Lu­an­da é a ci­da­de das tre­vas

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - Lu­ci­a­no Ro­cha

Pa­ris é, des­de há mui­to, de­sig­na­da “a ci­da­de luz”, con­tra­ri­a­men­te a Lu­an­da, que po­de vir a no­ta­bi­li­zar-se co­mo “a ca­pi­tal das tre­vas”, tal a au­sên­cia de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca que a ca­rac­te­ri­za e, na­tu­ral­men­te, a tor­na pe­ri­go­sa.

A nos­sa ca­pi­tal, mal o sol se põe, é um man­to de es­cu­ri­dão pin­tal­ga­do pe­las lu­zes dos anún­ci­os lu­mi­no­sos, fa­róis de au­to­mó­veis e pou­co mais. A pú­bli­ca é mais ra­ra do que rou­pa no­va em cor­po de po­bre. Os can­de­ei­ros nas ar­té­ri­as são, na mai­o­ria das ve­zes, me­ros ob­jec­tos de de­co­ra­ção. Que tan­to es­tão ace­sos um dia ou dois, co­mo apa­ga­dos uma eter­ni­da­de.

A fal­ta de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca tor­na a ci­da­de mais pe­ri­go­sa, por ser o ce­ná­rio ide­al pa­ra sal­te­a­do­res, vi­o­la­do­res, as­sas­si­nos. Mas, igual­men­te, é pre­ci­so re­al­çar, pa­ra co­li­sões de au­to­mó­veis, atro­pe­la­men­tos, mor­tes nas es­tra­das. Não te­nho es­ta­tís­ti­cas, mas não cor­ro gran­de ris­co de er­rar, se afir­mar que Lu­an­da é das ci­da­des em to­do o mun­do com mais san­gue no as­fal­to e a Ave­ni­da De­o­lin­da Ro­dri­gues das mais pe­ri­go­sas.

Há qu­an­tas noi­tes é que não re­gis­ta aci­den­tes, tan­tas de­las com con­sequên­ci­as ir­re­pa­rá­veis? Eram nú­me­ros que gos­ta­va de ver di­vul­ga­dos e afi­xa­dos em to­dos os lo­cais de tra­ba­lho. A co­me­çar pe­los ga­bi­ne­tes dos prin­ci­pais res­pon­sá­veis por es­te es­ta­do de coi­sas. É mais do que tem­po da cul­pa não con­ti­nu­ar apa­ren­te­men­te sol­tei­ra. E as­sim há-de con­ti­nu­ar en­quan­to a dei­xa­rem so­zi­nha a ar­car com o pe­so de de­li­tos par­ti­lha­dos.

Mui­tas das ví­ti­mas mor­tais, mas tam­bém os fi­si­ca­men­te di­mi­nuí­dos de­vi­do a aci­den­tes ro­do­viá­ri­os na nos­sa pro­vín­cia, de­sig­na­da­men­te na Ave­ni­da De­o­lin­da Ro­dri­gues, de­vi­am, em boa ver­da­de, cha­mar-se “ví­ti­mas da fal­ta de ilu­mi­na­ção pú­bli­ca em Lu­an­da”.

Até qu­an­do Lu­an­da tem de atu­rar tu­do is­to? Qu­an­tas mais mor­tes têm de ocor­rer? Quan­tos di­mi­nuí­dos fí­si­cos por de­sas­tres ro­do­viá­ri­os são ain­da pre­ci­sos, pa­ra aca­bar com es­ta ca­la­mi­da­de na­ci­o­nal? Que res­pon­da qu­em po­de e de­ve.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.