A ten­são ar­te­ri­al

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

O Dia Mun­di­al da Hi­per­ten­são, ob­ser­va­do ho­je em to­do o Pla­ne­ta, é ce­le­bra­do to­dos os anos a 17 de Maio des­de 2005, com o ob­jec­ti­vo de com­ba­ter o fla­ge­lo da hi­per­ten­são.

Tra­ta-se de uma efe­mé­ri­de cu­ja ob­ser­vân­cia é fun­da­men­tal pa­ra lem­brar a os pro­ble­mas que sur­gem de­vi­do à ten­são al­ta e le­var as pes­so­as a pon­de­rar me­lhor so­bre as me­di­das pre­ven­ti­vas. Sob o le­ma “Co­nhe­ça os seus nú­me­ros”, pre­ten­de-se que o dia se­ja um mar­co por via do qual as pes­so­as au­men­tem a cons­ci­ên­cia so­bre a pres­são al­ta, uma re­a­li­da­de ca­da vez mais cres­cen­te na po­pu­la­ção mun­di­al. É pre­ci­so so­bre­tu­do que au­men­te a no­ção so­bre os fac­to­res que con­tri­bu­em pa­ra au­men­tar a hi­per­ten­são, no­me­a­da­men­te os maus há­bi­tos ali­men­ta­res, o au­men­to da mas­sa cor­po­ral que con­tra­ria a ida­de e a al­tu­ra e a au­sên­cia de ac­ti­vi­da­de fí­si­ca.

Em An­go­la, a si­tu­a­ção não é di­fe­ren­te na me­di­da em que tem si­do um fac­to a ten­dên­cia pa­ra o au­men­to de pe­so. Tal co­mo ocor­reu no pas­sa­do re­cen­te, qu­an­do al­gu­mas ins­ti­tui­ções mé­di­cas e sa­ni­tá­ri­as re­a­li­za­ram “Fei­ras da Saú­de” e ou­tras ini­ci­a­ti­vas pa­ra pre­ve­nir a hi­per­ten­são, ur­ge pro­mo­ver cam­pa­nhas de ras­trei­os gra­tui­tos à pres­são ar­te­ri­al.

Ape­nas as­sim se­rá, em par­te, pos­sí­vel aler­tar e pre­ve­nir a po­pu­la­ção pa­ra as con­sequên­ci­as da hi­per­ten­são no or­ga­nis­mo, com es­pe­ci­al des­ta­que pa­ra o AVC (Aci­den­te Vas­cu­lar Ce­re­bral), uma en­fer­mi­da­de que afec­ta ho­je, ca­da vez mais, os jo­vens. Num dia co­mo o de ho­je, au­gu­ra­mos que ha­ja uma mai­or sen­si­bi­li­za­ção por par­te das ins­ti­tui­ções mé­di­cas e das fa­mí­li­as no sen­ti­do de en­ca­ra­rem a hi­per­ten­são co­mo um mal que é já um pro­ble­ma de saú­de pú­bli­ca.

É ver­da­de que a so­ci­e­da­de an­go­la­na já fez al­guns pro­gres­sos qu­an­do se tra­ta da cons­ci­en­ci­a­li­za­ção dos pro­ble­mas li­ga­dos à hi­per­ten­são, no­me­a­da­men­te com a cri­a­ção da As­so­ci­a­ção Ami­gos do Co­ra­ção. Mas co­mo ates­ta o pre­si­den­te da or­ga­ni­za­ção, o nú­me­ro de hi­per­ten­sos em An­go­la é gran­de, ra­zão pe­la qual im­por­ta for­mar téc­ni­cos da Saú­de, que não se­jam ne­ces­sa­ri­a­men­te car­di­o­lo­gis­tas, pa­ra acu­dir a ní­vel lo­cal às ques­tões de fo­ro car­di­o­ló­gi­co. “Não é ne­ces­sá­ria a pre­sen­ça de um car­di­o­lo­gis­ta per­ma­nen­te no lo­cal, pois os en­fer­mei­ros, os téc­ni­cos de saú­de po­dem ser trei­na­dos, pre­pa­ra­dos e sen­si­bi­li­za­dos pa­ra pres­tar o apoio ne­ces­sá­rio aos hi­per­ten­sos”, dis­se em tem­pos o mé­di­co car­di­o­lo­gis­ta Má­rio Fer­nan­des.

No dia que se as­si­na­la ho­je, pe­di­mos às pes­so­as, de acor­do o le­ma da ce­le­bra­ção do Dia Mun­di­al da Hi­per­ten­são, que me­çam re­gu­lar­men­te a sua ten­são pa­ra que te­nham co­nhe­ci­men­to re­al dos seus nú­me­ros.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.