Ca­sa 70 ce­le­bra ani­ver­sá­rio com Pau­lo Flo­res e ami­gos

Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as e Eu­cli­des da Lom­ba can­tam no con­cer­to que as­si­na­la, em três noi­tes, o per­cur­so de um pro­jec­to pi­o­nei­ro

Jornal de Angola - - CULTURA - Ho­no­ra­to Sil­va

Em três noi­tes, a par­tir de ho­je e até sá­ba­do, a Ca­sa 70 as­si­na­la du­as dé­ca­das de exis­tên­cia, num con­cer­to de­no­mi­na­do “Es­ta­ções do Sem­ba”, que tem Pau­lo Flo­res co­mo ca­be­ça de car­taz, acom­pa­nha­do pe­los con­vi­da­dos Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as, Eu­cli­des da Lom­ba, Le­o­nel Almeida e Ma­ne­cas Cos­ta.

Pi­o­nei­ro no mo­vi­men­to mo­der­nis­ta re­gis­ta­do na in­dús­tria do en­tre­te­ni­men­to em An­go­la, o es­pa­ço cul­tu­ral lo­ca­li­za­do no bair­ro Vi­la Ali­ce, em Lu­an­da, es­co­lheu mú­si­cos iden­ti­fi­ca­dos com o seu per­cur­so de su­ces­so, pa­ra ce­le­brar o vi­gé­si­mo ani­ver­sá­rio.

Sob a má­xi­ma “pon­tu­a­li­da­de, con­ti­nui­da­de e es­ta­bi­li­da­de, no ‘show biz’ em An­go­la”, a Ca­sa 70 es­te­ve na van­guar­da da va­lo­ri­za­ção dos mú­si­cos na­ci­o­nais, nu­ma al­tu­ra em que mui­tos “que­ri­am dei­xar de can­tar”, se­gun­do su­bli­nhou Mar­cos Cu­nha, ges­tor da ca­sa de es­pec­tá­cu­los e res­tau­ra­ção.

De Lin­do­mar Cas­ti­lho, can­tor bra­si­lei­ro que fez no es­pa­ço o re­gres­so aos pal­cos, de­pois de sair da ca­deia, a Ku­e­no Ai­on­da, o li­vro de re­gis­tos guar­da me­mó­ri­as da pre­sen­ça de mú­si­cos de vá­ri­os pon­tos do Mun­do. O nor­te-ame­ri­ca­no Percy Sled­ge, co­nhe­ci­do in­ter­na­ci­o­nal­men­te pe­la in­ter­pre­ta­ção de “When a man lo­ves a wo­man”, foi o pri­mei­ro gran­de no­me con­tra­ta­do pe­lo em­pre­sá­rio Car­los Cu­nha.

Can­to­res com cré­di­tos fir­ma­dos no Bra­sil, Por­tu­gal, An­ti­lhas, Ca­bo Ver­de, Guiné Bissau e An­go­la exi­bi­ram ta­len­to na Ca­sa 70. Gil­ber­to Gil, Gil­li­ard, Al­ci­o­ne, Ana Ca­ro­li­na, Rui Ve­lo­so, Ralph Tha­mar, Ce­sá­ria Évo­ra, Ba­na, Edu­ar­do Paim, Yo­la Se­me­do, Ne­lo de Car­va­lho, Kya­ko Kya­daff e Kris­to são no­mes que se des­ta­cam na ex­ten­sa lis­ta de actuações.

La­ços de cum­pli­ci­da­de

A boa re­la­ção pro­fis­si­o­nal es­ta­be­le­ci­da com o mú­si­co, mo­ti­vou a es­co­lha de Pau­lo Flo­res com o car­taz das três noi­tes de con­cer­to, ho­je, ama­nhã e sá­ba­do. “É um can­tor que co­nhe­ce­mos bem. Já fi­ze­mos vá­ri­as coi­sas jun­tos. Ti­ve­mos um ‘show’, que era re­a­li­za­do em De­zem­bro. Ele gos­ta de tra­ba­lhar con­nos­co”, ex­pli­cou Mar­cos Cu­nha.

De­fen­sor das raí­zes do sem­ba, o au­tor dos su­ces­sos “Cher­ry”, “Ma­na Xi­qui­ta”, “Ino­cen­ti”, “Po­e­ma do Sem­ba”, “Bo­da”, “Cla­ri­ce”, “A Car­ta” e mais re­cen­te­men­te “Ba­ju”, re­gres­sa a Lu­an­da num pe­río­do de gran­de acei­ta­ção, dois me­ses de­pois da pas­sa­gem com su­ces­so pe­lo Show do Mês da No­va Ener­gia, que te­ve três con­cer­tos es­go­ta­dos no an­fi­te­a­tro do Royal Pla­za Ho­tel, em Ta­la­to­na, e mui­tos fãs à pro­cu­ra de in­gres­sos.

A ce­le­brar 30 anos de carreira, o ven­ce­dor do Top dos Mais Qu­e­ri­dos de 2011 pro­põe uma vi­a­gem pe­lo seu vas­to re­por­tó­rio, com o su-por­te de ex­pe­ri­en­tes ins­tru­men­tis­tas, con­sa­gra­dos na mú­si­ca ur­ba­na an­go­la­na. Na ve­lo­ci­da­de do “Kan­don­guei­ro Vo­a­dor”, o mais re­cen­te dis­co, Pau­lo Flo­res es­te­ve a 28 de Maio na Au­la Mag­na, em Lis­boa.

Car­li­tos Vi­ei­ra Di­as é uma das gran­des in­fluên­ci­as do “an­fi­trião”, que con­fes­sou em en­tre­vis­ta ao Jor­nal de An­go­la a im­por­tân­cia do mú­si­co e com­po­si­tor. “Lem­bro-me que em al­guns sem­bas que fiz no iní­cio, qu­an­do os ko­tas to­ca­vam, o pró­prio an­da­men­to, eu não con­se­guia en­trar no rit­mo. O sem­ba tem al­guns se­gre­dos que não se ex­pli­cam ou não sei ex­pli­car”, re­co­nhe­ceu.

Eu­cli­des da Lom­ba con­ti­nua a ale­grar os ad­mi­ra­do­res com as can­ções de amor que con­quis­ta­ram os an­go­la­nos no fi­nal da dé­ca­da de 90. “Li­vre Se­rás”, “Par­ran­dei­ra”, “Re­gres­sa” e “De­se­jo Ma­lan­dro” dis­pu­tam a pri­ma­zia com te­mas “Me que­das com ga­nas”, “Tu­do que pas­sou”, “Co­mo a gen­te se amou” e “Tua chan-ce”, al­guns dos des­ta­ques do dis­co “País que ve­ne­ro”.

Le­o­nel Almeida traz as so­no­ri­da­des de Ca­bo Ver­de, na ca­dên­cia da “mor­na” e “co­la­dei­ra”, in­ter­pre­tan­do can­ções imor­ta­li­za­das por Il­do Lo­bo, Ce­sá­ria Évo­ra e Ba­na, en­quan­to o gui­ne­en­se Ma­ne­cas Cos­tas exi­be os so­los da gui­tar­ra, com­pa­nhei­ra in­se­pa­rá­vel nas di­gres­sões pe­lo Mun­do, com Pau­lo Flo­res.

Sob a má­xi­ma “pon­tu­a­li­da­de, con­ti­nui­da­de e es­ta­bi­li­da­de, no ‘show biz’ em An­go­la”, a Ca­sa 70 es­te­ve na van­guar­da da va­lo­ri­za­ção dos mú­si­cos na­ci­o­nais, nu­ma al­tu­ra em que mui­tos “que­ri­am dei­xar de can­tar”

DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pau­lo Flo­res vai par­ti­lhar o pal­co do con­cer­to “Es­ta­ções do Sem­ba” com qua­tro co­le­gas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.