te, ocor­ri­da on­tem do pro­fes­sor ti­tu­lar Dis­sen­go­mo­ka Alexandre, por hi­per­ten­são.

Pa­ra o pro­fes­sor uni­ver­si­tá­rio, o en­si­no de­ve cum­prir, além do en­si­no, mais du­as prá­ti­cas aca­dé­mi­cas, de­sig­na­da­men­te a in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e a ex­ten­são uni­ver­si­tá­ria.

O Sin­pes con­ver­ge com o Sinprof, cul­pan­do o Go­ver­no an­go­la­no de ser res­pon­sá­vel pe­la má qua­li­da­de do en­si­no, des­de o pri­má­rio ao su­pe­ri­or, por não re­sol­ver os pro­ble­mas li­ga­dos à me­lho­ria das con­di­ções de tra­ba­lho e de vi­da dos pro­fes­so­res.

Os pro­fes­so­res re­cla­mam ain­da o pa­ga­men­to de um sub­sí­dio de 15 por cen­to so­bre o sa­lá­rio ba­se, pa­ra o pro­fes­sor que ori­en­tar os es­tu­dan­tes no tra­ba­lho de fim de cur­so.

Apon­tou que as uni­ver­si­da­des es­tão des­pro­vi­das de grá­fi­cas pa­ra po­de­rem pu­bli­car os tra­ba­lhos de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca e de ver­bas pa­ra tra­ba­lhos de in­ves­ti­ga­ção ci­en­tí­fi­ca.

“Tra­ba­lhos de in­ves­ti­ga­ção nas uni­ver­si­da­des pú­bli­cas são qua­se nu­los. Por is­so, o sin­di­ca­to pe­de que o mi­nis­té­rio dê apoio fi­nan­cei­ro pa­ra a prá­ti­ca des­ta ac­ti­vi­da­de”, dis­se.

A pa­ra­li­sa­ção das au­las, pre­vis­ta pa­ra da­qui a dois me­ses, po­de com­pro­me­ter o iní­cio do se­gun­do se­mes­tre das ins­ti­tui­ções do en­si­no su­pe­ri­or pú­bli­co, dis­se o se­cre­tá­ri­o­ge­ral do Sin­pes

MARIA AUGUSTA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Nos pró­xi­mos dois me­ses, o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no de­ve res­pon­der as pre­o­cu­pa­ções dos pro­fes­so­res uni­ver­si­tá­ri­os

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.