Agri­cul­tu­ra ga­ran­te dis­ci­pli­nar a ex­por­ta­ção de ma­dei­ra

Pro­du­tos flo­res­tais apre­en­di­dos nas pro­vín­ci­as são trans­por­ta­dos pa­ra Lu­an­da pa­ra se­rem co­mer­ci­a­li­za­dos a fa­vor do Es­ta­do

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ni­co­lau Vas­co|Me­non­gue

A pro­vín­cia do Cuando Cubango vai con­tar, a par­tir de Agos­to, com o pri­mei­ro en­tre­pos­to de fis­ca­li­za­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção de ma­dei­ra, que re­gu­la to­da a ac­ti­vi­da­de de ex­plo­ra­ção flo­res­tal na re­gião.

A obra, a car­go da cons­tru­to­ra chi­ne­sa CBTGC, te­ve iní­cio na se­gun­da-fei­ra, com o lan­ça­men­to da pri­mei­ra pe­dra pe­lo se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os Re­cur­sos Flo­res­tais, André Mo­da, acom­pa­nha­do do go­ver­na­dor pro­vin­ci­al do Cuando Cubango, Pe­dro Mu­tin­di.

Or­ça­da em cin­co mi­lhões de dó­la­res nor­te-ame­ri­ca­nos, a in­fra-es­tru­tu­ra cons­truí­da nu­ma área de 27 hec­ta­res, a 14 qui­ló­me­tros da ci­da­de de Me­non­gue, vai in­te­grar ser­vi­ços de pe­sa­gem, pro­ces­sa­men­to, tra­ta­men­to de li­xo, ar­ma­ze­na­men­to e re­pa­ra­ção de mei­os téc­ni­cos.

Na ce­ri­mó­nia de lan­ça­men­to da pri­mei­ra pe­dra, André Mo­da as­se­gu­rou que o em­pre­en­di­men­to vai per­mi­tir con­tro­lar o trans­por­te e co­mér­cio de ma­dei­ra e, des­te mo­do, fa­ci­li­tar o tra­ba­lho do Ins­ti­tu­to de De­sen­vol­vi­men­to Flo­res­tal (IDF), das di­rec­ções lo­cais dos mi­nis­té­ri­os do Co­mér­cio e In­dús­tria, Fi­nan­ças, Po­lí­cia Fis­cal e da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria (AGT).

O en­tre­pos­to de fis­ca­li­za­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção do Cuando Cubango é o pri­mei­ro de vá­ri­os que o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra pre­ten­de cons­truir em to­do o país, com a fi­na­li­da­de de com­ba­ter a fu­ga ao fis­co e es­ti­mu­lar a ar­re­ca­da­ção de re­cei­tas, par­te das quais des­ti­na­das ao de­sen­vol­vi­men­to lo­cal.

Os pri­mei­ros be­ne­fi­ciá­ri­os do no­vo ser­vi­ço, de acor­do com o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os Re­cur­sos Flo­res­tais, são os ma­dei­rei­ros que, até re­cen­te­men­te, ven­di­am a ma­dei­ra em cir­cui­tos ile­gais a pre­ços mui­to bai­xos, che­gan­do a co­brar 30 mil kwan­zas por metro cú­bi­co, qu­an­do em paí­ses co­mo a Chi­na e Vi­et­na­me a mes­ma quan­ti­da­de po­de cus­tar en­tre cin­co e dez mil dó­la­res.

Com a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to do en­tre­pos­to, os pre­ços es­ta­rão bem de­fi­ni­dos, o que vai aju­dar os ma­dei­rei­ros a au­men­tar os seus re­cur­sos fi­nan­cei­ros.

Por for­ça da no­va le­gis­la­ção, que co­me­ça a ser ob­ser­va­da no sec­tor es­te ano, os ma­dei­rei­ros au­to­ri­za­dos fi­cam obri­ga­dos a pro­ce­der à plan­ta­ção de ár­vo­res nas áre­as de aba­te, pa­ra per­mi­tir o re­po­vo­a­men­to flo­res­tal.

So­bre o pro­du­to apre­en­di­do nas pro­vín­ci­as do Cuando Cubango, Moxico, Na­mi­be e Uí­ge, des­de Fe­ve­rei­ro do ano em cur­so, al­tu­ra em que en­trou em vi­gor um ins­tru­ti­vo do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra que in­ter­di­ta­va a ex­trac­ção, trans­por­te e co­mer­ci­a­li­za­ção, André Mo­da re­ve­lou que, “por ori­en­ta­ção su­pe­ri­or”, to­da a ma­dei­ra vai ser trans­por­ta­da pa­ra Lu­an­da, on­de se­rá co­mer­ci­a­li­za­da e as re­cei­tas re­ver­ti­das a fa­vor do Es­ta­do.

Sem en­trar em de­ta­lhes so­bre a quan­ti­da­de da ma­dei­ra apre­en­di­da em to­do o país, o se­cre­tá­rio de Es­ta­do pa­ra os Re­cur­sos Flo­res­tais dis­se que o vo­lu­me é gran­de e em al­gu­mas pro­vín­ci­as equi­pas mul­tis­sec­to­ri­ais ain­da pro­ce­dem ao le­van­ta­men­to de da­dos pa­ra me­lho­rar as in­for­ma­ções em pos­se do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra.

André Mo­da anun­ci­ou a atri­bui­ção de car­tei­ras de ex­plo­ra­ção de ma­dei­ra, ain­da es­te ano, pa­ra dis­tin­guir os agen­tes au­to­ri­za­dos, em con­for­mi­da­de com a lei.

Até 2019, o Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra pro­me­te ins­ta­lar seis en­tre­pos­tos de fis­ca­li­za­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção de ma­dei­ra em igual nú­me­ro de pro­vín­ci­as, on­de a ac­ti­vi­da­de flo­res­tal ga­nha for­ça.

Com uma área de 199.049 qui­ló­me­tros qua­dra­dos, a pro­vín­cia do Cuando Cubango tem mais de 15 mil hec­ta­res de área flo­res­tal, com uma di­nâ­mi­ca de re­ge­ne­ra­ção na­tu­ral de 375, 4 plan­tas por hec­ta­re.

Mais-va­lia pa­ra a re­gião Pe­dro Mu­tin­di enal­te­ceu a ini­ci­a­ti­va do Mi­nis­té­rio da Agri­cul­tu­ra, sa­li­en­tan­do que o en­tre­pos­to de fis­ca­li­za­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção de ma­dei­ra é uma mais-va­lia pa­ra a pro­vín­cia do Cuando Cubango.

Ten­do em con­ta o po­ten­ci­al flo­res­tal da pro­vín­cia, o Cuando Cubango vai ter dois en­tre­pos­tos de fis­ca­li­za­ção e co­mer­ci­a­li­za­ção, um dos quais na zo­na fron­tei­ri­ça, on­de a ac­ti­vi­da­de de ex­plo­ra­ção é fei­ta de for­ma in­ten­sa, com re­la­tos de rou­bos e fu­ga ao fis­co.

“A im­ple­men­ta­ção des­te pro­jec­to, cu­jo lan­ça­men­to da pri­mei­ra pe­dra tes­te­mu­nha­mos ho­je, vai con­tri­buir pa­ra o me­lho­ra­men­to da fis­ca­li­za­ção e con­tro­lo no cor­te, circulação e co­mer­ci­a­li­za­ção da ma­dei­ra”, afir­mou Pe­dro Mu­tin­di.

No âm­bi­to des­ta es­tra­té­gia da re­du­ção das im­por­ta­ções e fo­men­to das ex­por­ta­ções, lem­brou, o sec­tor ma­dei­rei­ro é um dos elei­tos pa­ra con­tri­buir pa­ra a cap­ta­ção de di­vi­sas.

NI­CO­LAU VAS­CO | EDIÇOÕES NO­VEM­BRO| CUANDO CUBANGO

André Mo­da e Pe­dro Mu­tin­di exi­bem ma­que­ta do en­tre­pos­to de co­mer­ci­a­li­za­ção de ma­dei­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.