Mé­di­cos an­go­la­nos es­tu­dam for­mas de tra­var mor­tes

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ká­tia Ra­mos

Um gru­po de mé­di­cos an­go­la­nos es­tá a tra­ba­lhar num es­tu­do que vi­sa re­du­zir, no fu­tu­ro, o número de mor­tes por falciformação, re­ve­lou, na sex­ta-fei­ra, em Lu­an­da, o mé­di­co Luís Ber­nar­di­no, an­ti­go director do Hos­pi­tal Pe­diá­tri­co Da­vid Ber­nar­di­no.

O mé­di­co, que fez a apre­sen­ta­ção de um li­vro so­bre falciformação, de au­to­ria de Kim Frei­tas, jor­na­lis­ta da Rá­dio Lu­an­da, ad­mi­tiu que, em An­go­la, nas­çam, anu­al­men­te, en­tre 12 mil e 15 mil cri­an­ças com ane­mia fal­ci­for­me.

Luís Ber­nar­di­no dis­se acre­di­tar que, na sequên­cia do es­tu­do, An­go­la po­de vir a re­du­zir sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o ín­di­ce de mor­ta­li­da­de por falciformação den­tro de 15 anos. O me­di­co An­tó­nio Jo­sé Mi­ran­da é o lí­der da equi­pa de in­ves­ti­ga­do­res que de­sen­vol­ve o es­tu­do no Hos­pi­tal Mi­li­tar Cen­tral, on­de ob­ser­vam mi­li­ta­res de vá­ri­as pro­vín­ci­as ali in­ter­na­dos.

Até ago­ra já fo­ram ob­ser­va­dos mais de mil mi­li­ta­res, 20 por cen­to dos quais es­tão com ane­mia fal­ci­for­me, por te­rem her­da­do ge­nes pa­ra um ti­po de he­mo­glo­bi­na (he­mo­glo­bi­na S). O me­di­co Luís Ber­nar­di­no dis­se acre­di­tar que, se os 20 por cen­to cons­ti­tuí­rem fa­mí­lia com pes­so­as com falciformação, a ten­dên­cia é au­men­tar os ca­sos e não re­du­zir. Luís Ber­nar­di­no, em­bo­ra es­te­ja re­for­ma­do, con­ti­nua a fa­zer pes­qui­sa so­bre a ane­mia fal­ci­for­me. O mé­di­co lem­brou que a ane­mia fal­ci­for­me é uma do­en­ça he­re­di­tá­ria e he­ma­to­ló­gi­ca, que é re­sul­tan­te da pro­du­ção anor­mal de gló­bu­los ver­me­lhos. Pa­ra o mé­di­co, a for­ma de pre­ve­nir a do­en­ça é pas­sar a men­sa­gem de que se de­ve evi­tar a união de pes­so­as por­ta­do­ras do ge­nes SS.

O mé­di­co ex­pli­cou que o por­ta­dor do ge­nes AS tem uma vi­da nor­mal por­que acar­re­ta so­men­te um ge­nes S, en­quan­to o do­en­te tem os dois ge­nes SS. De acor­do com o mé­di­co, 50 por cen­to dos do­en­tes nos paí­ses em de­sen­vol­vi­men­to não che­ga aos 10 anos e so­fre com for­tes do­res nos os­sos. Nas so­ci­e­da­des mais or­ga­ni­za­das, os do­en­tes po­dem che­gar à vi­da adul­ta.

“Há mui­tos anos que acom­pa­nho pes­so­as que so­frem com es­ta do­en­ça”, acen­tu­ou o mé­di­co Luís Ber­nar­di­no, que tem acon­se­lha­do ca­sais com ge­nes da do­en­ça a te­rem fi­lhos, des­de que a mu­lher fa­ça o cor­te do lí­qui­do am­nió­ti­co, um pro­ce­di­men­to que é fei­to ape­nas no es­tran­gei­ro.

O mé­di­co Luís Ber­nar­di­no dis­se acre­di­tar que An­go­la po­de re­du­zir den­tro de 15 anos sig­ni­fi­ca­ti­va­men­te o ín­di­ce de mor­ta­li­da­de por falciformação

O mé­di­co re­ve­lou que 95 por cen­to dos ca­sos da do­en­ça são di­ag­nos­ti­ca­dos na pro­vín­cia de Lu­an­da e as­se­gu­rou que o Mi­nis­té­rio da Saúde es­tá a apos­tar na qua­li­da­de dos ser­vi­ços pres­ta­dos pe­los hospitais pú­bli­cos, a fim de au­men­tar a qua­li­da­de de vi­da dos do­en­tes com ane­mia de cé­lu­las fal­ci­for­mes.

O li­vro so­bre falciformação es­tá à venda ao pre­ço de dois mil kwan­zas e tem 64 pá­gi­nas. A obra, de acor­do com o au­tor, vai con­tri­buir pa­ra a sen­si­bi­li­za­ção das fa­mí­li­as so­bre os cui­da­dos a ter com a do­en­ça, em par­ti­cu­lar os jo­vens que pre­ten­dam cons­ti­tuir fa­mí­li­as.

JOÃO GOMES | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Luís Ber­nar­di­no (o pri­mei­ro à es­quer­da) aten­to à dis­ser­ta­ção de uma mé­di­ca he­ma­to­lo­gis­ta

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.