Ma­ri­nha de Guer­ra es­tá aten­ta à pi­ra­ta­ria ma­rí­ti­ma

Jornal de Angola - - POLÍTICA - J. Fi­guei­re­do | Com An­gop

O che­fe do Es­ta­do-Mai­or-Ge­ne­ral das FAA, Egí­dio de Sou­sa San­tos, dis­se aos efec­ti­vos da Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na (MGA) pa­ra te­rem em aten­ção os ris­cos e ame­a­ças de­cor­ren­tes da pi­ra­ta­ria ma­rí­ti­ma e do nar­co­trá­fi­co.

Ao dis­cur­sar no ac­to cen­tral do 42º ani­ver­sá­rio da MGA, as­si­na­la­do ter­ça-feira, Egí­dio de Sou­sa San­tos afir­mou que a po­ten­ci­a­li­za­ção da Ma­ri­nha de Guer­ra e das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA) cons­ti­tui uma ta­re­fa im­pres­cin­dí­vel que o Exe­cu­ti­vo an­go­la­no de­sen­vol­ve, com ele­va­da res­pon­sa­bi­li­da­de.

Segundo Egí­dio de Sou­sa San­tos, o es­pa­ço ma­rí­ti­mo é im­por­tan­te, pe­lo fac­to de se le­van­ta­rem sé­ri­as pre­o­cu­pa­ções re­la­ci­o­na­das com a se­gu­ran­ça da na­ve­ga­ção, li­ber­da­de de usu­fru­to dos re­cur­sos ma­ri­nhos e exer­cí­cio da so­be­ra­nia na zo­na eco­nó­mi­ca exclusiva, por par­te dos es­ta­dos ri­bei­ri­nhos.

Egí­dio de Sou­sa San­tos de­fen­deu a cooperação bi­la­te­ral e mul­ti­la­te­ral en­tre as na­ções, pa­ra per­mi­tir a se­gu­ran­ça, as­sim co­mo a re­du­ção e eli­mi­na­ção de fac­to­res de ris­co e ins­ta­bi­li­da­de nas dis­tin­tas re­giões.

Segundo o che­fe do Es­ta­do-Mai­or-Ge­ne­ral, as ame­a­ças re­sul­tan­tes do ter­ro­ris­mo in­ter­na­ci­o­nal não têm fron­tei­ras e nem obe­de­cem à ló­gi­ca im­pos­ta pe­las nor­mas do Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal, aler­tou. Egí­dio de Sou­sa San­tos in­for­mou que o Es­ta­do-Mai­or-Ge­ne­ral das FAA vai pro­mo­ver, em to­do o país, uma cam­pa­nha de res­ga­te dos va­lo­res mo­rais e cí­vi­cos, no qua­dro do seu pro­gra­ma de mo­ra­li­za­ção da so­ci­e­da­de.

O co­man­dan­te da Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na (MGA), al­mi­ran­te Fran­cis­co Jo­sé, afir­mou que a ins­ti­tui­ção vai con­ti­nu­ar a apos­tar na for­ma­ção dos efec­ti­vos. Apon­tou co­mo de­sa­fi­os a for­ma­ção de qua­dros e o re­e­qui­pa­men­to do ra­mo, pa­ra que os jo­vens for­ma­dos nas di­ver­sas es­pe­ci­a­li­da­des pos­sam cum­prir as ta­re­fas que lhes fo­rem in­cum­bi­das.

Pa­ra o co­man­dan­te da MGA, há ne­ces­si­da­de de uma for­ça na­val mo­der­na e equi­li­bra­da, com mei­os na­vais e fu­zi­lei­ros com­pro­me­ti­dos com a in­ser­ção po­lí­ti­ca e es­tra­té­gi­ca no ce­ná­rio in­ter­na­ci­o­nal e em sin­to­nia com os an­sei­os do Es­ta­do.

Cos­ta do Zai­re

O co­man­dan­te da Re­gião Na­val Nor­te da Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na (MGA), vi­ce-al­mi­ran­te Noé Ro­dri­gues João Ma­ga­lhães, ga­ran­tiu a vi­gi­lân­cia per­ma­nen­te e fir­me do rio Zai­re e das 200 mi­lhas da cos­ta ma­rí­ti­ma an­go­la­na na re­gião, pa­ra pre­ve­nir a sua uti­li­za­ção pa­ra fins ile­gais.

O vi­ce-al­mi­ran­te Noé Ro­dri­gues João Ma­ga­lhães, que dis­cur­sa­va na ce­ri­mó­nia em alu­são ao 42º ani­ver­sá­rio da cri­a­ção da MGA, que de­cor­reu na Ba­se Cos­tei­ra do Soyo, o rio Zai­re cons­ti­tui uma via de co­mu­ni­ca­ção im­por­tan­te e bas­tan­te com­ple­xo, por ser uma ro­ta de na­ve­ga­ção in­ter­na­ci­o­nal e por pos­suir va­ri­a­dos ca­nais que po­dem ser uti­li­za­dos pa­ra o trá­fi­co de dro­gas, de se­res hu­ma­nos, pi­ra­ta­ria, imi­gra­ção ile­gal e rou­bo de ri­que­zas ma­ri­nhas.

“O mu­ni­cí­pio do Soyo é uma re­gião im­por­tan­te pe­la pro­du­ção de pe­tró­leo no “off sho­re” e “on sho­re” e pe­la im­plan­ta­ção do pro­jec­to LNG, que es­tá a per­mi­tir a pro­du­ção de gás na­tu­ral li­que­fei­to. Es­tas e ou­tras ca­rac­te­rís­ti­cas ge­o­grá­fi­cas e tam­bém o seu po­ten­ci­al eco­nó­mi­co fa­zem do Soyo uma zo­na de gran­de im­por­tân­cia, cu­ja se­gu­ran­ça de­ve ser ga­ran­ti­da pe­la Ma­ri­nha de Guer­ra”, afir­mou.

O vi­ce-al­mi­ran­te Noé Ro­dri­gues Ma­ga­lhães dis­se que de­ve ha­ver um in­ves­ti­men­to for­te na Ma­ri­nha pa­ra se afir­mar co­mo uma ver­da­dei­ra po­tên­cia na re­gião. “O nos­so país, pa­ra se afir­mar co­mo uma po­tên­cia na re­gião, de­ve­rá in­ves­tir na sua Ma­ri­nha de Guer­ra, cu­jo pro­ces­so de­ve iniciar na for­ma­ção dos qua­dros do ra­mo, a to­dos os ní­veis, na aqui­si­ção de na­vi­os e ar­ma­men­to cos­tei­ro e de ade­qua­das in­fra-es­tru­tu­ras de apoio”.

Pron­ti­dão em Ca­bin­da

Em Ca­bin­da, o go­ver­na­dor Eu­gé­nio La­bo­ri­nho exor­tou aos efec­ti­vos do Co­man­do da Ma­ri­nha de Guer­ra na pro­vín­cia a con­ti­nu­a­rem em­pe­nha­dos em man­ter a pron­ti­dão e pros­se­gui­rem com ze­lo e de­di­ca­ção a ta­re­fa da de­fe­sa dos in­te­res­ses na­ci­o­nais.

Eu­gé­nio La­bo­ri­nho, que fa­la­va no ac­to que mar­cou o 42º ani­ver­sá­rio da cri­a­ção da Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na , re­fe­riu que a exis­tên­cia de pe­tró­leo no mar, a fau­na ma­rí­ti­ma, a po­lui­ção em al­gu­mas pro­vín­ci­as e a na­ve­ga­bi­li­da­de do rio Zai­re são al­gu­mas das ra­zões que exi­gem de to­dos uma per­ma­nen­te vi­gi­lân­cia nas águas ter­ri­to­ri­ais e flu­vi­ais.

ADOL­FO DUMBO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO | SOYO

Ma­ri­nha de Guer­ra An­go­la­na as­si­na­la 42 anos da sua cri­a­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.