Tra­ba­lho in­fan­til au­men­ta em Nda­la­tan­do e ar­re­do­res

Ser­vi­ço pro­vin­ci­al do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça ape­la aos mu­ní­ci­pes no sen­ti­do de de­nun­ci­ar os pre­va­ri­ca­do­res

Jornal de Angola - - REGIÕES - André Bran­dão | Nda­la­tan­do

Ra­fa­el Do­min­gos de An­dra­de, 15 anos, dei­xou de es­tu­dar por fal­ta de ma­te­ri­al di­dác­ti­co e ali­men­ta­ção. No sen­ti­do de aju­dar a fa­mí­lia de­ci­diu ven­der rou­pa usa­da no mer­ca­do do Ta­la-Ha­di, em Nda­la­tan­do, Cu­an­za-Nor­te, há cer­ca de dois anos.

“Eu e mais dois ami­gos co­me­ça­mos a ven­der água na rua, des­de en­tão não pa­rei mais. Fui aju­dan­te de me­câ­ni­ca nu­ma ofi­ci­na de mo­to, la­vo car­ros, des­car­re­go mer­ca­do­ri­as e mui­tas ou­tras coi­sas, pa­ra ga­nhar o meu pão de ca­da dia e não an­dar a rou­bar”, jus­ti­fi­ca.

Tal co­mo Ra­fa­el Do­min­gos, Jo­sé Augusto, de 14 anos, lar­gou a es­co­la pa­ra aju­dar nas des­pe­sas de ca­sa, tra­ba­lhan­do co­mo ven­de­dor am­bu­lan­te, ga­nha por dia cer­ca de 500 a 800 kwan­zas.

“Es­tu­da­va a quar­ta clas­se, mas de­sis­ti por­que o meu pai sem­pre me obri­ga­va a tra­ba­lhar nas la­vras até na al­tu­ra das pro­vas. Ago­ra es­tou a ven­der rou­pas e o que ga­nho com­pro co­mi­da e ou­tras coi­sas”, dis­se.

Já Fe­li­ci­a­na Ne­to, de 13 anos, aju­da a mãe, com de­fi­ci­ên­cia lo­co­mo­ti­va, a ven­der to­ma­te na pra­ça do Len­ga-Len­ga. Des­cre­veu que vi­vem com mais dois ir­mãos me­no­res e que so­bre­vi­vem so­men­te da ven­da, por is­so dei­xou de ir à es­co­la pa­ra aju­dar no sus­ten­to da ca­sa e dos ir­mãos.

“Qu­e­ro ser en­fer­mei­ra no fu­tu­ro. An­tes de co­me­çar a ven­der es­tu­da­va a quar­ta clas­se e era boa alu­na, por is­so vou vol­tar a es­tu­dar no pró­xi­mo ano”, as­se­gu­rou Fe­li­ci­a­na Ne­to.

Do­min­gos Chi­va­le, de 16 anos, des­lo­cou-se do Wa­co Kun­go, pro­vín­cia do Cu­an­zaSul, pa­ra o Cu­an­za-Nor­te, há cer­ca de um ano, à pro­cu­ra de me­lho­res con­di­ções de vi­da. Tra­ba­lha em fa­zen­das co­mo la­vra­dor e diz gos­tar do tra­ba­lho que faz, ape­sar de ser mui­to can­sa­ti­vo. O que ga­nha, acres­cen­tou, ser­ve pa­ra o seu sus­ten­to e o da fa­mí­lia que se en­con­tra no Wa­co Kun­go.

O jo­vem diz que não tem mui­ta es­pe­ran­ça de vol­tar a es­tu­dar, por­que nem se­quer tem no­ção de on­de es­tá a sua do­cu­men­ta­ção. “Es­tou a lu­tar pa­ra pa­gar ren­da nu­ma ca­sa, por­que dur­mo em acam­pa­men­tos de ca­pim”.

Du­ran­te uma pa­les­tra re­a­li­za­da no an­fi­te­a­tro da es­co­la Sa­mo­ra Moi­sés Ma­chel, a téc­ni­ca do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça Ma­ria Eli­sa Gour­gel dis­se que há vá­ri­as cen­te­nas de cri­an­ças an­go­la­nas que, por di­ver­sas ra­zões, são obri­ga­das a tra­ba­lhar.

“Há fa­mí­li­as que uti­li­zam as cri­an­ças pa­ra aju­dar no sus­ten­to de ca­sa, quer no cam­po agrí­co­la, quer em mer­ca­dos in­for­mais, trans­por­tan­do mer­ca­do­ri­as de um la­do pa­ra o ou­tro”, ex­pli­cou.

Se­gun­do Ma­ria Eli­sa Gour­gel, o tra­ba­lho in­fan­til não con­tri­bui pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to fí­si­co e men­tal da cri­an­ça, co­lo­can­do a sua vi­da mui­tas ve­zes em ris­co. A téc­ni­ca re­co­men­dou a cri­a­ção de me­ca­nis­mos de de­nún­cia, por via das re­des so­ci­ais, a divulgação, atra­vés de pa­les­tras e pro­gra­mas nos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­ci­al, dos di­rei­tos das cri­an­ças, bem co­mo fa­zer cum­prir a le­gis­la­ção que de­fi­ne o tra­ba­lho in­fan­til co­mo cri­me pú­bli­co.

Acres­cen­tou que se de­ve res­pon­sa­bi­li­zar cri­mi­nal­men­te as em­pre­sas que em­pre­gam cri­an­ças e as fa­mí­li­as que obri­gam me­no­res de 14 anos a tra­ba­lhar.

Su­bli­nhou que exis­tem mui­tas bar­rei­ras que con­cor­rem pa­ra o au­men­to da ex­plo­ra­ção do tra­ba­lho in­fan­til, que se pren­dem com os há­bi­tos cul­tu­rais, tra­di­ções e pa­drões so­ci­ais, ne­gli­gên­cia dos pais ou en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção, con­fli­tos no seio fa­mi­li­ar, al­to ín­di­ce de fu­ga à pa­ter­ni­da­de, po­li­ga­mia, fra­co co­nhe­ci­men­to das leis vi­gen­tes e das con­sequên­ci­as do tra­ba­lho in­fan­til. De­nún­ci­as con­fir­ma­das

A res­pon­sá­vel do Ser­vi­ço Pro­vin­ci­al do Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal da Cri­an­ça, An­gé­li­ca André Cu­di­on­gi­na, con­fir­mou a exis­tên­cia de al­gu­mas de­nún­ci­as de ex­plo­ra­ção de tra­ba­lho in­fan­til na re­gião. Fez sa­ber que, de Ja­nei­ro até o prin­cí­pio do cor­ren­te mês, re­gis­ta­ram­se 20 ca­sos de ex­plo­ra­ção de tra­ba­lho in­fan­til.

Se­gun­do a res­pon­sá­vel, nos úl­ti­mos tem­pos as­sis­te­se na pro­vín­cia do Cu­an­zaNor­te si­tu­a­ções que põem em cau­sa a pro­tec­ção e o de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral das cri­an­ças e mui­tas de­las não es­tu­dam, por fal­ta de re­gis­to ou ne­gli­gên­cia dos pais.

An­gé­li­ca André Cu­di­on­gi­na con­fir­mou que mui­tas cri­an­ças es­tão en­vol­vi­das em ac­ti­vi­da­des de ven­da am­bu­lan­te, la­va­gem de vi­a­tu­ras e mo­to­ri­za­das, tra­ba­lho bra­çal em cam­pos agrí­co­las, trans­por­te de mer­ca­do­ri­as, tra­ba­lho do­més­ti­co e mui­tos ou­tros.

As áre­as de in­ci­dên­cia des­tes ca­sos são nor­mal­men­te os mer­ca­dos, bair­ros pró­xi­mos a gran­des su­per­fí­ci­es co­mer­ci­ais, zo­nas com fa­zen­das, lo­cais de la­va­gem de vi­a­tu­ras, ofi­ci­nas e em­pre­sas de cons­tru­ção ci­vil.

Na pro­vín­cia do Cu­an­zaNor­te, em par­ti­cu­lar em Nda­la­tan­do, se­gun­do as au­to­ri­da­des lo­cais, não exis­tem cri­an­ças de rua, mas ape­nas na rua, que de­pois de anoi­te­cer vol­tam pa­ra ca­sa.

De acor­do com a res­pon­sá­vel do INAC, pe­las pes­qui­sas fei­tas pe­los téc­ni­cos da ins­ti­tui­ção que di­ri­ge, mui­tas cri­an­ças são sub­me­ti­das a es­tes tra­ba­lhos em fun­ção do des­co­nhe­ci­men­to e tam­bém ig­no­rân­cia da lei por par­te de al­gu­mas pes­so­as, as­sim co­mo a pou­ca in­for­ma­ção por par­te dos ór­gãos de co­mu­ni­ca­ção so­bre as con­sequên­ci­as des­te fe­nó­me­no, bem co­mo o bai­xo ní­vel eco­nó­mi­co das fa­mí­li­as.

NILO MATEUS | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO | NDA­LA­TAN­DO

Nos úl­ti­mos tem­pos vá­ri­as cri­an­ças são vis­tas a exer­cer ac­ti­vi­da­des im­pró­pri­as pa­ra a sua ida­de

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.