Su­pre­mo vi­o­la pra­zos da pri­são pre­ven­ti­va

Jornal de Angola - - POLÍTICA - Ed­na Da­la

O Tri­bu­nal Su­pre­mo é a ins­ti­tui­ção ju­di­ci­al que mais vi­o­la os pra­zos da pri­são pre­ven­ti­va com­pa­ra­da a ou­tras ins­ti­tui­ções ju­di­ciá­ri­as, afir­mou on­tem o pro­fes­sor e ad­vo­ga­do Bangula Quemba.

O ad­vo­ga­do, que fa­la­va à im­pren­sa no fim do se­gun­do dia do Cur­so so­bre Di­rei­to Pe­nal e Pro­ces­su­al Pe­nal di­ri­gi­do a jor­na­lis­tas, jus­ti­fi­cou a afir­ma­ção de acor­do com as dis­po­si­ções da Lei so­bre as me­di­das cau­te­la­res em pro­ces­so pe­nal, que de­fi­ne os pra­zos de for­ma cla­ra.

O ju­ris­ta la­men­tou o fac­to de a re­fe­ri­da lei não ser tão cla­ra quan­to à ques­tão da pri­são pre­ven­ti­va pós-con­de­na­ção. “Te­mos re­cur­sos que são in­ter­pos­tos no Tri­bu­nal Su­pre­mo com dois ou três anos, o que aca­ba por pri­var a li­ber­da­de de al­guém que se pre­su­me ser ino­cen­te e es­pe­rar a apre­ci­a­ção de uma de­ci­são du­ran­te três ou qua­tro anos qu­an­do a pró­pria Cons­ti­tui­ção proí­be pe­nas in­de­ter­mi­na­das ou in­de­fi­ni­das. É uma cla­ra vi­o­la­ção do di­rei­to à li­ber­da­de”, de­cla­rou o tam­bém do­cen­te da Fa­cul­da­de de Di­rei­to da Uni­ver­si­da­de Ca­tó­li­ca de An­go­la.

O que se ve­ri­fi­ca, acres­cen­tou, é que a pri­são pre­ven­ti­va pós con­de­na­ção não tem li­mi­tes, cul­mi­nan­do com pro­ces­sos acu­mu­la­dos de dois ou três anos.

Bangula Quemba dis­se que 99 por cen­to dos pro­ces­sos em An­go­la são nu­los, com ba­se no prin­cí­pio bá­si­co que re­ge o pro­ces­so pe­nal, se­gun­do o qual “aque­le que acu­sa não de­ve jul­gar e o que jul­ga não acu­sa”.

O juiz que pro­fe­re o des­pa­cho de pro­nún­cia, qu­an­do vai a jul­ga­men­to, ex­pli­cou, tem com uma con­vic­ção já for­ma­da, por­que foi o mes­mo que pro­nun­ci­ou e co­nhe­ce os fac­tos im­pu­ta­dos ao ar­gui­do, con­fe­rin­do-lhe a ideia so­bre a res­pon­sa­bi­li­za­ção pe­nal do mes­mo.

Es­sa re­a­li­da­de, dis­se, jus­ti­fi­ca-se pe­la exi­gui­da­de de juí­zes e pa­ra evi­tar ca­sos de de­ne­ga­ção de jus­ti­ça.

O do­cen­te es­cla­re­ceu que a Po­lí­cia não apli­ca me­di­das de co­a­ção, por­que o úni­co ór­gão com­pe­ten­te pa­ra apli­car tais me­di­das é o Mi­nis­té­rio Pú­bli­co. “Se a Po­lí­cia o fi­zer, es­tá a usur­par com­pe­tên­ci­as do Mi­nis­té­rio Pú­bli­co”, fri­sou. Em re­gra, ex­pli­cou, a Po­lí­cia não faz qua­li­fi­ca­ções, ape­nas de­tém e apre­sen­ta ao Mi­nis­té­rio Pú­bli­co, que após o in­ter­ro­ga­tó­rio in­di­cia ou não o in­di­vi­duo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.