Pre­si­den­te quer so­lu­ção dos pro­ble­mas do ci­da­dão

Go­ver­na­do­res pre­ten­dem, de­pois do di­ag­nós­ti­co da re­a­li­da­de de ca­da pro­vín­cia, de­vem so­lu­ci­o­nar pro­ble­mas so­ci­ais

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - João Di­as

O Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca pe­diu aos no­vos go­ver­na­do­res do Hu­am­bo, Huí­la, Cu­ne­ne, Lun­da-Sul, Bié e Zai­re prag­ma­tis­mo pa­ra re­sol­ver os mui­tos pro­ble­mas que o país en­fren­ta e que afec­tam a vi­da do ci­da­dão co­mum. João Lourenço, que tem in­ci­di­do no cum­pri­men­to do slo­gan “cor­ri­gir o que es­tá mal e me­lho­rar o que es­tá bem”, dis­se con­tar com a “in­te­li­gên­cia, tra­ba­lho e de­di­ca­ção” dos seis go­ver­na­do­res. Os em­pos­sa­dos com­pro­me­te­ram-se a com­ba­ter a cor­rup­ção e o ne­po­tis­mo, além de se abs­te­rem de prá­ti­cas e ac­tos que le­sem os in­te­res­ses do Es­ta­do, sob pe­na de se­rem res­pon­sa­bi­li­za­dos ci­vil e cri­mi­nal­men­te.

O Pre­si­den­te João Lourenço pe­diu on­tem prag­ma­tis­mo dos no­vos go­ver­na­do­res na abor­da­gem dos vá­ri­os pro­ble­mas das pro­vín­ci­as e dis­se es­pe­rar que os go­ver­na­do­res aju­dem o Exe­cu­ti­vo a re­sol­ver os mui­tos pro­ble­mas que o país en­fren­ta e que afec­tam a vi­da do ci­da­dão co­mum.

Num bre­ve dis­cur­so, João Lourenço te­ceu al­gu­mas con­si­de­ra­ções so­bre o que se es­pe­ra dos go­ver­nan­tes em ge­ral e lem­brou que não fo­ge do que tem vin­do a di­zer em di­fe­ren­tes oca­siões no es­pa­ço pú­bli­co.

O Che­fe de Es­ta­do dis­se es­pe­rar que “com a sua in­te­li­gên­cia, tra­ba­lho e de­di­ca­ção (os no­vos go­ver­na­do­res) pos­sam aju­dar o Exe­cu­ti­vo a re­sol­ver os inú­me­ros pro­ble­mas que o país tem e que afec­tam a vi­da do ci­da­dão co­mum”. “É com es­ta con­vic­ção que aca­ba­mos de vos con­fe­rir pos­se, com a cer­te­za de que, só jun­tos, se­re­mos ca­pa­zes de le­var a bom por­to es­te na­vio enor­me que se cha­ma An­go­la”, re­al­çou, na ce­ri­mó­nia de to­ma­da de pos­se dos no­vos go­ver­na­do­res do Zai­re, Bié, Lun­da-Sul, Hu­am­bo, Huí­la e Cu­ne­ne.

Fo­co nos pro­ble­mas so­ci­ais

Ca­da um dos go­ver­na­do­res que to­mou pos­se, no Pa­lá­cio Pre­si­den­ci­al da Ci­da­de Al­ta, dis­se ter o fo­co na bus­ca de so­lu­ções pa­ra ul­tra­pas­sar os pro­ble­mas so­ci­ais.

O no­vo go­ver­na­dor do Cu­ne­ne, Vi­gí­lio Tyo­va, dis­se es­tar pre­pa­ra­do pa­ra os de­sa­fi­os que tem pe­la fren­te de­pois de ter si­do de­le­ga­do da Jus­ti­ça du­ran­te cin­co anos, e ad­mi­nis­tra­dor mu­ni­ci­pal e di­rec­tor na­ci­o­nal do MATRE. “Vol­to ao am­bi­en­te da governação pa­ra os de­sa­fi­os da pro­vín­cia, mas, em pri­mei­ro lu­gar, vou me in­tei­rar so­bre a si­tu­a­ção e de­pois me­lho­rar o que es­tá bem e cor­ri­gir o que es­tá mal”, su­bli­nhou Vi­gí­lio Tyo­va, pa­ra qu­em es­te le­ma de­ve ser se­gui­do à ris­ca.

Pa­ra o no­vo go­ver­na­dor da Huí­la, Luís Nu­nes, o fun­da­men­tal vai ser re­sol­ver os pro­ble­mas pre­men­tes da pro­vín­cia, que adi­an­tou se­rem inú­me­ros, com re­al­ce pa­ra os da edu­ca­ção, saú­de, água e ener­gia e es­tra­das. “Não te­mos ain­da uma ra­di­o­gra­fia da si­tu­a­ção da pro­vín­cia, mas sou fi­lho da ter­ra e te­nho mais ou me­nos no­ção de co­mo é que as coi­sas es­tão”, dis­se Luís Nu­nes, que es­tá con­fi­an­te de que com tra­ba­lho “vai ser pos­sí­vel le­var a Huí­la a bom por­to”.

Luís Nu­nes dis­se ser im­por­tan­te que a po­pu­la­ção da Huí­la per­ce­ba que a mu­dan­ça de go­ver­na­dor não sig­ni­fi­ca que “as coi­sas mu­dem de um dia pa­ra o ou­tro e que te­re­mos de tra­ba­lhar to­dos em prol do cres­ci­men­to da pro­vín­cia”.

Re­la­ti­va­men­te à sua con­di­ção de go­ver­na­dor e de em­pre­sá­rio com ne­gó­ci­os com o Es­ta­do, Luís Nu­nes su­bli­nhou que tem vá­ri­os ges­to­res em ca­da uma das em­pre­sas e que uma coi­sa não tem a ver com a ou­tra.

Con­ti­nui­da­de das ta­re­fas

Pa­ra Jo­a­na Li­na, a no­va go­ver­na­do­ra do Hu­am­bo, tra­ba­lhar na­que­la pro­vín­cia re­pre­sen­ta um gran­de de­sa­fio pa­ra a no­va eta­pa da sua car­rei­ra. “Vou usar to­das as mi­nhas ener­gi­as e ca­pa­ci­da­des pa­ra ser­vir a po­pu­la­ção do Hu­am­bo”, su­bli­nhou, pro­me­ten­do dar con­ti­nui­da­de às ta­re­fas pa­ra­li­sa­das.

“Mas pri­mei­ro, é pre­ci­so sa­ber on­de é que as ta­re­fas pa­ra­ram e as­sim dar con­ti­nui­da­de”, dis­se, agra­de­cen­do pe­la in­di­ca­ção pa­ra go­ver­nar uma pro­vín­cia que con­si­de­ra im­por­tan­te no con­tex­to na­ci­o­nal.

O go­ver­na­dor do Bié, Pe­rei­ra Al­fre­do, dis­se que o pri­mei­ro pas­so vai ser iden­ti­fi­car os pro­ble­mas da pro­vín­cia e de­pois avan­çar em bus­ca de so­lu­ções pa­ra os sec­to­res que con­si­de­ra vi­tais nos quais pre­ten­de de­di­car, nu­ma pri­mei­ra fa­se, o seu es­for­ço co­mo saú­de, sa­ne­a­men­to bá­si­co e edu­ca­ção.

Pre­ten­de tam­bém pres­tar aten­ção ao sec­tor eco­nó­mi­co e à cri­a­ção de em­pre­go pa­ra a ju­ven­tu­de. Pro­me­teu pri­vi­le­gi­ar o diá­lo­go com to­das as for­ças vi­vas da pro­vín­cia. “Qu­e­re­mos go­ver­nar pa­ra e com o po­vo”, con­cluiu.

O go­ver­na­dor da Lun­daSul, Daniel Fe­lix Ne­to, dis­se que vai cen­trar a sua aten­ção, pa­ra lá da ques­tão da edu­ca­ção e saú­de, na cri­a­ção de mais pos­tos de tra­ba­lho. “Va­mos in­te­ra­gir com as em­pre­sas lo­cais a ver se cri­a­mos mais pos­tos de tra­ba­lho. Te­mos um nú­me­ro mui­to ele­va­do de de­sem­pre­go na nos­sa pro­vín­cia”, re­al­çou o no­vo go­ver­na­dor, re­co­nhe­cen­do que tal re­pre­sen­ta uma ta­re­fa ár­dua.

Pa­ra o go­ver­na­dor mais jo­vem, de 39 anos, ad­mi­nis­trar a pro­vín­cia não vai ser di­fí­cil por fa­zer par­te de um no­vo mo­de­lo de governação.

Pedro Jú­lia, o go­ver­na­dor do Zai­re, re­fe­re que os pro­ble­mas da pro­vín­cia es­tão no qua­dro dos pro­ble­mas con­jun­tu­rais e que vai con­tar com as so­lu­ções apon­ta­das no Pla­no De­sen­vol­vi­men­to Na­ci­o­nal. Co­mo pri­o­ri­da­de, quer re­sol­ver os pro­ble­mas da saú­de, edu­ca­ção, de­sem­pre­go e sa­ne­a­men­to bá­si­co.

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

FRAN­CIS­CO BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Che­fe de Es­ta­do pe­de aos go­ver­na­do­res tra­ba­lho e de­di­ca­ção pa­ra a so­lu­ção dos pro­ble­mas

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.