Adep­tos rus­sos ren­dem ho­me­na­gem à se­lec­ção

“Fan Zo­ne” per­to da Uni­ver­si­da­de Es­ta­tal de Mos­co­vo foi pe­que­no pa­ra aco­lher os mi­lha­res de ma­ni­fes­tan­tes

Jornal de Angola - - MUNDIAL - Pau­lo Ca­cu­lo | em Mos­co­vo

O afas­ta­men­to pre­ma­tu­ro da Rús­sia do Mundial que organiza po­de ter frus­tra­do a ex­pec­ta­ti­va e o so­nho de vá­ri­os mi­lha­res de adep­tos rus­sos, mas não aca­bou com o amor e o ca­ri­nho que os ci­da­dãos re­ve­lam nu­trir pe­la sua Se­lec­ção. Is­so mes­mo fi­cou pro­va­do na ma­nhã de on­tem, du­ran­te um ac­to de ma­ni­fes­ta­ção de agra­de­ci­men­to à equi­pa e ao cor­po téc­ni­co, re­a­li­za­do pe­la fe­de­ra­ção rus­sa no “Fan Zo­ne” mon­ta­do em Vo­ro­bi­ovy Gory, pró­xi­mo à Uni­ver­si­da­de Es­ta­tal de Mos­co­vo.

Uma mul­ti­dão de adep­tos ves­ti­da de ver­me­lho, azul e bran­co, as co­res da bandeira do país, in­va­diu a re­fe­ri­da “Fan Zo­ne” pa­ra sau­dar os jo­ga­do­res e trei­na­do­res. A da­da al­tu­ra, pa­re­ceu que se es­ta­va num ac­to de fes­te­jos do tí­tu­lo do cam­pe­o­na­to do mun­do.

Nu­ma pro­va cla­ra de que os mi­lha­res de adep­tos já apa­ga­ram da me­mó­ria a eli­mi­na­ção da se­lec­ção do Mundial, os dis­cur­sos que mais se ou­vi­ram na gran­de “reu­nião” en­tre jo­ga­do­res e adep­tos, foi o de união e pa­tri­o­tis­mo em tor­no da equi­pa na­ci­o­nal.

Lá­gri­mas de or­gu­lho e si­nais de “ar­re­pen­di­men­to” fo­ram as emo­ções que do­mi­na­ram o am­bi­en­te no “Fan Zo­ne” em Mos­co­vo, uma se­ma­na de­pois do dra­má­ti­co afas­ta­men­to da se­lec­ção da com­pe­ti­ção, de que é o gran­de an­fi­triã, per­deu di­an­te da Croá­cia, ain­da na fa­se dos quar­tos de fi­nal da com­pe­ti­ção.

O fac­to é que nem por is­so o ines­pe­ra­do re­vés vi­vi­do pe­los rus­sos aze­dou a re­la­ção en­tre adep­tos e jo­ga­do­res da se­lec­ção. Pre­do­mi­na, de fac­to, a ideia de que a Rús­sia re­a­li­zou uma cam­pa­nha his­tó­ri­ca, pois não che­ga­va tão lon­ge num Mundial, des­de 1966, quan­do ain­da in­te­gra­va a União So­vié­ti­ca.

Quan­do mem­bros da fe­de­ra­ção, jo­ga­do­res e equi­pa téc­ni­ca su­bi­ram ao pal­co do “Fan Zo­ne” ou­viu-se uma ex­plo­são de ale­gria e ins­ta­lou-se um cli­ma fes­ti­vo, com os adep­tos a en­to­a­rem cân­ti­cos e a pro­por­ci­o­na­rem um ba­nho de ca­ri­nho aos in­te­gran­tes da se­lec­ção.

Olhan­do pa­ra aque­le am­bi­en­te, fi­cou-se com a cla­ra im­pres­são de que ra­pi­da­men­te o pú­bli­co rus­so se es­que­ceu que es­ta­va afas­ta­do do Mundial. Jo­ga­do­res, téc­ni­cos, res­pon­sá­veis da fe­de­ra­ção e mes­mo adep­tos fi­ze­ram o uso do mi­cro­fo­ne e tro­ca­ram elo­gi­os.

“Es­ta­mos or­gu­lho­sos da nos­sa equi­pa. Eles jo­ga­ram fu­te­bol ex­ce­len­te. Fi­ze­ram um óp­ti­mo tra­ba­lho!”, adi­an­tou-se a afir­mar o mi­nis­tro rus­so dos Des­por­tos, Pa­vel Ko­lob­kov.

“To­da a nos­sa vi­da qui­se­mos que as pes­so­as se or­gu­lhas­sem de nós. Que­ría­mos pro­var que o fu­te­bol da Rús­sia con­ti­nua vi­vo e con­se­gui­mos”, afir­mou, por seu tur­no, o avan­ça­do Artyom Dzyu­ba, an­tes de emo­ci­o­nar-se e co­me­çar a cho­rar. “Os nos­sos co­ra­ções es­tão que­bra­dos”, acres­cen­tou.

Já o se­lec­ci­o­na­dor rus­so, Cher­che­sov, não po­de tam­bém con­ter as lá­gri­mas, ten­do agra­de­ci­do o vo­to de con­fi­an­ça da fe­de­ra­ção, pe­lo fac­to de po­der con­ti­nu­ar a tra­ba­lhar no pro­jec­to da se­lec­ção.

“Nós acre­di­ta­mos em nós mes­mos. Só con­se­gui­mos pro­var o nos­so va­lor, tra­ba­lhan­do du­ro. Não só con­se­gui­mos con­ven­cer as pes­so­as a acre­di­tar em nós, mas o país até apai­xo­nou-se pe­la equi­pa”, dis­se.

“So­mos co­mo sol­da­dos que fo­ram cha­ma­dos pa­ra o exér­ci­to. Se­re­mos ain­da me­lho­res da­qui a qua­tro anos no Qa­tar. Mas vai ser di­fí­cil sem vo­cês”, as­se­gu­rou o trei­na­dor rus­so. Re­cor­de­se, no en­tan­to, que o Mundial vi­ve o seu epí­lo­go no fim-de-se­ma­na, com a dis­pu­ta dos jo­gos pa­ra a de­fi­ni­ção do ter­cei­ro e quar­to lu­ga­res, sá­ba­do, e a fi­nal, agen­da­da pa­ra do­min­go, às 16h00, no es­tá­dio do Spar­tak, em Mos­co­vo.

Pre­do­mi­na a ideia de que a Rús­sia re­a­li­zou uma cam­pa­nha his­tó­ri­ca, pois não che­ga­va tão lon­ge num Mundial, des­de 1966, quan­do ain­da in­te­gra­va a União So­vié­ti­ca

DR

Ha­bi­tan­tes da ca­pi­tal rus­sa mos­tram gra­ti­dão aos jo­ga­do­res e equi­pa téc­ni­ca na­ci­o­nal

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.