Ab­sen­tis­mo no tra­ba­lho con­ti­nua à ré­dea sol­ta

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Lu­ci­a­no Ro­cha

O ab­sen­tis­mo no tra­ba­lho, ape­sar de ser dos mai­o­res en­tra­ves ao de­sen­vol­vi­men­to de um país, an­da, en­tre nós, à sol­ta, ra­ra­men­te men­ci­o­na­do, co­mo se fos­se al­go na­tu­ral, mas de­vas­ta­dor na sua ca­mi­nha­da cri­mi­no­sa.

O ab­sen­tis­mo tem o ber­ço no ne­po­tis­mo, sob as mais va­ri­a­das for­mas, que, ao con­trá­rio do que al­guns pen­sam, ou fin­gem, vai além do pa­ren­tes­co. Abar­ca, igual­men­te, o ami­guis­mo, que, bem vis­to, pou­co ou na­da tem a ver com ami­za­de. Po­de, is­so sim, ser tro­ca de fa­vo­res, co­mér­cio de in­te­res­ses. Se­ja qual for a ori­gem e a rou­pa­gem que ves­te, so­men­te so­bre­vi­ve à som­bra da gi­gan­tes­ca im­pu­ni­da­de.

Os ab­sen­tis­tas, co­mo ten­tá­cu­los de pol­vo, gar­ras cri­mi­no­sas de abu­tres, san­gues­su­gas, tsu­na­mi, la­vas de vul­cão en­fu­re­ci­do, es­ten­dem-se por to­dos os sec­to­res, ar­ra­sam-nos, chu­pam­lhe o san­gue. Tam­bém são apro­vei­ta­do­res do tra­ba­lho alheio, à cus­ta do qual vi­vem. Es­tão ain­da dis­pos­tos a se ven­de­rem por qual­quer pre­ço, a tro­co da “boa vi­da”.

Os in­qua­li­fi­cá­veis ab­sen­tis­tas di­vi­dem-se em vá­ri­os gru­pos, en­tre eles so­bres­sa­em os que não se dão se­quer ao tra­ba­lho de apa­re­cer no lo­cal de em­pre­go e os que apa­re­cem, mas não pro­du­zem, nu­ma ati­tu­de pas­si­va que se po­de con­si­de­rar “greve de ze­lo”. Em co­mum, além de não fa­ze­rem na­da, re­ce­bem o ven­ci­men­to, em al­guns ca­sos até mor­do­mi­as, e be­ne­fi­ci­am da im­pu­ni­da­de, à cus­ta dos que efec­ti­va­men­te "dão o li­tro".

O ab­sen­tis­mo no tra­ba­lho é no­ci­vo a qual­quer país, mas, por mai­o­ria de ra­zões, mui­to mais ain­da na­que­les, co­mo o nos­so, cu­ja eco­no­mia é, por uma sé­rie de cau­sas, frá­gil.

Um país co­mo o nos­so, no qual a fal­ta de mão-de-obra qua­li­fi­ca­da, de téc­ni­cos es­pe­ci­a­li­za­dos e de qua­dros ca­pa­zes nos mais va­ri­a­dos sec­to­res é gri­tan­te, não se po­de “dar ao lu­xo” de fun­ci­o­nar a du­as ve­lo­ci­da­des, com os que ten­tam, no de­sem­pe­nho das fun­ções que lhes são atri­buí­das, em­pur­rá-lo pa­ra a fren­te, ru­mo ao de­sen­vol­vi­men­to ne­ces­sá­rio, e os que fa­zem exac­ta­men­te o con­trá­rio, a co­ber­to da im­pu­ni­da­de, que, acen­tue-se, con­ti­nua ain­da... a rir-se em An­go­la.

O ab­sen­tis­mo não é “es­qui­si­to”, nem “dis­cri­mi­na­tó­rio”. En­tre nós, abar­ca to­dos os sec­to­res e pro­fis­sões. Co­mo su­ce­de nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no, on­de quem de­via dar o exem­plo a cri­an­ças e jo­vens da dig­ni­fi­ca­ção do tra­ba­lho e do quan­to ele é im­pres­cin­dí­vel pa­ra o pro­gres­so de An­go­la pri­ma pe­las ausências cons­tan­tes, com as mais es­ta­pa­fúr­di­as des­cul­pas, ou, igual­men­te con­de­ná­vel, os que fa­zem das es­co­las ape­nas meio de ter vá­ri­os ven­ci­men­tos, sal­tan­do de uma pa­ra a ou­tra, co­mo par­dal em ra­mo de ár­vo­re.

Há ain­da aque­les que, nou­tros ra­mos de ac­ti­vi­da­de, pro­põem-se exer­cer ta­re­fas pa­ra as quais sa­bem não reu­nir o mí­ni­mo de ap­ti­dões. Es­que­cen­do o adá­gio que pre­vi­ne que “o sa­pa­tei­ro não de­ve ir além do chi­ne­lo”. Le­va­dos pe­la ga­nân­cia, re­ce­bem o di­nhei­ro que não me­re­cem. Em al­guns ca­sos, até, pe­la se­gun­da vez no mes­mo mês, pois têm ou­tro “em­pre­go”ou es­tão ofi­ci­al­men­te re­for­ma­dos. Tam­bém em­ba­la­dos pe­lo egoís­mo que os im­pe­de de ter ver­go­nha de pen­sar que há quem es­te­ja de­sem­pre­ga­do por ha­ver lu­ga­res ocu­pa­dos por quem não de­via.

O ab­sen­tis­mo, en­tre nós, é de tal for­ma des­ca­ra­da­men­te con­sen­ti­do, que, de cer­te­za, há ca­sos de quem te­nha vi­vi­do lar­gos anos a pra­ti­cá-lo e já es­te­ja “re­for­ma­do”, a re­ce­ber co­mo tal.

O com­ba­te à cor­rup­ção não tem re­tor­no, co­mo não se can­sa de su­bli­nhar o Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca, e já co­me­çou. Mas é mui­to mais lon­go e di­fí­cil do que se pos­sa pen­sar. Por­que tem vá­ri­os ali­a­dos, um dos quais o ab­sen­tis­mo. To­dos en­cos­ta­dos, acon­che­ga­dos, à som­bra mal­di­ta da im­pu­ni­da­de hão-de de con­ti­nu­ar a an­dar por aí à ré­dea sol­ta. A ser­vir de tra­vão ao de­sen­vol­vi­men­to que a mai­o­ria dos an­go­la­nos de­se­ja.

O com­ba­te ao ab­sen­tis­mo tem de co­me­çar a ser tra­va­do e já não é ce­do. Não ape­nas pe­lo Go­ver­no, mas de to­dos os que re­pu­di­am aque­la prá­ti­ca mi­se­rá­vel.

De for­ma a que as ge­ra­ções vin­dou­ras vi­vam num país me­lhor, mais jus­to, so­li­dá­rio, de­cen­te, li­vre dos ma­les que ain­da nos ator­men­tam o dia-a-dia.

O ab­sen­tis­mo ao tra­ba­lho é dos mai­o­res obs­tá­cu­los ao de­sen­vol­vi­men­to de An­go­la, mas con­ti­nua à sol­ta na ca­mi­nha­da de­vas­ta­do­ra à som­bra da im­pu­ni­da­de que o aco­lhe

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.