“Mi­lon­go” usa­do pa­ra de­tec­tar as frau­des

Jornal de Angola - - SOCIEDADE - César Es­te­ves

A cor­rec­ção de pro­vas de ingresso de pro­fes­so­res no sis­te­ma de Edu­ca­ção, em Lu­an­da, es­tá a ser fei­ta por in­ter­mé­dio de um sis­te­ma in­for­má­ti­co de­no­mi­na­do “Mi­lon­go”, ca­paz de anu­lar au­to­ma­ti­ca­men­te al­gu­ma frau­de even­tu­al­men­te re­gis­ta­da du­ran­te o pro­ces­so de ava­li­a­ção.

O di­rec­tor do Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al de Edu­ca­ção, Nar­ci­so Be­ne­di­to, dis­se ao Jor­nal de An­go­la que se op­tou por es­se sis­te­ma in­for­má­ti­co pa­ra não ha­ver ví­ci­os no pro­ces­so de ad­mis­são de no­vos pro­fes­so­res.

“Mi­lon­go”, que em lín­gua na­ci­o­nal kim­bun­do sig­ni­fi­ca re­mé­dio, é um dis­po­si­ti­vo in­for­má­ti­co que im­pe­de que se­jam os pro­fes­so­res a as­su­mir a res­pon­sa­bi­li­da­de de cor­rec­ção das pro­vas e a de­ter­mi­nar quem de­ve ou não ser se­lec­ci­o­na­do.

A úni­ca in­ter­ven­ção que os pro­fes­so­res têm no pro­ces­so, segundo es­cla­re­ceu Nar­ci­so Be­ne­di­to, é a de fa­zer ape­nas a ava­li­a­ção qua­li­ta­ti­va do de­sem­pe­nho dos can­di­da­tos, com ba­se nos qua­li­fi­ca­do­res mau, su­fi­ci­en­te, bom, mui­to bom e ex­ce­len­te.

Após es­sa ava­li­a­ção qua­li­ta­ti­va, con­ti­nu­ou o res­pon­sá­vel, as pro­vas são en­vi­a­das pa­ra a área on­de fun­ci­o­na o ges­tor do sis­te­ma in­for­má­ti­co “Mi­lon­go”, que faz a in­ser­ção dos da­dos das pro­vas no sis­te­ma. Segundo Nar­ci­so Be­ne­di­to, o pró­prio sis­te­ma é quem faz a co­ta­ção das pro­vas, a atri­bui­ção de notas, bem co­mo a se­lec­ção dos me­lho­res can­di­da­tos.

O di­rec­tor do Ga­bi­ne­te Pro­vin­ci­al de Lu­an­da da Edu­ca­ção avan­çou que os pro­fes­so­res fa­zem a aná­li­se qua­li­ta­ti­va sem sa­ber a quem per­ten­ce a pro­va, por­que a mes­ma fi­ca sem a par­te on­de são in­se­ri­dos os da­dos dos can­di­da­tos.

Na even­tu­a­li­da­de de ha­ver uma dú­vi­da em re­la­ção ao do­no de uma de­ter­mi­na­da pro­va, Nar­ci­so Be­ne­di­to dis­se que a fo­lha traz um có­di­go “al­fa nu­mé­ri­co”, cu­jos ca­rac­te­res per­mi­tem iden­ti­fi­car o can­di­da­to na ba­se de da­dos, on­de cons­tam os no­mes de to­dos os can­di­da­tos, o nú­me­ro de or­dem, fi­cha de ins­cri­ção, ida­de, gé­ne­ro e área de for­ma­ção, além de ou­tros da­dos.

A cor­rec­ção das pro­vas co­me­çou on­tem e po­dem ter­mi­nar na pró­xi­ma se­ma­na, dis­se o res­pon­sá­vel, pa­ra quem os re­sul­ta­dos se­rão di­vul­ga­dos em lis­tas com os no­mes dos can­di­da­tos apu­ra­dos e eli­mi­na­dos.

Mais de 20 mil can­di­da­tos fi­ze­ram o exa­me de ap­ti­dão, mas ape­nas dois mil se­rão ad­mi­ti­dos, por ser es­se o nú­me­ro de va­gas re­ser­va­das a Lu­an­da.

CE­DI­DA

Téc­ni­cos es­ti­ve­ram on­tem a en­sai­ar a tec­no­lo­gia “Mi­lon­go”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.