Pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar vai ser acom­pa­nha­do

Até 2050, An­go­la po­de ter 67 mi­lhões de ha­bi­tan­tes. A mai­or ta­xa de na­ta­li­da­de no país é nas zo­nas ru­rais

Jornal de Angola - - SOCIEDADE -

uma ques­tão de di­rei­tos hu­ma­nos, é tam­bém fun­da­men­tal pa­ra o em­po­de­ra­men­to das mu­lhe­res, pa­ra se re­du­zir a po­bre­za e al­can­çar o de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

Pa­ra a di­plo­ma­ta das Na­ções Uni­das, há ne­ces­si­da­de de sal­va­guar­dar o di­rei­to fun­da­men­tal de ca­da ca­sal de de­ci­dir li­vre­men­te so­bre o es­pa­ça­men­to e o nú­me­ro de fi­lhos que pre­ten­de ter.

Flor­be­la Fer­nan­des dis­se que o Fnuap apoia o pla­ne­a­men­to nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, as­se­gu­ran­do uma ga­ma com­ple­ta de con­tra­cep­ti­vos mo­der­nos, for­ta­le­cen­do os sis­te­mas na­ci­o­nais de saú­de e pro­mo­ven­do a igual­da­de do gé­ne­ro. cui­da­dos de saú­de se­xu­al e re­pro­du­ti­va e di­rei­tos re­pro­du­ti­vos, in­cluin­do ser­vi­ços e in­for­ma­ção de pla­ne­a­men­to fa­mi­li­ar.

7.2 mil mi­lhões de pes­so­as

A po­pu­la­ção mundial atin­giu nes­te mo­men­to um to­tal de 7,2 mil mi­lhões e es­ti­ma-se que a sua evo­lu­ção ve­nha a re­gis­tar um au­men­to anu­al de 75 mi­lhões de pes­so­as e até 2050 de­ve­rá che­gar a 9,6 mil mi­lhões de ha­bi­tan­tes, re­ve­la um re­la­tó­rio apre­sen­ta­do on­tem, em Lu­an­da.

O di­rec­tor do Cen­tro de Es­tu­dos e In­ves­ti­ga­ção em Po­pu­la­ção da Uni­ver­si­da­de Agos­ti­nho Ne­to, que apre­sen­tou o re­la­tó­rio, dis­se que o cres­ci­men­to po­pu­la­ci­o­nal vai ser mai­or em paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, bem co­mo no con­ti­nen­te afri­ca­no.

Ndon­ga Mfuwa avan­çou que a po­pu­la­ção que vi­ve em áre­as ur­ba­nas vai atin­gir os 2,5 mil mi­lhões em to­do o mun­do e, em 2050, 68 por cen­to do cres­ci­men­to vai es­tar con­cen­tra­do na Ásia e em Áfri­ca. Quan­to à evo­lu­ção da po­pu­la­ção mundial, ac­tu­al­men­te, os da­dos re­ve­lam que au­men­ta­ram de­vi­do aos ní­veis de fe­cun­di­da­de em al­guns paí­ses. Por exem­plo, su­bli­nhou, nos paí­ses de al­ta fer­ti­li­da­de da Áfri­ca Sub­sa­a­ri­a­na, o nú­me­ro mé­dio es­ti­ma­do de fi­lhos por mu­lhe­res foi ajus­ta­do pa­ra mais de cin­co por cen­to.

Segundo o aca­dé­mi­co, o re­la­tó­rio lem­bra que em al­guns paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to, es­pe­ci­al­men­te em Áfri­ca, a po­pu­la­ção es­tá a cres­cer ra­pi­da­men­te. O pro­fes­sor Lu­kom­bo Nza­tu­zo­la, que apre­sen­tou o te­ma “Po­pu­la­ção e mer­ca­do de tra­ba­lho em An­go­la”, afir­mou que a em­pre­ga­bi­li­da­de no país é pés­si­ma, ale­gan­do que se hou­ves­se mais pos­tos de tra­ba­lho em ou­tras áre­as a si­tu­a­ção não se­ria pre­o­cu­pan­te.

“Pre­ci­sa­mos de cum­prir to­dos os tra­ta­dos so­bre os di­rei­tos hu­ma­nos, pa­ra que até 2050 pos­sa­mos atin­gir uma po­pu­la­ção es­ti­ma­da em 67 mi­lhões de ha­bi­tan­tes”, dis­se Jo­sé Cu­nha

AGOS­TI­NHO NAR­CI­SO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Pla­ne­a­men­to é uma fer­ra­men­ta fun­da­men­tal pa­ra a po­pu­la­ção po­der ter aces­so à edu­ca­ção

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.