An­go­la quer cooperação mais fo­ca­da na ju­ven­tu­de

Che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na fa­lou no pai­nel so­bre “Pers­pec­ti­vas po­lí­ti­cas pa­ra o fu­tu­ro do re­la­ci­o­na­men­to en­tre afri­ca­nos e eu­ro­peus”, no 1º Fó­rum ‘EurA­fri­can’

Jornal de Angola - - POLÍTICA -

O mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res dis­se ter­ça-feira, em Lis­boa, que o Go­ver­no an­go­la­no quer uma no­va cooperação en­tre Eu­ro­pa e Áfri­ca adap­ta­da às ex­pec­ta­ti­vas e às ne­ces­si­da­des da ju­ven­tu­de.

Ma­nu­el Au­gus­to fa­la­va no pai­nel so­bre “Pers­pec­ti­vas po­lí­ti­cas pa­ra o fu­tu­ro das re­la­ções en­tre Áfri­ca e Eu­ro­pa”, no 1º Fó­rum ‘EurA­fri­can’ aber­to pe­lo Pre­si­den­te de Por­tu­gal, Mar­ce­lo Re­be­lo de Sou­sa.

O che­fe da di­plo­ma­cia an­go­la­na dis­se que o con­ti­nen­te afri­ca­no es­tá aber­to pa­ra con­ti­nu­ar a co­o­pe­rar com a Eu­ro­pa, mas quer uma cooperação adap­ta­da ao ac­tu­al mo­men­to, vi­ra­da fun­da­men­tal­men­te pa­ra as ex­pec­ta­ti­vas e as ne­ces­si­da­des dos jo­vens.

O mi­nis­tro in­di­cou que a mai­o­ria dos paí­ses afri­ca­nos de­fen­de que ha­ja uma pla­ta­for­ma de en­ten­di­men­to ex­clu­si­va­men­te en­tre a Eu­ro­pa e Áfri­ca e que os eu­ro­peus en­con­trem ou­tros ca­mi­nhos pa­ra co­o­pe­rar com as Ca­raí­bas e o Pa­cí­fi­co.

“O mun­do con­ti­nua a fun­ci­o­nar em blo­cos. As­sis­ti­mos ho­je, e vi­mos em al­gu­mas apre­sen­ta­ções es­ta ma­nhã, o pa­pel que a Ásia vai ten­do no mun­do. Uma Ásia que es­tá mui­to pró­xi­ma de Áfri­ca, que tra­ba­lha com os afri­ca­nos em no­vos mol­des e que obri­ga a Eu­ro­pa a re­pen­sar o seu mo­de­lo de cooperação com a Áfri­ca”, sa­li­en­tou.

Ma­nu­el Au­gus­to dis­se ser ne­ces­sá­rio evi­tar-se pen­sa­men­tos ne­ga­ti­vos so­bre a re­la­ção en­tre a Ásia e Áfri­ca, no­me­a­da­men­te dis­cur­sos an­ti-Chi­na, co­mo “o chi­nês não é bom pa­ra co­o­pe­rar com a Áfri­ca, mas é bom pa­ra co­o­pe­rar com a Eu­ro­pa e com os Es­ta­dos Uni­dos.”

“É pre­ci­so en­ten­der que a Áfri­ca já não es­tá na fa­se de acei­tar es­sa dis­cri­mi­na­ção, se­ja ela po­si­ti­va ou ne­ga­ti­va. Is­so obri­ga que os eu­ro­peus e afri­ca­nos es­ta­be­le­çam no­vas li­nhas de for­ça pa­ra o seu re­la­ci­o­na­men­to, até por­que é evi­den­te que há co­mo van­ta­gens a li­ga­ção his­tó­ri­ca em mui­tos ca­sos”, as­se­ve­rou.

Ac­tu­al­men­te, dis­se, as­sis­te­se, com mui­ta sa­tis­fa­ção e or­gu­lho, o pa­pel pro­e­mi­nen­te do sec­tor pri­va­do afri­ca­no na cooperação en­tre Eu­ro­pa e Áfri­ca, com in­cur­sões em matérias de in­ves­ti­men­tos em paí­ses eu­ro­peus.

Ma­nu­el Au­gus­to re­cor­dou que An­go­la vi­veu um lon­go pe­río­do de guer­ra e, ter­mi­na­do o con­fli­to, vi­rou-se aos par­cei­ros tra­di­ci­o­nais no Ocidente. “Pre­ten­dia-se e es­pe­ra­va-se, co­mo qual­quer país que vem de uma guer­ra, uma gran­de con­fe­rên­cia de do­a­do­res, um pla­no Mar­chal pa­ra re­cons­truir An­go­la, mas lhe foi ne­ga­da es­ta pos­si­bi­li­da­de, pois di­zia-se que An­go­la era um país ri­co e não pre­ci­sa­va de aju­da”, su­bli­nhou.

O mi­nis­tro ex­pli­cou que An­go­la te­ve de vi­rar as aten­ções pa­ra o Ori­en­te e, em 16 anos de paz, com o par­cei­ro chi­nês, fun­da­men­tal­men­te, cons­truí­ram-se es­tra­das e bar­ra­gens, bem co­mo se re­a­bi­li­tou ca­mi­nhos-de-fer­ro, num con­jun­to de in­fra­es­tru­tu­ras mi­ni­ma­men­te acei­tá­veis pa­ra um país que foi des­truí­do pe­la guer­ra.

O 1º Fó­rum ‘EurA­fri­can’, or­ga­ni­za­do pe­lo Con­se­lho da Diás­po­ra Por­tu­gue­sa, pre­ten­deu con­tri­buir pa­ra um fu­tu­ro “prós­pe­ro e sus­ten­tá­vel” em Áfri­ca e na Eu­ro­pa, apro­vei­tan­do si­ner­gi­as e pro­mo­ven­do opor­tu­ni­da­des de ne­gó­ci­os com be­ne­fí­ci­os mú­tu­os, va­lo­ri­zan­do so­bre­tu­do as no­vas ge­ra­ções. Participaram no en­con­tro lí­de­res eu­ro­peus e afri­ca­nos do mun­do em­pre­sa­ri­al, po­lí­ti­co e mem­bros da so­ci­e­da­de ci­vil.

De­pois de Lis­boa, o mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res se­guiu pa­ra o Rei­no de Mar­ro­cos, on­de cum­pre, ho­je e ama­nhã, uma vi­si­ta ofi­ci­al de dois di­as. A vi­si­ta a Mar­ro­cos acon­te­ce na sequên­cia do en­con­tro man­ti­do en­tre os dois Che­fes de Es­ta­do na Ci­mei­ra Eu­ro­pa-Áfri­ca, re­a­li­za­da em Abid­jan, Cos­ta do Mar­fim, em Ou­tu­bro do ano pas­sa­do.

A mis­são no Rei­no de Mar­ro­cos en­qua­dra-se igual­men­te na res­pos­ta re­cen­te da vi­si­ta que o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros da­que­le país, Nas­ser Bou­ri­ta, re­a­li­zou a An­go­la, na qua­li­da­de de en­vi­a­do especial do Rei Moha­med VI. Na oca­sião, o che­fe da di­plo­ma­cia mar­ro­qui­na foi re­ce­bi­do pe­lo Pre­si­den­te João Lourenço.

De­pois de Mar­ro­cos, o mi­nis­tro Ma­nu­el Au­gus­to desloca-se à Ilha do Sal, Ca­bo Ver­de, on­de de 17 a 18 des­te mês par­ti­ci­pa na Ci­mei­ra de Che­fes de Es­ta­do e de Go­ver­no da Co­mu­ni­da­de de Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa (CPLP).

“O con­ti­nen­te afri­ca­no es­tá aber­to pa­ra con­ti­nu­ar a co­o­pe­rar com a Eu­ro­pa, mas quer uma cooperação adap­ta­da ao ac­tu­al mo­men­to”

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Mi­nis­tro das Re­la­ções Ex­te­ri­o­res par­ti­ci­pou no fó­rum EurA­fri­can re­a­li­za­do em Lis­boa

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.