Laú­ca li­de­ra pro­du­ção na­ci­o­nal de ener­gia eléc­tri­ca

Ac­tu­al­men­te, são pro­du­zi­dos 3.5 mi­lhões de MWh de ener­gia lim­pa e re­no­vá­vel quan­do as obras da bar­ra­gem es­ti­ve­ram con­cluí­das, a pro­du­ção de Laú­ca so­be pa­ra 8,6 me­gawatts por ano

Jornal de Angola - - REPORTAGEM - Francisco Cu­rihin­ga­na | Ma­lan­je

Ope­ra­ci­o­nal há um ano, o Em­pre­en­di­men­to Hi­dro­e­léc­tri­co de Laú­ca as­su­miu a li­de­ran­ça da pro­du­ção de ener­gia eléc­tri­ca a ní­vel na­ci­o­nal, ga­ran­tin­do uma ofer­ta de 40 por cen­to de to­da a pro­du­ção hí­dri­ca do Sis­te­ma Nor­te. O efei­to di­rec­to e ime­di­a­to des­ta acção é a es­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma eléc­tri­co na­ci­o­nal, to­ta­li­zan­do 2692 me­gawatts de pro­du­ção das três cen­trais, no­me­a­da­men­te Ca­pan­da, Laú­ca e Cam­bam­be, su­pe­ran­do as­sim a pro­cu­ra.

O ba­lan­ço das en­ti­da­des que su­pe­rin­ten­dem a obra é po­si­ti­vo e ani­ma­dor. O ter­mo das res­tri­ções no for­ne­ci­men­to de ener­gia é a pri­mei­ra con­sequên­cia. Ac­tu­al­men­te, são pro­du­zi­dos 3.5 mi­lhões de MWh de ener­gia lim­pa e re­no­vá­vel e, quan­do as obras da bar­ra­gem es­ti­ve­ram con­cluí­das, a pro­du­ção de Laú­ca vai su­bir pa­ra 8,6 me­gawatts por ano.

Com a ac­tu­al ca­pa­ci­da­de de pro­du­ção da bar­ra­gem, foi pos­sí­vel a re­du­ção do con­su­mo de com­bus­tí­veis fós­seis, na or­dem dos 55 por cen­to. Em re­la­ção à pro­du­ção tér­mi­ca (ge­ra­do­res), hou­ve uma re­du­ção na or­dem de 621 mil me­gawotts, no pe­río­do com­pre­en­di­do en­tre Ja­nei­ro de 2017 e Ju­lho de 2018.

A en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to da pri­mei­ra fa­se da bar­ra­gem pro­por­ci­o­nou mais es­ta­bi­li­da­de na pro­du­ção de ener­gia, com a re­du­ção de 94 por cen­to nos cor­tes do sis­te­ma eléc­tri­co, na re­gião Nor­te. Da­dos apu­ra­dos pe­la re­por­ta­gem do Jor­nal de

An­go­la no lo­cal in­di­cam que o en­chi­men­to da al­bu­fei­ra de Laú­ca, con­cluí­do em Abril de 2018, re­pre­sen­ta um re­cor­de ab­so­lu­to de ar­man­ze­na­men­to de ener­gia na His­tó­ria de An­go­la.

Se­gun­do o director do Apro­vei­ta­men­to Hi­dro­e­léc­tri­co de Laú­ca, en­ge­nhei­ro Moi­sés Jai­me, a al­bu­fei­ra de Ca­pan­da, com­ple­ta­men­te cheia, sem as tur­bi­nas de Laú­ca, re­pre­sen­ta 1,7 mi­lhões de me­gawatts, en­quan­to am­bas, na sua má­xi­ma ca­pa­ci­da­de e agre­ga­das às tur­bi­nas de Laú­ca, al­can­çam os 7,8 mi­lhões de me­gawatts.

Fim das res­tri­ções

Moi­sés Jai­me ex­pli­cou que, lo­go após à en­tra­da em ope­ra­ção de Laú­ca, An­go­la al­can­çou o fim das res­tri­ções por dé­fi­ce na pro­du­ção de ener­gia pa­ra o Sis­te­ma Eléc­tri­co Nor­te, aten­den­do ple­na­men­te os pon­tos de dis­tri­bui­ção de ener­gia. Laú­ca, de acor­do com o in­ter­lo­cu­tor, atin­giu um ín­di­ce de dis­po­ni­bi­li­da­de acu­mu­la­da de 99,64 por cen­to, en­tre os me­ses de Ja­nei­ro e Ju­lho de 2018, va­lor aci­ma das re­fe­rên­ci­as in­ter­na­ci­o­nais pa­ra cen­trais do mes­mo por­te, a exem­plo do Bra­sil, que acu­mu­lou um per­cen­tu­al de 96,88.

“O ín­di­ce de dis­po­ni­bi­li­da­de cor­res­pon­de ao tem­po ope­ra­ci­o­nal dos equi­pa­men­tos e sis­te­mas da cen­tral, sem in­ter­rup­ções pa­ra ajus­tes ou re­pa­ros. Es­te per­cen­tu­al re­pre­sen­ta um re­for­ço do grau de con­fi­a­bi­li­da­de e efi­ci­ên­cia do Apro­vei­ta­men­to Hi­dro­e­léc­tri­co de Laú­ca”, re­fe­riu.

A ope­ra­ção e ma­nu­ten­ção da bar­ra­gem de Laú­ca é re­a­li­za­da de for­ma con­jun­ta pe­la PRODEL- E.P e pe­la Ode­bre­cht, atra­vés da for­ma­ção es­pe­ci­a­li­za­da e com re­cur­so a ex­pe­ri­ên­ci­as de ou­tras cen­trais de gran­de por­te, a ní­vel in­ter­na­ci­o­nal.

Moi­sés Jai­me as­se­gu­rou que o pro­ces­so con­jun­to tem a du­ra­ção de três anos e já con­ta com uma equi­pa de 84 téc­ni­cos na­ci­o­nais, for­ma­dos e pre­pa­ra­dos pa­ra re­a­li­zar a ope­ra­ção e ma­nu­ten­ção de ou­tras cen­trais hi­dro­e­léc­tri­cas do nos­so país. Qu­a­ren­ta e qua­tro des­tes es­pe­ci­a­lis­tas são ope­ra­do­res de ma­nu­ten­ção, for­ma­dos em tem­po re­al, en­quan­to os ou­tros 40 tra­ba­lham nos ra­mos de elec­tri­ci­da­de, elec­tró­ni­ca, me­câ­ni­ca e en­ge­nha­ria ci­vil. Das se­te uni­da­des pre­vis­tas, três já fo­ram ins­ta­la­das, ca­da uma com 374 me­gawatts.

Es­ta­bi­li­da­de ga­ran­ti­da

O re­pre­sen­tan­te do Ga­mek, en­ge­nhei­ro Eli­as Da­ni­el Es­tê­vão, con­si­de­rou o sis­te­ma eléc­tri­co Nor­te mais es­tá­vel, com a en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to da bar­ra­gem de Laú­ca, cu­ja re­ser­va, con­si­de­rá­vel, po­de ser dis­tri­buí­da pe­las de­mais cen­trais, co­mo Ca­pan­da e Kam­bam­be, evi­tan­do cons­tran­gi­men­tos no sis­te­ma.

“Con­se­gui­mos atin­gir o ní­vel de ple­no ar­ma­ze­na­men­to em Abril. As­sim, há mais re­ser­va pa­ra o tem­po de es­ti­a­gem”. Ex­pli­cou, igual­men­te, que as al­bu­fei­ras cum­prem ca­bal­men­te a sua fun­ção de ar­ma­ze­nar água, “não só pa­ra a pro­du­ção de ener­gia, mas tam­bém pa­ra re­gu­la­ri­za­ção do cau­dal, na épo­ca de es­ti­a­gem”.

De acor­do com o nos­so in­ter­lo­cu­tor, com as du­as al­bu­fei­ras fun­ci­o­nais, não ha­ve­rá res­tri­ções de pro­du­ção de ener­gia, por fal­ta de água e o Mé­dio Ku­an­za te­rá um cau­dal re­gu­lar, no tem­po de es­ti­a­gem, com cer­ca de 500 me­tros cú­bi­cos por se­gun­do.

Se­gun­do o director do Apro­vei­ta­men­to Hi­dro­e­léc­tri­co de Laú­ca, en­ge­nhei­ro Moi­sés Jai­me, a al­bu­fei­ra de Ca­pan­da, com­ple­ta­men­te cheia, sem as tur­bi­nas de Laú­ca, re­pre­sen­ta 1,7 mi­lhões de me­gawatts, en­quan­to am­bas, na má­xi­ma ca­pa­ci­da­de e agre­ga­das às tur­bi­nas de Laú­ca, al­can­çam os 7,8 mi­lhões de me­gawatts.

Até fi­nais do ano em cur­so, ga­ran­te o en­ge­nhei­ro, a ener­gia de Laú­ca po­de­rá che­gar às pro­vín­ci­as do Hu­am­bo e Bié.

“Nes­te mo­men­to, es­tá em fa­se de con­clu­são o tre­cho de trans­por­te de ener­gia de Laú­ca pa­ra Wa­co Kun­go (Cuanza Sul), en­quan­to a li­ga­ção en­tre es­ta úl­ti­ma lo­ca­li­da­de e o Hu­am­bo es­tá pra­ti­ca­men­te con­cluí­da. Já fo­ram co­lo­ca­dos os pos­tos e foi efec­tu­a­da a des­mi­na­gem”, as­se­gu­rou.

À se­me­lhan­ça do que ocor­reu nou­tros sec­to­res da vi­da na­ci­o­nal, o quo­ti­di­a­no de Laú­ca fi­cou afec­ta­do pe­la cri­se fi­nan­cei­ra. No en­tan­to, Eli­as Es­te­vão re­ve­lou que, “mes­mo as­sim, o go­ver­no tem es­ta­do a fa­zer um gran­de es­for­ço no sen­ti­do de col­ma­tar es­se pro­ble­ma. Mes­mo com a cri­se, con­se­gui­mos co­lo­car três uni­da­des a fun­ci­o­nar. Va­mos le­var mais al­gum tem­po até à con­clu­são, mas na­da im­pe­de que a bar­ra­gem se­ja con­cluí­da con­for­me o pre­vis­to”, ga­ran­tiu.

Ape­sar da re­du­ção de al­gu­mas fren­tes de tra­ba­lho, o es­pe­ci­a­lis­ta diz-se con­fi­an­te na con­clu­são das obras. Três mil ho­mens, an­go­la­nos e ex­pa­tri­a­dos, ga­ran­tem a ac­ti­vi­da­de da bar­ra­gem, ava­li­a­da aci­ma dos 4 mil mi­lhões de dó­la­res ame­ri­ca­nos.

FRANCISCO CU­RIHIN­GA­NA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

FRANCISCO CU­RIHIN­GA­NA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO | MA­LAN­JE

En­ge­nhei­ro Moi­sés Jai­me fez ba­lan­ço po­si­ti­vo da obra

EDIÇÕES NO­VEM­BRO

A en­tra­da em fun­ci­o­na­men­to da pri­mei­ra fa­se da bar­ra­gem pro­por­ci­o­nou a re­du­ção dos cor­tes de ener­gia na mai­or par­te do país

FRANCISCO CU­RIHIN­GA­NA | EDIÇÕES NO­VEM­BRO

En­ge­nhei­ro Eli­as Es­tê­vão

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.