Gran­des pro­jec­tos agrí­co­las têm gra­ves fa­lhas de ges­tão

O mai­or in­ves­ti­men­to pú­bli­co al­gu­ma vez fei­to no país pa­ra re­du­zir o dé­fi­ce de pro­du­ção de ce­re­ais es­tá a ser al­vo de in­jec­ção de di­nhei­ro do erá­rio,atra­vés do Fun­do So­be­ra­no, pa­ra su­pe­rar fa­lhas téc­ni­cas e pro­ble­mas de ges­tão

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - André dos An­jos

Fa­zen­das do Es­ta­do, cri­a­das há pou­co mais de cin­co anos, pa­ra au­men­tar a pro­du­ção in­ter­na e re­du­zir as im­por­ta­ções de bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de, “apre­sen­tam pro­ble­mas gra­vís­si­mos”, que im­pe­dem a ex­plo­ra­ção in­te­gral das ca­pa­ci­da­des ins­ta­la­das, re­ve­lou a Co­fer­ge­po, em­pre­sa en­vol­vi­da na ges­tão de pro­jec­tos agro-in­dus­tri­ais pú­bli­cos. “Umas mais do que as ou­tras, no ge­ral, to­das as uni­da­des apre­sen­tam pro­ble­mas gra­vís­si­mos” de ges­tão, dis­se ao

Jor­nal de An­go­la o di­rec­tor-ge­ral da Co­fer­ge­po, Jo­sé Sus­pi­ro, re­fe­rin­do-se às fa­zen­das de San­za Pom­bo, Ca­ma­cu­pa, Lon­ga, Ca­mai­an­ga­la e Cuim­ba.

Fa­zen­das do Es­ta­do, cri­a­das há pou­co mais de cin­co anos, pa­ra au­men­tar a pro­du­ção in­ter­na e re­du­zir as im­por­ta­ções de bens de pri­mei­ra ne­ces­si­da­de, “apre­sen­tam pro­ble­mas gra­vís­si­mos”, que im­pe­dem a ex­plo­ra­ção in­te­gral das ca­pa­ci­da­des ins­ta­la­das, re­ve­lou a Co­fer­ge­po, em­pre­sa en­vol­vi­da na ges­tão de pro­jec­tos agro-in­dus­tri­ais pú­bli­cos.

“Umas mais do que as ou­tras, no ge­ral, to­das as uni­da­des apre­sen­tam pro­ble­mas gra­vís­si­mos”, dis­se ao Jor­nal de An­go­la o di­rec­tor-ge­ral da Co­fer­ge­po, Jo­sé Sus­pi­ro, re­fe­rin­do-se às fa­zen­das de San­za Pom­bo, Ca­ma­cu­pa, Lon­ga, Ca­mai­an­ga­la e Cuim­ba, lo­ca­li­za­das nas pro­vín­ci­as do Uí­ge, Bié, Cuando Cubango, Mo­xi­co e Zai­re, res­pec­ti­va­men­te.

Jo­sé Sus­pi­ro re­par­te as res­pon­sa­bi­li­da­des pe­la de­gra­da­ção pre­co­ce das fa­zen­das en­tre as em­pre­sas chi­ne­sas en­vol­vi­das na sua cons­tru­ção, que diz te­rem des­cu­ra­do im­por­tan­tes por­me­no­res téc­ni­cos, e a em­pre­sa ges­to­ra, Ges­ter­ra, que acu­sa de não ter cui­da­do dos equi­pa­men­tos co­mo de­via, a pon­to de per­mi­tir que má­qui­nas mo­der­nas que de­vi­am ter um tem­po útil de 20 anos se es­tra­gas­sem em cin­co anos.

As fa­zen­das de San­za Pom­bo, Ca­ma­cu­pa, Lon­ga, Ca­mai­an­ga­la e Cuim­ba fa­zem par­te de um rol de pro­jec­tos agroin­dus­tri­ais que eram ge­ri­dos pe­la Ges­ter­ra, até 2016, qu­an­do, por for­ça de um de­cre­to pre­si­den­ci­al, pas­sa­ram pa­ra o con­tro­lo do Fun­do So­be­ra­no, que as con­fi­ou aos cui­da­dos da Co­fer­ge­po.

Olhan­do pa­ra as con­di­ções em que re­ce­beu as cin­co uni­da­des, a Co­fer­ge­po diz não ter dú­vi­das de que, se por um la­do, as em­pre­sas chi­ne­sas que par­ti­ci­pa­ram na cri­a­ção das fa­zen­das co­me­te­ram er­ros téc­ni­cos, cu­ja re­pa­ra­ção se re­ve­la one­ro­sa, por ou­tro, a em­pre­sa que ge­ria os pro­jec­tos con­tri­buiu pa­ra a de­gra­da­ção pre­ma­tu­ra dos equi­pa­men­tos.

À Ges­ter­ra re­cai ain­da a acu­sa­ção de, es­tra­nha­men­te, ter per­mi­ti­do que os chi­ne­ses re­ti­ras­sem mei­os e equi­pa­men­tos da fa­zen­da do Lon­ga e de ter da­do um des­ti­no in­cer­to a vá­ri­as má­qui­nas e equi­pa­men­tos da fa­zen­da de San­za Pom­bo.

Fa­lhas téc­ni­cas

En­tre as fa­lhas apon­ta­das às em­pre­sas chi­ne­sas, a Co­fer­ge­po destaca o fac­to de te­rem co­lo­ca­do os pivôs pa­ra re­ga em ter­re­nos pan­ta­no­sos, sem pro­ce­der, pri­mei­ro, à dre­na­gem dos so­los, e de ter ins­ta­la­do no Lon­ga equi­pa­men­tos des­pro­por­ci­o­nais às ne­ces­si­da­des da Fa­zen­da.

So­bre o es­ta­do em que en­con­tra­ram as fa­zen­das, o di­rec­tor-ge­ral da Co­fer­ge­po co­me­ça por re­fe­rir-se ao Lon­ga, on­de ha­via mui­to “fer­ro­ve­lho”. Dos 35 trac­to­res ape­nas três fun­ci­o­na­vam “mais ou me­nos”. Os 15 pivôs pa­ra ir­ri­ga­ção es­ta­vam com­ple­ta­men­te ino­pe­ra­ci­o­nais.

A de­gra­da­ção dos pivôs, lem­bra, re­sul­ta do fac­to de te­rem si­do ins­ta­la­dos em ter­re­no pan­ta­no­so, ape­sar da res­pec­ti­va dre­na­gem cons­tar do or­ça­men­to. Qua­dro idên­ti­co foi en­con­tra­do na fa­zen­da de Ca­ma­cu­pa, on­de os pivôs ins­ta­la­dos nu­ma área de 400 hec­ta­res fo­ram en­con­tra­dos com­ple­ta­men­te des­truí­dos.

Aliás, na fa­zen­da do Lon­ga, se­gun­do Jo­sé Sus­pi­ro, os pivôs ins­ta­la­dos pe­los em­prei­tei­ros chi­ne­ses nun­ca fun­ci­o­na­ram, “por­que as áre­as em que ti­nham que cir­cu­lar es­ta­vam ala­ga­das e era ne­ces­sá­rio, pri­mei­ro, fa­zer a dre­na­gem”, o que só co­me­çou a ser fei­to pe­la no­va ges­to­ra.

Na fa­zen­da do San­za Pom­bo, se­gun­do o ges­tor, o par­que de má­qui­nas tam­bém es­ta­va com­ple­ta­men­te des­truí­do. Dos oi­to trac­to­res de mar­ca Lo­vol de 180 HP, se­te ti­nham os mo­to­res aber­tos, três dos quais sem pos­si­bi­li­da­de de re­cu­pe­ra­ção.

Tra­ta-se de equi­pa­men­tos con­ce­bi­dos pa­ra ope­rar en­tre oi­to e 10 mil ho­ras, ou 12 a 15 anos, e que não pas­sa­ram das mil ho­ras, no ge­ral. Das qua­tro má­qui­nas John De­er de 120 HP foi en­con­tra­da ape­nas uma em fun­ci­o­na­men­to. Dos 10 bull­do­zers de gran­de di­men­são, dois tra­ba­lha­vam com di­fi­cul­da­des.

O rol de equi­pa­men­tos ava­ri­a­dos na fa­zen­da do San­za Pom­bo in­cluía três es­ca­va­do­ras do ti­po Vol­vo 240 BLC, cu­ja re­cu­pe­ra­ção es­tá ava­li­a­da em cer­ca de 300 mil dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos, se­gun­do o di­rec­tor da Co­fer­ge­po.

Nas ou­tras fa­zen­das, de acor­do com a di­rec­ção da Co­fer­ge­po, o ce­ná­rio é qua­se idên­ti­co, ad­mi­tin­do, no en­tan­to, que se­ria mais di­fí­cil ho­je a re­cu­pe­ra­ção dos em­pre­en­di­men­tos, se o Exe­cu­ti­vo não ti­ves­se afas­ta­do a Ges­ter­ra da sua ges­tão.

Não obs­tan­te a de­ci­são de trans­fe­rên­cia da ges­tão das fa­zen­das re­mon­tar a 2016, se­gun­do a di­rec­ção da Co­fer­ge­po, o pro­ces­so só fi­cou con­cluí­do há pou­co me­nos de oi­to me­ses.

Pa­ra re­ac­ti­var as cin­co fa­zen­das, a Co­fer­ge­po diz ter gas­to, até ao mo­men­to, cer­ca de 24 mi­lhões de dó­la­res. Mas em re­la­ção à fa­zen­da Lon­ga, a em­pre­sa ad­mi­te que, pe­lo “grau de des­trui­ção que apre­sen­ta, a re­cu­pe­ra­ção le­va­rá en­tre três e qua­tro anos”.

“A he­ran­ça re­ce­bi­da da Ges­ter­ra”, diz Jo­sé Sus­pi­ro, in­clui con­fli­tos com a po­pu­la­ção, cu­jas la­vras fo­ram ex­pro­pri­a­das, e os pro­pri­e­tá­ri­os não fo­ram in­dem­ni­za­dos nos ter­mos dos acor­dos as­si­na­dos.

So­bre a Ges­ter­ra re­cai a acu­sa­ção de, es­tra­nha­men­te, ter per­mi­ti­do que em­pre­sas chi­ne­sas re­ti­ras­sem, pa­ra des­ti­no in­cer­to, mei­os e equi­pa­men­tos da fa­zen­da do Lon­ga

DR

Em al­gu­mas fa­zen­das os equi­pa­men­tos de re­ga fo­ram ins­ta­la­dos em ter­re­nos pan­ta­no­sos, sem hi­pó­te­se de mo­vi­men­ta­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.