O Maio de 1968 em Fran­ça

Pro­va­vel­men­te o Maio de 1968 em Fran­ça te­rá si­do o úl­ti­mo mo­vi­men­to utópico mo­bi­li­za­dor de gen­te na his­tó­ria con­tem­po­râ­nea da Eu­ro­pa

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Fer­nan­do Pereira

Há ob­vi­a­men­te mui­ta sub­jec­ti­vi­da­de nes­ta afir­ma­ção, mas qu­an­do se faz uma re­tros­pec­ti­va do que fo­ram es­ses di­as fer­vi­lhan­tes, on­de ha­via uma avi­dez por fa­zer tu­do que acon­te­cia de di­fe­ren­te do que ti­nha si­do até en­tão.

A Eu­ro­pa vi­via um pe­río­do de re­la­ti­va acal­mia so­ci­al e po­lí­ti­ca, e a eco­no­mia ti­nha ad­qui­ri­do uma es­ta­bi­li­da­de que ain­da não se ti­nha ob­ser­va­do no pós-guer­ra. Is­so não con­se­guia es­con­der as con­tra­di­ções ine­ren­tes ao mo­de­lo ca­pi­ta­lis­ta pre­va­le­cen­te, nem à ide­o­lo­gia agre­ga­da ao con­ven­ci­o­na­lis­mo bur­guês, as­sen­te em va­lo­res su­por­ta­dos por um en­si­no ain­da for­te­men­te ma­ti­za­do pe­la he­ran­ça cris­tã.

A União So­vié­ti­ca que ti­nha si­do uma es­pe­ran­ça pa­ra mui­to ci­da­dão da Eu­ro­pa, e pa­ra um con­jun­to de in­te­lec­tu­ais, en­le­ou-se pe­la “bu­ro­cra­cia da ide­o­lo­gia” e dei­xou de ser ape­la­ti­va subs­ti­tuin­do-se o “re­a­lis­mo so­vié­ti­co” por Trotsky, Mao Tsé-Tung, Fi­del de Cas­tro, Che Gu­e­va­ra e ou­tros con­tem­po­râ­ne­os da lu­ta pe­la li­ber­ta­ção.

O Maio de 1968 é o co­ro­lá­rio de um tem­po de con­tes­ta­ção con­tra a guer­ra do Vi­et­na­me, que ti­nha ca­da vez mais ade­sões a ní­vel mun­di­al par­ti­cu­lar­men­te nos EUA, e con­tra as di­ta­du­ras na América La­ti­na e em Por­tu­gal e Es­pa­nha. Apoi­a­va-se aber­ta­men­te Cu­ba, a lu­ta ar­ma­da na América La­ti­na e em Áfri­ca, a lu­ta dos ne­gros ame­ri­ca­nos pe­los di­rei­tos cí­vi­cos e a Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral na Chi­na (1966-1969).

Em si­mul­tâ­neo agu­di­za­vam-se as lu­tas es­tu­dan­tis na Ale­ma­nha (or­ga­ni­za­da em Ber­lim pe­la SDS- So­zi­a­lis­ti­cher Deuts­cher Stu­dent­bund, ten­do o seu lí­der Ru­di Duts­ch­ke so­fri­do um aten­ta­do em 11 de Abril de 1968). Em Ber­ke­ley nos EUA ini­ci­ou-se um ras­ti­lho de con­tes­ta­ção por par­te dos es­tu­dan­tes, que ra­pi­da­men­te alas­trou um pou­co por uni­ver­si­da­des em to­dos os Es­ta­dos dos EUA. No Bra­sil a re­pres­são con­tra os es­tu­dan­tes foi vi­o­len­ta, mas não atin­giu as pro­por­ções de Tla­te­lol­co no Mé­xi­co, on­de o exér­ci­to é mo­bi­li­za­do pa­ra ca­lar a con­tes­ta­ção estudantil sal­dan­do­se o ba­lan­ço fi­nal em mais de 200 mor­tos, 500 fe­ri­dos e 2000 pes­so­as pre­sas.

Um pou­co por to­do o mun­do ger­mi­na­va a con­tes­ta­ção estudantil, e os es­tu­dan­tes as­su­mi­am en­tão que era al­tu­ra de apoi­ar as lu­tas dos tra­ba­lha­do­res, e apoi­ar as con­cep­ções po­lí­ti­cas ino­va­do­ras que emer­gi­am em vá­ri­os lo­cais, no­me­a­da­men­te na Chi­na, on­de só mui­to mais tar­de che­ga­ram as ter­rí­veis des­cri­ções de uma en­tão ido­la­tra­da Re­vo­lu­ção Cul­tu­ral.

No Se­ne­gal afron­tan­do a sub­ser­vi­ên­cia fran­ce­sa de Senghor, e na pro­cu­ra de um en­si­no mais ade­qua­do à re­a­li­da­de afri­ca­na, pro­cu­ra­ram imi­tar os es­tu­dan­tes fran­ce­ses, e atra­vés da UDES (União de Es­tu­dan­tes Se­ne­ga­le­ses) que re­a­gru­pa­va os es­tu­dan­tes lo­cais e a UED (união de Es­tu­dan­tes de Da­kar, que aglo­me­ra­va os es­tu­dan­tes de di­fe­ren­tes paí­ses afri­ca­nos, fi­ze­ram um con­jun­to de ma­ni­fes­ta­ções for­te­men­te re­pri­mi­das com mui­tas pri­sões de pre­meio e ex­pul­são de cen­te­nas de es­tu­dan­tes do país.

Vol­tan­do a Fran­ça, e ao já dis­tan­te 1968 im­por­ta re­fe­rir que tu­do co­me­çou no de­al­bar de Maio na Uni­ver­si­da­de de Nan­ter­re, uma es­co­la de su­búr­bi­os on­de a ori­gem so­ci­al dos es­tu­dan­tes era cla­ra­men­te di­fe­ren­te das uni­ver­si­da­des do cen­tro de Pa­ris, fre­quen­ta­das pe­los fi­lhos da bur­gue­sia, ao tem­po os úni­cos que ti­nham aces­so ao en­si­no su­pe­ri­or.

As rei­vin­di­ca­ções dos es­tu­dan­tes ini­ci­al­men­te eram de na­tu­re­za cor­po­ra­ti­va, em que se pe­dia en­tre vá­ri­as re­for­mas o fim de que “as gran­des dis­ci­pli­nas (Ci­ên­ci­as, Di­rei­to, Me­di­ci­na, Le­tras, So­ci­o­lo­gia, etc.) eram en­si­na­das em fa­cul­da­des se­pa­ra­das”; pe­di­am-se uni­ver­si­da­des plu­ri­dis­ci­pli­na­res pa­ra fa­vo­re­cer as evo­lu­ções ci­en­tí­fi­cas que acon­te­cem nas fron­tei­ras das dis­ci­pli­nas”.

A re­a­li­da­de é que a re­pres­são so­bre os es­tu­dan­tes de Nan­ter­re a 3 de Maio de 1968, aca­bou por des­po­le­tar uma ir­rup­ção so­ci­al que che­gou a co­lo­car 10.000.000 de tra­ba­lha­do­res em Fran­ça, in­cen­di­ou a Bol­sa de Pa­ris, ocu­pa­ram-se es­co­las, uni­ver­si­da­des, te­a­tros, fá­bri­cas, em su­ma tu­do foi di­fe­ren­te na­que­la pri­ma­ve­ra de 1968.

O en­si­no foi con­tes­ta­do no seu to­do e pre­ten­deu-se ques­ti­o­nar a uti­li­da­de so­ci­al de um co­nhe­ci­men­to abs­trac­to, se­pa­ra­do da prá­ti­ca.

O mar­xis­mo es­ta­va ar­re­da­do do en­si­no su­pe­ri­or nas Ci­ên­ci­as So­ci­ais e na Eco­no­mia, e exi­giu-se que pas­sas­se a ter uma pre­va­lên­cia mai­or em to­do o en­si­no, de for­ma a tor­nar-se mais iden­ti­fi­ca­da com a lu­ta dos tra­ba­lha­do­res, ini­ci­al­men­te des­con­fi­a­dos dos es­tu­dan­tes pe­la sua ori­gem de clas­se, mas de­pois ali­a­dos nos pro­pó­si­tos de al­te­rar a so­ci­e­da­de.

Os in­te­lec­tu­ais par­ti­ci­pa­ram no mo­vi­men­to de Maio de 1968, prin­ci­pal­men­te nas con­fe­rên­ci­as que se re­a­li­za­vam um pou­co por to­do o la­do, apro­vei­tan­do-se os lu­ga­res mais in­crí­veis co­mo ve­lhos ar­ma­zéns ao lon­go do Se­na, ou os an­fi­te­a­tros aus­te­ros de uma Sor­bon­ne ocu­pa­da pe­los es­tu­dan­tes. Char­les Bet­te­lheim, Lu­ci­an Gold­mann, Louis Al­tus­ser, Hen­ri Le­feb­vre, Hen­ri Den­nis,Jean Paul Sar­tre, Ro­ger Ga­raudy, Si­mon de Be­au­voir, e na­tu­ral­men­te Mar­cu­se e Guy De­bord, o anar­quis­ta que cri­ou o “si­tu­a­ci­o­nis­mo”. Não es­que­ça­mos Alain Kri­vi­ne o trotskys­ta fun­da­dor da UEC, en­tre tan­tos ou­tros.

Pa­ra além de Marx, re­cu­pe­rou-se Grams­ci, o “li­vro Ver­me­lho de Mao”, Ni­cos Pou­lant­zas, Gi­ap, Freud e emer­ge Wil­li­am Rei­ch, tra­zen­do a se­xu­a­li­da­de e o pra­zer pa­ra o cen­tro do de­ba­te po­lí­ti­co, te­ma ta­bu até en­tão.

“O Maio de 1968 é o co­ro­lá­rio de um tem­po de con­tes­ta­ção con­tra a guer­ra do Vi­et­na­me, que ti­nha ca­da vez mais ade­sões a ní­vel mun­di­al”

DR

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.