“An­tes de es­cre­ver, apren­da a pen­sar”

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

A co­mu­ni­ca­ção so­ci­al de­ti­da pe­lo Es­ta­do, ou pe­los gran­des gru­pos eco­nó­mi­cos ten­tou atra­vés de ma­ni­pu­la­ção de fo­tos e filmes in­ver­ter a si­tu­a­ção pa­ra re­por a or­dem “ve­lha” que o pre­si­den­te de Gaul­le exi­gia pa­ra re­cu­pe­rar a Fran­ça que ti­nha ide­a­li­za­do. A ver­da­de é que in­flu­en­ci­a­dos pe­la Chi­na, os jor­nais de pa­re­de ti­ve­ram uma im­por­tân­cia de­ci­si­va na mo­bi­li­za­ção, e na per­ma­nen­te in­for­ma­ção aos ci­da­dãos em­pe­nha­dos em fa­zer va­ler as su­as con­vic­ções. Os jor­na­lis­tas da rádio ofi­ci­al, a ORTF, as­su­mi­ram a sua pos­tu­ra de in­for­mar sem pressões, o que lhes va­leu se­rem des­pe­di­dos qu­an­do o po­der re­cu­pe­rou as ré­de­as da si­tu­a­ção. A pró­pria ORTF fez uma gre­ve so­li­dá­ria com a lu­ta dos es­tu­dan­tes e tra­ba­lha­do­res. Os pan­fle­tos, as se­ri­gra­fi­as e os car­ta­zes en­che­ram as ru­as. Mi­lhões de pan­fle­tos, 500.000 car­ta­zes com cer­ca de 400 mo­ti­vos di­fe­ren­tes exe­cu­ta­dos por ar­tis­tas, ope­rá­ri­os, es­tu­dan­tes, ti­pó­gra­fos, etc. mos­tra bem o grau de en­ga­ja­men­to das pes­so­as no Maio de 1968. Apa­re­ceu a fi­gu­ra do jor­na­lis­ta mi­li­tan­te, que aca­ba por dar ori­gem ao quo­ti­di­a­no “Li­bé­ra­ti­on”, on­de co­la­bo­rou Sar­tre en­tre ou­tros e que ain­da ho­je exis­te com to­do o seu pres­tí­gio acu­mu­la­do des­de en­tão.

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.