CARTAS DOS LEITORES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Que se for­ne­ça água sem que o con­su­mi­dor pa­gue. LOU­REN­ÇO SIL­VA San­gue Fú­ria GRA­ÇA FER­NAN­DES Vi­a­na San­za­la PE­DRO MEN­DES Ilha de Lu­an­da

Fal­ta de água

Vi­vo na co­mu­na do Ran­gel, be­ne­fi­cio de água ca­na­li­za­da, a cha­ma­da “água do chi­nês”, e es­cre­vo pa­ra o Jor­nal de An­go­la pa­ra fa­lar so­bre es­te pre­ci­o­so lí­qui­do que não sai da tor­nei­ra des­de há um mês. É água de má qua­li­da­de a que é trans­por­ta­da pe­las cis­ter­nas de vi­a­tu­ras em mau es­ta­do téc­ni­co, em­bo­ra a água da tor­nei­ra não o se­ja in­ver­sa­men­te a 100 por cen­to. O pi­or em tu­do is­so é que a EPAL não in­for­ma ab­so­lu­ta­men­te na­da so­bre o que se pas­sa, so­bre as ra­zões des­sa fal­ta de água e qu­an­do vão re­por. Vi­ve­mos num Es­ta­do de Di­rei­to em que to­das as ac­ções das ins­ti­tui­ções e das pes­so­as de­vem pau­tar-se pe­lo que de­ter­mi­nam as leis. Eu per­gun­to: é le­gal es­se pro­ce­di­men­to da EPAL de não ex­pli­car o que se pas­sa pa­ra que a co­mu­na do Ran­gel fi­que sem água? Não se co­lo­ca a ques­tão do pa­ga­men­to por­que, co­mo se sa­be, des­de a ins­ta­la­ção da ca­na­li­za­ção, as fa­mí­li­as nun­ca fo­ram no­ti­fi­ca­das pa­ra, jun­to dos bal­cões da EPAL, efec­tu­a­rem os con­tra­tos. Diz­se que se de­ve aguar­dar, mas em mi­nha opi­nião não é sus­ten­tá­vel

Pau­sa pe­da­gó­gi­ca

De­pois das pro­vas trimestrais, as es­co­las pú­bli­cas cum­prem ago­ra uma pau­sa pe­da­gó­gi­ca de uma se­ma­na e pro­va­vel­men­te os pri­va­dos cum­pri­rão as tra­di­ci­o­nais du­as se­ma­nas. Em to­do o ca­so e fa­lan­do so­bre o en­si­no pú­bli­co, di­ria que era bom que as es­co­las não ob­ser­vas­sem mais es­sa fa­se de pau­sa aten­den­do aos di­as per­di­dos com a de­cla­ra­ção da gre­ve in­ter­po­la­da por par­te do SINPROF. Sem atri­buir cul­pa a ne­nhu­ma das par­tes, as­su­mo ape­nas que se­ria re­co­men­dá­vel que se apro­vei­tas­se o tem­po per­di­do pa­ra se­guir­mos em fren­te com as au­las. Não se po­de per­der mais tem­po, mas em to­do o ca­so o mais im­por­tan­te é que es­sa fa­se de pau­sa se­ja de­vi­da­men­te apro­vei­ta­da. Pa­ra mui­tos, a pau­sa cur­ta tam­bém aca­ba por con­tri­buir pa­ra re­du­zir aque­la inér­cia que ca­rac­te­ri­za o fim da fa­se de des­can­so e o iní­cio das au­las. A ba­ta­lha le­gis­la­ti­va pa­ra a pro­du­ção do do­cu­men­to que vai re­gu­lar o re­pa­tri­a­men­to do di­nhei­ro le­va­do ili­ci­ta­men­te pa­ra o ex­te­ri­or do país co­me­ça a che­gar ao fim. Mas, cu­ri­o­sa­men­te, a ele­va­da fal­ta de con­sen­sos, em mi­nha opi­nião, po­de per­tur­bar o an­da­men­to do pro­ces­so ou even­tu­al­men­te ser apro­vei­ta­do pe­las en­ti­da­des bancárias ou Es­ta­dos es­tran­gei­ros pa­ra in­vi­a­bi­li­zar a vin­da des­sa “mas­sa” ile­gal. Co­mo se não bas­tas­se o de­sa­fio de “co­zi­nhar” um do­cu­men­to em que to­dos se pos­sam re­ver e que efec­ti­va­men­te con­tri­bua pa­ra o re­gres­so do di­nhei­ro, há ain­da ou­tras vo­zes que pre­fe­rem “mis­tu­rar con­ver­sas”.

Is­to vem a pro­pó­si­to de in­ter­ve­ni­en­tes em es­pa­ços pú­bli­cos que in­sis­tem em fa­lar so­bre os di­nhei­ro lí­ci­to que se en­con­tra lá fo­ra. Pa­re­ce­me que o que mais in­qui­e­ta a so­ci­e­da­de e as ins­ti­tui­ções é o di­nhei­ro que, co­mo se acre­di­ta, te­nha si­do en­ca­mi­nha­do in­de­vi­da­men­te pa­ra o ex­te­ri­or do país.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.