Pre­ci­sa­mos ser mais amo­ro­sos

Jornal de Angola - - OPINIÃO - Car­los Ca­lon­go

Exis­ti­rá al­guém que des­de que se co­nhe­ce co­mo ser hu­ma­no não te­nha, em ne­nhum mo­men­to, pro­nun­ci­a­do ou ou­vi­do al­gu­ma de­fi­ni­ção da pa­la­vra amor? Acre­di­ta­mos que não.

O fun­da­men­to da nos­sa res­pos­ta re­si­de no fac­to de com­pre­en­der­mos que, com mai­or ou me­nor pro­fun­di­da­de, to­do o ser hu­ma­no já es­te­ve pe­ran­te uma si­tu­a­ção em que a sen­sa­ção foi a de es­tar a vi­ven­ci­ar a pre­sen­ça ou au­sên­cia de amor, co­mo um sen­ti­men­to que me­xe com a al­ma e re­per­cu­te-se por via de vá­ri­as mo­ti­va­ções.

Na­tu­ral­men­te que, a de­pen­der do ti­po de mo­ti­va­ções que a si­tu­a­ção vi­ven­ci­a­da pro­vo­ca, ca­da in­di­ví­duo dá mais cré­di­tos àque­la que me­xe po­si­ti­va­men­te com os seus sen­ti­men­tos, co­lo­can­do-o num es­ta­do de ele­va­do êx­ta­se na pers­pec­ti­va de o bem ser, na­que­le mo­men­to, sua per­ten­ça, e que pa­ra lá da­qui­lo, só exis­te o abis­mo.

Em­bo­ra se­ja cor­ren­te a má­xi­ma “o amor não se de­fi­ne, mas se vi­ve”, en­tre as vá­ri­as de­fi­ni­ções co­mo a “de­di­ca­ção ab­so­lu­ta de um ser a ou­tro”; “afec­to di­ta­do por la­ços de fa­mí­lia”; “sen­ti­men­to ter­no ou ar­den­te de uma pes­soa por ou­tra” pre­fe­ri­mos a que de­fi­ne-o co­mo “uma emo­ção ou sen­ti­men­to que le­va uma pes­soa a de­se­jar o bem a ou­tra pes­soa ou a uma coi­sa”.

E não faz sen­ti­do pa­ra es­ta re­fle­xão, a de­fi­ni­ção de amor em que tam­bém se in­clui a atrac­ção fí­si­ca, o que no fun­do não pas­sa, es­ta úl­ti­ma, de um me­ro ca­pri­cho hu­ma­no, por­quan­to, con­si­de­ra­mos que o ple­no exer­cí­cio do amor é mais lin­do que qual­quer ex­pres­são da be­le­za hu­ma­na que, fe­liz­men­te, não é uma obra do uni­ver­so pe­re­ne.

Ori­gi­ná­ria do La­tim (amo­re), o uso do vo­cá­bu­lo lhe em­pres­ta ou­tros tan­tos sig­ni­fi­ca­dos, quer co­muns, quer con­for­me a óp­ti­ca de apre­ci­a­ção, tal co­mo na re­li­gião Cris­tã, que tem no amor o pon­to cen­tral por via da ex­pres­são “Deus é amor”, que até che­gou a ser adop­ta­da co­mo de­sig­na­ção de uma de­no­mi­na­ção re­li­gi­o­sa de ori­gem bra­si­lei­ra.

Pa­ra o ale­mão, Eri­ch Fromm, (Psi­ca­na­lis­ta, Fi­ló­so­fo e So­ció­lo­go; 23 de Mar­ço de 1900 à 18 de Mar­ço de 1980), o amor, ao in­vés de um me­ro sen­ti­men­to que acon­te­ce e da cren­ça co­mum, é al­go fá­cil de ocor­rer ou es­pon­tâ­neo e de­ve ser apren­di­do, ou se­ja, é uma fa­cul­da­de que de­ve ser es­tu­da­da pa­ra que pos­sa se de­sen­vol­ver, pois é uma “ar­te”, tal co­mo a pró­pria vi­da.

E é jus­ta­men­te na ba­se da pro­pos­ta de Eri­ch, que pau­ta­mos as no­tas des­ta re­fle­xão, um pou­co por tu­do o que va­mos vi­ven­ci­an­do em An­go­la, trans­for­ma­da nu­ma Na­ção on­de a fal­ta de amor im­pe­ra ao mais al­to es­plen­dor que nos ele­va a sa­cra­li­za­ção do mau, à qu­em se pre­ten­de atri­buir uma clas­si­fi­ca­ção de “nor­mal” na con­vi­vên­cia so­ci­al.

Ca­mi­nha­mos pa­ra o pon­to de sa­tu­ra­ção, an­te o olhar si­len­ci­o­so e co­ni­ven­te de to­dos que pre­fe­rem fa­zer do “eu e do ago­ra é a mi­nha vez”, a mais cris­ta­li­na for­ma de vi­ver, na ba­se do ma­te­ri­a­lis­mo.

Mas aten­ção que a vi­da não é só “ter”, pas­sa ne­ces­sa­ri­a­men­te pe­lo “ser”, no ca­so, mais amo­ro­sos.

E não res­tam dú­vi­das que a ca­da dia que nas­ce, An­go­la per­de um pe­da­ço da sua an­ces­tral ca­rac­te­rís­ti­ca mol­da­da no amor e so­li­da­ri­e­da­de dos seus povos, pa­ra qu­em a vi­zi­nha de pa­re­des meia foi sem­pre a tia fu­la­na e nun­ca a se­nho­ra da ca­sa do por­tão pre­to, nu­ma alu­di­da ma­ni­fes­ta­ção de que as no­vas ge­ra­ções não têm si­do en­si­na­das a cul­ti­va­rem o amor co­mo uma ar­te tal qual é a pró­pria vi­da.

Com exer­cí­cio de mais amor, pa­ra o ca­so da re­la­ção lí­de­res e li­de­ra­dos, é pos­sí­vel re­du­zir-se as as­si­me­tri­as na dis­tri­bui­ção da ren­da na­ci­o­nal, me­lho­rar o aces­so aos ser­vi­ços de edu­ca­ção saú­de, co­mo fun­da­men­tais dos de­síg­ni­os de qual­quer es­ta­do ali­nha­do com os di­ta­mes da de­mo­cra­cia.

En­tre os se­res co­muns, na re­la­ção so­ci­al, pre­ci­sa­mos ser mais amo­ro­sos nos tá­xis, nos res­tau­ran­tes, re­cin­tos des­por­ti­vos, en­fim, na via pú­bli­ca, com coi­sas tão sim­ples mas va­lo­ro­sas co­mo a ex­pres­são de uma sau­da­ção, o agra­de­ci­men­to por to­das as ra­zões, quer se­ja pa­ra pes­so­as nos­sas co­nhe­ci­das ou não.

Só com mais amor se­rá pos­sí­vel fa­zer de An­go­la um bom lo­cal pa­ra vi­ver.

E não res­tam dú­vi­das que a ca­da dia que nas­ce, An­go­la per­de um pe­da­ço da sua an­ces­tral ca­rac­te­rís­ti­ca mol­da­da no amor e so­li­da­ri­e­da­de dos seus povos pa­ra qu­em a vi­zi­nha de pa­re­des meia foi sem­pre a tia fu­la­na e nun­ca a se­nho­ra da ca­sa do por­tão pre­to

DR

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.