“A ac­ção não de­ve ser uma re­ac­ção, mas uma cri­a­ção”

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

Con­tro­ver­sa so­bre o sig­ni­fi­ca­do dos acon­te­ci­men­tos de 1968, não se po­de ne­gar a sua im­por­tân­cia na his­tó­ria da úl­ti­ma me­ta­de do sé­cu­lo XX.

Uma ge­ra­ção de es­tu­dan­tes e jo­vens tra­ba­lha­do­res fi­cou mar­ca­da por es­ses acon­te­ci­men­tos. Uma gran­de par­te des­sa gen­te par­ti­ci­pou nos de­ba­tes uni­ver­si­tá­ri­os e ma­ni­fes­ta­ções de rua. Al­go mu­dou no quo­ti­di­a­no da vi­da de mui­ta gen­te, no re­la­ci­o­na­men­to in­ter­pes­so­al, na vi­são do mun­do e na afir­ma­ção cla­ra en­tre o que se gos­ta e o que se de­tes­ta.

So­nhou-se um po­der nu­ma pre­mis­sa de igual­da­de, e de dis­tri­bui­ção equi­ta­ti­va de ri­que­za. Pu­ra es­tul­tí­cia, pois mes­mo nas fa­ses mais du­ras o ca­pi­ta­lis­mo re­ge­ne­ra-se e apa­re­ce tra­ves­ti­do de no­vas rou­pa­gens. Fi­cam as lem­bran­ças vi­vas do que se ten­tou!

Fi­ca­ram pa­la­vras que sin­te­ti­zam mui­to do que fo­ram aque­les di­as e noi­tes em que al­gu­ma Eu­ro­pa so­nhou que tu­do ia ser di­fe­ren­te, e ou­tros ti­nham pe­sa­de­los por­que po­dia ser o fim de um tem­po que se per­pe­tu­a­va de­va­gar­zi­nho, co­mo con­vi­nha ao po­der ins­ta­la­do.

Ain­da ho­je eco­am as pa­la­vras, os graf­fi­tis e de vez em qu­an­do aí vol­tam a ser pa­la­vras de or­dem num tem­po que epi­so­di­ca­men­te é de es­pe­ran­ça: “Abai­xo a so­ci­e­da­de de con­su­mo.”, “Abai­xo o re­a­lis­mo so­ci­a­lis­ta. Vi­va o sur­re­a­lis­mo.”, “A ac­ção não de­ve ser uma re­ac­ção, mas uma cri­a­ção.”, “O agres­sor não é aque­le que se re­vol­ta, mas aque­le que re­pri­me.”, “Amem-se uns aos ou­tros.”, “O ál­co­ol ma­ta. To­mem LSD.”, “A anar­quia sou eu.”, “as ar­mas da crí­ti­ca pas­sam pe­la crí­ti­ca das ar­mas.”, “Pa­rem o mun­do, eu que­ro des­cer.”, “A ar­te es­tá mor­ta. Nem Go­dard po­de­rá im­pe­dir.”, “A ar­te es­tá mor­ta, li­be­re­mos nos­sa vi­da quo­ti­di­a­na.” “An­tes de es­cre­ver, apren­da a pen­sar.”, “A bar­ri­ca­da fe­cha a rua, mas abre a via.”, “Ce­der um pou­co é ca­pi­tu­lar mui­to.”, “Cor­ram ca­ma­ra­das, o ve­lho mun­do es­tá atrás de vo­cês.”, “A cul­tu­ra é a in­ver­são da vi­da.”, “10 ho­ras de pra­zer já.”, “Proi­bi­do não co­lar car­ta­zes.” ,”Abai­xo da cal­ça­da, es­tá a praia.”, “A eco­no­mia es­tá fe­ri­da, pois que mor­ra!”, “A eman­ci­pa­ção do ho­mem se­rá to­tal ou não se­rá.”, “O Es­ta­do é ca­da um de nós.”, “A hu­ma­ni­da­de só se­rá fe­liz qu­an­do o úl­ti­mo ca­pi­ta­lis­ta for en­for­ca­do com as tri­pas do úl­ti­mo pa­dre.”, “A ima­gi­na­ção to­ma o po­der.”, “A in­so­lên­cia é a no­va ar­ma re­vo­lu­ci­o­ná­ria.”, “É proi­bi­do proi­bir.”, “Eu ti­nha al­gu­ma coi­sa a di­zer, mas não sei mais o quê.”, “Eu go­zo.”, “Eu par­ti­ci­po. Tu par­ti­ci­pas. Ele par­ti­ci­pa. Nós par­ti­ci­pa­mos. Vós par­ti­ci­pais. Eles lu­cram.”, “os jo­vens fa­zem amor, os ve­lhos fa­zem ges­tos obs­ce­nos.”, “A li­ber­da­de do ou­tro es­ten­de a mi­nha ao in­fi­ni­to.”, “A mer­ca­do­ria é o ópio do po­vo.”, “As pa­re­des têm ou­vi­dos. Seus ou­vi­dos têm pa­re­des.”, “Não mu­dem de em­pre­ga­do­res, mu­dem o em­pre­go da vi­da.”, “Nós so­mos to­dos ju­deus ale­mães.”, “A no­vi­da­de é re­vo­lu­ci­o­ná­ria, a ver­da­de, tam­bém.”, “Fim da li­ber­da­de aos ini­mi­gos da li­ber­da­de.”, “O pa­trão pre­ci­sa de ti, tu não pre­ci­sas do pa­trão.”, “Pro­fes­so­res, vo­cês nos fa­zem en­ve­lhe­cer.”, “Quan­to mais eu fa­ço amor, mais te­nho von­ta­de de fa­zer a re­vo­lu­ção. Quan­to mais fa­ço a re­vo­lu­ção, mais te­nho von­ta­de de fa­zer amor.”, “A po­e­sia es­tá na rua.”, “A po­lí­ti­ca se dá na rua.”, “Os sin­di­ca­tos são uns bor­déis.”, “O so­nho é re­a­li­da­de.”, “Só a ver­da­de é re­vo­lu­ci­o­ná­ria.”, “Se­jam re­a­lis­tas, exi­jam o im­pos­sí­vel.”, “Tra­ba­lha­dor: vo­cê tem 25 anos, mas seu sin­di­ca­to é de ou­tro sé­cu­lo.” “Abo­li­ção da so­ci­e­da­de de clas­ses.” , “Abram as ja­ne­las do seu co­ra­ção.”, “A ar­te es­tá mor­ta, não con­su­ma­mos o seu ca­dá­ver.”, “Não nos pren­da­mos ao es­pec­tá­cu­lo da con­tes­ta­ção, mas pas­se­mos à con­tes­ta­ção do es­pec­tá­cu­lo.”, “Au­to­ges­tão da vi­da quo­ti­di­a­na”, “A fe­li­ci­da­de é uma ideia no­va.”, “Te­re­mos um bom mes­tre des­de que ca­da um se­ja o seu.”, “Ca­ma­ra­das, o amor tam­bém se faz na Fa­cul­da­de de Ci­ên­ci­as.”, “Con­su­ma mais, vi­va me­nos.”, “Es­cre­vam por to­da a par­te!”, “Abra­ça o teu amor sem lar­gar a tua ar­ma.”, “En­rai­ve­çam-se!”, “Ser ri­co é se con­ten­tar com a po­bre­za?”, “Um ho­mem não é es­tú­pi­do ou in­te­li­gen­te: ele é li­vre ou não é.”, “Ado­ro es­cre­ver nas pa­re­des.”, “De­cre­ta­do o es­ta­do de fe­li­ci­da­de per­ma­nen­te.” “Mi­li­o­ná­ri­os de to­dos os paí­ses, unam-se, o ven­to es­tá a mu­dar.” “Não to­mem o elevador, to­mem o po­der.”

Uma coi­sa é cer­ta, o de­ba­te nun­ca es­tá en­cer­ra­do!

“Al­go mu­dou no quo­ti­di­a­no da vi­da de mui­ta gen­te, no re­la­ci­o­na­men­to in­ter­pes­so­al, na vi­são do mun­do e na afir­ma­ção cla­ra en­tre o que se gos­ta e o que se de­tes­ta”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.