Cri­an­ças mal­tra­ta­das vol­tam a sor­rir no Zaire

Em 2017 fo­ram re­gis­ta­dos na pro­vín­cia do Zaire 2.188 ca­sos de vi­o­la­ção dos di­rei­tos da cri­an­ça, além de ou­tras 403 ocor­rên­ci­as en­tre Ja­nei­ro e Maio des­te ano

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Fer­nan­do Ne­to | Mbanza Kongo

13 anos de ida­de, re­si­de no Cen­tro de Aco­lhi­men­to Frei Gi­or­gio Zu­li­a­nel­lo, há se­te anos, por ter si­do aban­do­na­do pe­los fa­mi­li­a­res, acu­sa­do de fei­ti­cei­ro. O ra­paz vi­via com um tio no mu­ni­cí­pio de Kuim­ba, após o fa­le­ci­men­to dos pais, ví­ti­mas de aci­den­te de vi­a­ção, em 2011.

No seu tes­te­mu­nho, Man­zam­bi Man­zun­ga­ni afir­ma que a da­do mo­men­to o tio co­me­çou a mal­tra­tá-lo, de­vi­do à tei­mo­sia e de­so­be­di­ên­cia que apre­sen­ta­va, com­por­ta­men­to con­fun­di­do pe­lo en­car­re­ga­do de edu­ca­ção co­mo prá­ti­ca de fei­ti­ça­ria.

Na al­tu­ra em que foi ex­pul­so de ca­sa, ele co­mia à cus­ta dos vi­zi­nhos. Mais tar­de, de­vi­do à sua pre­sen­ça cons­tan­te nas ru­as de Mbanza Kongo, on­de ia em bus­ca de al­ter­na­ti­va pa­ra so­bre­vi­ver, foi re­co­lhi­do por uma equi­pa do MINARS, que o en­ca­mi­nhou pa­ra o cen­tro Frei Zu­li­a­nel­lo, on­de se en­con­tra ac­tu­al­men­te a es­tu­dar a 7ª clas­se.

To­das as ma­nhãs, de­pois do pe­que­no-al­mo­ço, Man­zam­bi Man­zun­ga­ni des­lo­ca­se ao Cen­tro de For­ma­ção do INEFOP pa­ra apren­der me­câ­ni­ca. À tar­de, ele e ou­tros ra­pa­zes cum­prem al­gu­mas ta­re­fas de lim­pe­za e hi­gi­e­ne no cen­tro e pra­ti­cam ac­ti­vi­da­des des­por­ti­vas.

O mais pe­que­no do es­ta­be­le­ci­men­to é um be­bé de seis me­ses, ví­ti­ma de aban­do­no fa­mi­li­ar, e o mais ve­lho tem 18 anos e cha­ma-se João La­do­ze. Che­gou ao cen­tro com dois anos de ida­de, con­for­me as­se­gu­rou o di­rec­tor da ins­ti­tui­ção, Frei Da­ni­lo Gros­sel­le.

Na­tu­ral de Kuim­ba, João La­do­ze é ór­fão de pai e mãe e foi le­va­do pa­ra o cen­tro pe­lo MINARS, de­vi­do às con­di­ções pre­cá­ri­as da ca­sa da avó. En­tre as 61 al­mas re­si­den­tes no cen­tro de aco­lhi­men­to, fi­gu­ram cri­an­ças ví­ti­mas de rap­to, agres­são fí­si­ca e psi­co­ló­gi­ca.

Nas co­mu­ni­da­des, on­de exis­tem mem­bros das re­des de pro­tec­ção da cri­an­ça, cons­ti­tuí­das por pas­to­res, pro­fes­so­res, so­bas e en­car­re­ga­dos de edu­ca­ção, são de­nun­ci­a­dos à Po­lí­cia Na­ci­o­nal ou ao INAC os ac­tos de vi­o­lên­cia con­tra me­no­res.

O úni­co al­ber­gue na pro­vín­cia do Zaire pa­ra al­ber­gar cri­an­ças aban­do­na­das e acu­sa­das da prá­ti­ca de fei­ti­ça­ria é o Cen­tro de Aco­lhi­men­to e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal Frei “Gi­or­gio Zu­li­a­nel­lo”, lo­ca­li­za­do em Mbanza Kongo.

O es­ta­be­le­ci­men­to ofe­re­ce opor­tu­ni­da­des de en­qua­dra­men­to so­ci­al a cen­te­nas de cri­an­ças ví­ti­mas de agres­são fí­si­ca e psi­co­ló­gi­ca dos pró­pri­os fa­mi­li­a­res, des­de 2001. Pa­ra ga­ran­tir o fu­tu­ro dos ra­pa­zes, o cen­tro en­qua­dra­os em es­co­las e os mais cres­ci­dos em cur­sos de for­ma­ção pro­fis­si­o­nal. Até ao mo­men­to, a ins­ti­tui­ção con­tri­buiu pa­ra a in­ser­ção so­ci­o­pro­fis­si­o­nal e in­te­gra­ção fa­mi­li­ar de mais de mil cri­an­ças.

“A mai­or par­te dos ra­pa­zes são ví­ti­mas de acu­sa­ção de fei­ti­ça­ria e aban­do­no fa­mi­li­ar”, se­gun­do pa­la­vras do di­rec­tor do Cen­tro, Frei Da­ni­lo Gros­sel­le, pa­ra qu­em as áre­as de co­zi­nha e quar­tos de ba­nho co­lec­ti­vos ne­ces­si­tam com ur­gên­cia de obras de res­tau­ro.

O so­nho do di­rec­tor é ver um dia to­das as cri­an­ças rein­te­gra­das na so­ci­e­da­de e po­der en­cer­rar o cen­tro com o sen­ti­men­to do de­ver cum­pri­do.

Nu­ma pa­les­tra re­a­li­za­da, há di­as, em Mbanza Kongo, en­qua­dra­da na jor­na­da da cri­an­ça, sob o le­ma “Re­for­çar a mu­ni­ci­pa­li­da­de dos 11 com­pro­mis­sos, pa­ra ga­ran­tir a pro­tec­ção da cri­an­ça”, fi­cou pa­ten­te o re­gis­to de 2.188 ca­sos de vi­o­la­ção dos di­rei­tos da cri­an­ça, no­ti­fi­ca­dos em 2017, além de ou­tras 403 ocor­rên­ci­as, ca­ta­lo­ga­das de Ja­nei­ro a Maio do ano em cur­so.

O nú­me­ro de cri­an­ças acu­sa­das da prá­ti­ca de fei­ti­ça­ria, na pro­vín­cia do Zaire, era as­tro­nó­mi­co no pas­sa­do. Pas­to­res de al­gu­mas sei­tas re­li­gi­o­sas eram os pro­mo­to­res des­te ti­po de acu­sa­ção, na qual apon­ta­vam o de­do a me­no­res ór­fãos e en­te­a­dos co­mo fei­ti­cei­ros, uma prá­ti­ca que mais tar­de foi sen­do se­gui­da por mui­tas fa­mí­li­as. pe­lo INAC no Zaire, dis­se que en­tre os seis mu­ni­cí­pi­os da pro­vín­cia, o Kuim­ba aco­lhe a mai­or ta­xa de ca­sos de vi­o­la­ção dos di­rei­tos da cri­an­ça, so­bre­tu­do em ocor­rên­ci­as de tra­ba­lho in­fan­til, fu­ga à res­pon­sa­bi­li­da­de pa­ren­tal, vi­o­la­ção se­xu­al, in­ces­to, o uso ex­ces­si­vo de be­bi­das al­coó­li­cas e gra­vi­dez pre­co­ce, in­cluin­do in­cum­pri­men­to de pres­ta­ção de ali­men­tos.

Pa­ra um de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral das cri­an­ças, o Go­ver­no de­fen­de ser ne­ces­sá­rio um mai­or en­vol­vi­men­to da fa­mí­lia nas ac­ções pe­da­gó­gi­cas. Ao fa­lar so­bre o te­ma, o vi­ce-go­ver­na­dor pa­ra o Sec­tor Po­lí­ti­co, So­ci­al e Eco­nó­mi­co do Zaire, An­tó­nio Fé­lix Ki­a­lun­gui­la, dis­se que a fa­mí­lia, ape­sar da sua de­ses­tru­tu­ra­ção ac­tu­al, as­su­me um pa­pel pre­pon­de­ran­te na ga­ran­tia de con­di­ções pa­ra o de­sen­vol­vi­men­to in­te­gral da cri­an­ça.

Pa­ra An­tó­nio Fé­lix Ki­a­lun­gui­la, a re­a­li­za­ção de cam­pa­nhas de sen­si­bi­li­za­ção so­bre a vi­o­lên­cia con­tra a cri­an­ça em to­dos os mu­ni­cí­pi­os, co­mu­nas e al­dei­as, atra­vés do INAC, afi­gu­ra-se co­mo um pas­so im­por­tan­te pa­ra ga­ran­tir que mais cri­an­ças te­nham aces­so à edu­ca­ção, cres­ci­men­to har­mo­ni­o­so, pro­tec­ção e saú­de.

“Di­an­te das al­te­ra­ções eco­nó­mi­cas, so­ci­ais e po­lí­ti­cas, a ins­ti­tui­ção fa­mi­li­ar so­freu mui­tas mu­dan­ças, fi­can­do lon­ge dos mol­des que a ca­rac­te­ri­za­vam no pas­sa­do (pai, mãe e fi­lhos)”, dis­se An­tó­nio Fé­lix Ki­a­lun­gui­la, pa­ra qu­em o fe­nó­me­no da de­ses­tru­tu­ra­ção fa­mi­li­ar acar­re­ta con­sequên­ci­as, com des­ta­que pe­los atro­pe­los cruéis dos va­lo­res mo­rais e cí­vi­cos.

O so­nho do di­rec­tor do Cen­tro Frei Gi­or­gio Zu­li­a­nel­lo é ver um dia to­das as cri­an­ças rein­te­gra­das na so­ci­e­da­de e po­der en­cer­rar o cen­tro com o sen­ti­men­to do de­ver cum­pri­do

GARCIA MAYATOKO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO | MBANZA KONGO

Pa­tro­no do Cen­tro de Aco­lhi­men­to e For­ma­ção Pro­fis­si­o­nal Frei Gi­or­gio Zu­li­a­nel­lo po­sa com al­gu­mas cri­an­ças

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.