Lu­sía­da quer par­ti­ci­par na pre­ser­va­ção dos cen­tros his­tó­ri­cos

A uni­ver­si­da­de pri­va­da afir­ma que a par­ce­ria vai aju­dar a re­sol­ver pro­ble­mas ar­qui­tec­tó­ni­cos que An­go­la en­fren­ta

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Edi­val­do Cris­tó­vão

O Cen­tro de Es­tu­do e In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca de Ar­qui­tec­tu­ra (CEICA) da Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de An­go­la quer es­ta­be­le­cer uma par­ce­ria com o Exe­cu­ti­vo no âm­bi­to da pre­ser­va­ção dos cen­tros his­tó­ri­cos de An­go­la.

A pre­ten­são da Uni­ver­si­da­de Lu­sía­da de An­go­la foi tor­na­da pú­bli­ca du­ran­te um fó­rum so­bre ar­qui­tec­tu­ra, re­a­li­za­do na pro­vín­cia da Huí­la pe­la Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Lu­ban­go.

A di­rec­to­ra do Cen­tro de Es­tu­do e In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca de Ar­qui­tec­tu­ra, Su­za­na Li­ma, in­for­mou que, des­de 2005, o De­par­ta­men­to de Ar­qui­tec­tu­ra da uni­ver­si­da­de pri­va­da re­a­li­za tra­ba­lhos de pros­pec­ção em zo­nas his­tó­ri­cas, co­mo a Qui­ça­ma, on­de se en­con­tra o San­tuá­rio da Ma­mã Mu­xi­ma, Mas­san­ga­no, Don­do, pro­vín­cia do Cuanza-Nor­te, Mban­za Kon­go, Zai­re, Sum­be, Cuanza-Sul, Ben­gue­la, Ca­tum­be­la, e Lu­ban­go, Huí­la.

Su­za­na Li­ma dis­se acre­di­tar que uma par­ce­ria com o Exe­cu­ti­vo vai aju­dar a re­sol­ver os pro­ble­mas ar­qui­tec­tó­ni­cos que An­go­la en­fren­ta e um de­les é a ne­ces­si­da­de de re­es­tru­tu­ra­ção e mo­der­ni­za­ção dos cen­tros his­tó­ri­cos e cul­tu­rais.

O úl­ti­mo tra­ba­lho de pros­pec­ção foi re­a­li­za­do na ci­da­de do Lu­ban­go, on­de foi apre­sen­ta­do o re­sul­ta­do de uma pes­qui­sa de es­tu­dan­tes fi­na­lis­tas do cur­so de Ar­qui­tec­tu­ra, com o te­ma “Cen­tro His­tó­ri­co do Lu­ban­go”.

O gru­po de es­tu­dan­tes fez um le­van­ta­men­to da re­a­li­da­de do mu­ni­cí­pio do Lu­ban­go e, pa­ra sua re­a­li­za­ção, con­tou com o apoio do Go­ver­no Pro­vin­ci­al da Huí­la.

“O tra­ba­lho ser­viu pa­ra a ela­bo­ra­ção de um pla­no pa­ra sal­va­guar­dar o cen­tro his­tó­ri­co do Lu­ban­go, com um no­vo pla­ne­a­men­to e res­tau­ro, ba­se­a­do nas ne­ces­si­da­des da co­mu­ni­da­de", acen­tu­ou a di­rec­to­ra do Cen­tro de Es­tu­do e In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca de Ar­qui­tec­tu­ra, que dis­se ter si­do o tra­ba­lho fei­to com "res­pon­sa­bi­li­da­de e su­por­te téc­ni­co-ci­en­tí­fi­co".

O Cen­tro de Es­tu­do e In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca de Ar­qui­tec­tu­ra foi cri­a­do no ano lec­ti­vo 2004/2005, mas só co­me­çou a de­sen­vol­ver ac­ti­vi­da­de ci­en­tí­fi­ca e pe­da­gó­gi­ca de­pois da cri­a­ção, no ano se­guin­te, de um nú­cleo de es­tu­dos pa­ra a pes­qui­sa, in­ves­ti­ga­ção e di­fu­são.

O Cen­tro de Es­tu­do e In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca de Ar­qui­tec­tu­ra es­tá vol­ta­do pa­ra a re­fle­xão e di­fu­são das Ar­tes, Ar­qui­tec­tu­ra, Ur­ba­nis­mo e De­sig­ner e o seu ob­jec­ti­vo é a va­lo­ri­za­ção e pre­ser­va­ção do pa­tri­mó­nio ar­qui­tec­tó­ni­co e ur­ba­nís­ti­co de An­go­la.

Até ho­je, o Cen­tro de Es­tu­do e In­ves­ti­ga­ção Ci­en­tí­fi­ca de Ar­qui­tec­tu­ra for­mou mais de cem ar­qui­tec­tos, en­tre na­ci­o­nais e es­tran­gei­ros. A sua abor­da­gem in­ves­ti­ga­ti­va con­cen­tra-se na "ver­ten­te afri­ca­na", por via da qual faz uma re­fle­xão crí­ti­ca so­bre a afri­ca­ni­da­de e os pro­ble­mas da ar­qui­tec­tu­ra e ur­ba­ni­za­ção em Áfri­ca, ex­pli­cou Su­za­na Li­ma,

“No do­mí­nio dos es­tu­dos e in­ves­ti­ga­ção apli­ca­da ao ensino, de­sen­vol­ve­mos tra­ba­lhos per­ma­nen­tes nos cam­pos ci­en­tí­fi­cos do Or­de­na­men­to do Ter­ri­tó­rio, Ur­ba­nis­mo e Ar­qui­tec­tu­ra, no­me­a­da­men­te, ar­qui­tec­tu­ra de ter­ra, pla­ne­a­men­to ru­ral, ha­bi­ta­ção so­ci­al, ci­da­des, cen­tros his­tó­ri­cos, pa­tri­mó­nio cul­tu­ral imó­vel e ar­qui­tec­tu­ra mo­der­na”, adi­an­tou a res­pon­sá­vel.

Ci­da­de do Lu­ban­go

No fó­rum so­bre ar­qui­tec­tu­ra fo­ram apre­sen­ta­dos os pon­tos his­tó­ri­cos do mu­ni­cí­pio do Lu­ban­go, que tem uma su­per­fí­cie de 3.140 qui­ló­me­tros qua­dra­dos e uma po­pu­la­ção es­ti­ma­da em 776.249 ha­bi­tan­tes. A cons­tru­ção da ci­da­de do Lu­ban­go ini­ci­ou-se no fi­nal de 1884 na con­fluên­cia dos ri­os Mu­cu­fi e Ma­pun­da.

A de­sig­na­ção Lu­ban­go pro­vém de Lu­van­go, no­me pe­lo qual era co­nhe­ci­do o so­ba da área, que, mais tar­de, pas­sou a ser cha­ma­do de Lu­ban­go.

A ci­da­de afir­mou-se gra­du­al­men­te co­mo prin­ci­pal con­jun­to ur­ba­no da re­gião e foi ele­va­da à ca­pi­tal de dis­tri­to em 1901, fru­to do au­men­to do co­mér­cio e dos ser­vi­ços pres­ta­dos. A che­ga­da do Ca­mi­nho-de-Fer­ro de Mo­çâ­me­des em 1923 ao Lu­ban­go coin­ci­diu com a sua ele­va­ção à ca­te­go­ria de ci­da­de a 31 de Maio do mes­mo ano.

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

Es­pe­ci­a­lis­tas que par­ti­ci­pa­ram no fó­rum so­bre ar­qui­tec­tu­ra

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.