Lí­bia re­jei­ta “es­tra­té­gia” pa­ra tra­var a mi­gra­ção

Jornal de Angola - - ÁFRICA - Vic­tor Car­va­lho

De­se­jo­sa de ver os imi­gran­tes afri­ca­nos lon­ge das su­as fron­tei­ras, a Eu­ro­pa es­bo­çou uma es­tra­té­gia que vi­sa o fi­nan­ci­a­men­to de “cen­tros de aco­lhi­men­to” em paí­ses do Nor­te de Áfri­ca pa­ra evi­tar que eles en­trem em bar­cos e se fa­çam ao mar. A Lí­bia, son­da­da pa­ra aco­lher al­guns des­ses “cen­tros”, já dis­se que não acei­ta­va fa­zer par­te des­te pla­no

A Lí­bia foi o pri­mei­ro país afri­ca­no a re­a­gir e re­jei­tar a cri­a­ção no seu ter­ri­tó­rio de “cen­tros de aco­lhi­men­to” fi­nan­ci­a­dos pe­la União Eu­ro­peia pa­ra im­pe­dir o con­tí­nuo flu­xo mi­gra­tó­rio atra­vés do Mar Me­di­ter­râ­neo.

Es­te país, na se­ma­na pas­sa­da, ha­via tam­bém re­jei­ta­do uma ofer­ta de oi­to em­bar­ca­ções fei­ta pe­lo Go­ver­no ita­li­a­no pa­ra se­rem usa­das no pa­tru­lha­men­to das su­as águas ter­ri­to­ri­ais e tam­bém pre­pa­ra­das pa­ra re­co­lher do mar imi­gran­tes que se en­con­trem em pe­ri­go, subs­ti­tuin­do­se as­sim ao que ac­tu­al­men­te é fei­to por al­gu­mas or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais.

Pa­ra a Itá­lia, es­ta se­ria uma for­ma de re­sol­ver o pro­ble­ma que re­sul­ta da op­ção que es­sas or­ga­ni­za­ções in­ter­na­ci­o­nais fa­zem de le­var pa­ra os seus por­tos os mi­lha­res de imi­gran­tes que se ati­ram ao mar mal avis­tam es­sas em­bar­ca­ções.

A po­si­ção da Lí­bia em re­la­ção às pro­pos­tas eu­ro­pei­as tem si­do de re­jei­ção, ha­ven­do mui­tos lí­bi­os que acu­sam as for­ças da OTAN, so­bre­tu­do o con­tin­gen­te eu­ro­peu, de se­rem as res­pon­sá­veis pe­lo que ho­je se pas­sa no país, em re­la­ção ao pa­pel que in­vo­lun­ta­ri­a­men­te de­sem­pe­nha no ac­tu­al flu­xo mi­gra­tó­rio.

Re­cor­dar o pas­sa­do

Na ba­se das acusações es­tá a re­cor­da­ção dos ata­ques aé­re­os fei­tos em 2011 com o pro­pó­si­to de de­por o en­tão Pre­si­den­te, Mu­am­mar Kadha­fi, mas que des­truí­ram o “mu­ro” que im­pe­dia a en­tra­da de gru­pos ter­ro­ris­tas no país e a saí­da de mi­gran­tes pa­ra a Eu­ro­pa.

Kadha­fi sem­pre ex­plo­rou da me­lhor for­ma os re­cei­os que, na al­tu­ra, a Eu­ro­pa já ti­nha em re­la­ção aos imi­gran­tes afri­ca­nos, con­se­guin­do um pro­ta­go­nis­mo po­lí­ti­co jun­to, por exem­plo, da Itá­lia e Fran­ça, que ho­je re­co­nhe­cem ter per­di­do um “pre­ci­o­so ali­a­do”, fun­da­men­tal na lu­ta con­tra o fe­nó­me­no mi­gra­tó­rio.

Tal­vez pa­ra ten­tar re­me­di­ar es­sa per­da ao fim de se­te anos, a Eu­ro­pa, so­bre­tu­do a Itá­lia, ten­ta re­cu­pe­rar a Lí­bia pa­ra que de­sem­pe­nhe o pa­pel do tal “mu­ro” que pos­sa tra­var o flu­xo mi­gra­tó­rio, ofe­re­cen­do di­nhei­ro pa­ra a cons­tru­ção de “cen­tros de aco­lhi­men­to” a par­tir dos quais os de­ti­dos pos­sam ser re­pa­tri­a­dos pa­ra os seus paí­ses de ori­gem.

Mas a Lí­bia, pe­lo me­nos pa­ra já, não pa­re­ce es­tar dis­pos­ta a acei­tar es­te pa­pel e exi­ge mais con­tra­par­ti­das, po­lí­ti­cas e fi­nan­cei­ras pa­ra que pos­sa de al­gu­ma for­ma “co­la­bo­rar” com os paí­ses eu­ro­peus na cri­a­ção de uma no­va vi­são e pers­pec­ti­va so­bre o mo­do de en­ca­rar o fe­nó­me­no das mi­gra­ções afri­ca­nas.

Di­fe­ren­te­men­te do que su­ce­deu com a Tur­quia, que acei­tou um subs­tan­ci­al pa­co­te fi­nan­cei­ro pa­ra tra­var a pas­sa­gem de mi­gran­tes sí­ri­os pa­ra a Eu­ro­pa, a Lí­bia atra­vés do seu vi­ce pri­mei­ro-mi­nis­tro, Ah­med Mai­te­eq, dis­se na se­ma­na pas­sa­da em Tri­po­li que não exis­te qual­quer pos­si­bi­li­da­de de acei­tar a pro­pos­ta fei­ta pe­lo mi­nis­tro ita­li­a­no do In­te­ri­or, Mat­teo Sal­vi­ni.

Na re­cen­te ci­mei­ra da União Afri­ca­na, que de­cor­reu na Mau­ri­tâ­nia, o mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros de Mar­ro­cos, Nas­ser Bou­ri­ta, anun­ci­ou que o seu país tam­bém re­cu­sa­va a pro­pos­ta eu­ro­peia pa­ra a ins­ta­la­ção no seu ter­ri­tó­rio de “cen­tros de aco­lhi­men­to” pa­ra mi­gran­tes.

O Ní­ger pa­re­ce ser, pe­lo me­nos até ago­ra, o úni­co país afri­ca­no a mos­trar al­gu­ma aber­tu­ra pa­ra ins­ta­lar “cen­tros de aco­lhi­men­to” pa­ra mi­gran­tes, tu­do de­pen­den­do do mon­tan­te os das con­di­ções do fi­nan­ci­a­men­to dis­po­ni­bi­li­za­do pe­la Eu­ro­pa.

Pa­ra a Eu­ro­pa, o pro­ble­ma é que o Ní­ger é um dos paí­ses mais po­bres do con­ti­nen­te afri­ca­no, ha­ven­do o re­ceio de qual­quer fi­nan­ci­a­men­to que lhe pos­sa ser fei­to ve­nha, co­mo já su­ce­deu nu­me­ro­sas ve­zes, a ser des­vi­a­do do ob­jec­ti­vo pre­vis­to.

A po­si­ção da Lí­bia tem si­do de re­jei­ção, ha­ven­do mui­tos lí­bi­os que acu­sam as for­ças da OTAN de se­rem res­pon­sá­veis pe­lo que ho­je se pas­sa

DR

Pro­pos­ta eu­ro­peia de cri­a­ção de cen­tros de aco­lhi­men­to no Nor­te de Áfri­ca sem apoio

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.