Lí­de­res da opo­si­ção con­di­ci­o­nam ida às ur­nas

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Victor Car­va­lho

Os prin­ci­pais lí­de­res da opo­si­ção na Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go (RDC), que es­ti­ve­ram reu­ni­dos quar­ta-fei­ra em Bru­xe­las, apro­va­ram uma sé­rie de pro­pos­tas ao Go­ver­no de Jo­seph Ka­bi­la que, se não fo­rem acei­tes, po­dem con­di­ci­o­nar a par­ti­ci­pa­ção nas elei­ções de De­zem­bro

A opo­si­ção con­go­le­sa, por in­ter­mé­dio dos mais im­por­tan­tes lí­de­res, es­te­ve reu­ni­da na quar­ta-fei­ra, na ca­pi­tal bel­ga, Bru­xe­las, ten­do apro­va­do uma sé­rie de pro­pos­tas que se­rão ago­ra en­dos­sa­das ao Go­ver­no. Sen­ta­dos a uma mes­ma me­sa es­ti­ve­ram Je­an-Pi­er­re Bem­ba, Moi­se Ka­tum­bi, Vi­tal Ka­merhe, Fé­lix Tshi­se­ke­di, Adolphe Mu­zi­to e Mbu­sa Nyamwis, que apro­va­ram os pon­tos que cons­tam das pro­pos­tas e que fun­ci­o­nam co­mo uma es­pé­cie de ul­ti­ma­to que po­de­rá con­di­ci­o­nar a sua par­ti­ci­pa­ção nas elei­ções de De­zem­bro pró­xi­mo. Nas pro­pos­tas, os lí­de­res da opo­si­ção de­fen­dem a re­jei­ção do vo­to elec­tró­ni­co, a re­ti­ra­da dos elei­to­res fic­tí­ci­os do fi­chei­ro elei­to­ral, a eli­mi­na­ção da ten­são po­lí­ti­ca, a par­ti­ci­pa­ção efec­ti­va dos can­di­da­tos ex­cluí­dos ou in­va­li­da­dos por ra­zões po­lí­ti­cas, a acre­di­ta­ção e des­do­bra­men­to dos ob­ser­va­do­res internacionais, a as­sis­tên­cia de or­ga­ni­za­ções internacionais, no­me­a­da­men­te a ONU, a UA, a UE, a SADC e a CIRGL, o des­do­bra­men­to de uma for­ça re­gi­o­nal da SADC pa­ra as­se­gu­rar o pro­ces­so elei­to­ral, os can­di­da­to e os elei­to­res, a par­ti­ci­pa­ção efec­ti­va da Mo­nus­co no pro­ces­so elei­to­ral pa­ra o transporte do ma­te­ri­al elei­to­ral e da lo­gís­ti­ca e a re­es­tru­tu­ra­ção e au­di­to­ria da Co­mis­são Na­ci­o­nal Elei­to­ral In­de­pen­den­te (CENI), con­for­me o que es­tá pres­cri­to no Acor­do de 31 de De­zem­bro de 2016.

A opo­si­ção con­go­le­sa en­dos­sa tam­bém ao Go­ver­no to­da a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo que su­ce­der du­ran­te o pro­ces­so elei­to­ral ca­so não te­nha em li­nha de con­ta es­ta pro­pos­ta que con­si­de­ra ser “inal­te­rá­vel” e “de­ci­si­va.”

No que res­pei­ta à pos­si­bi­li­da­de de ser en­con­tra­do um can­di­da­to úni­co pa­ra con­cor­rer com o da mai­o­ria pre­si­den­ci­al, fi­cou de­ci­di­do na reu­nião de Bru­xe­las que ele se­rá es­co­lhi­do na ba­se de uma ideia que se­rá apre­sen­ta­da sob a for­ma de um pro­gra­ma co­mum da opo­si­ção com­pos­ta pe­los par­ti­dos UDPS, de Fé­lix Tshi­se­ke­di, UNC, de Vi­tal Ka­merhe, En­sem­ble, de Moï­se Ka­tum­bi, MLC, de Je­an Pi­er­re Bem­ba, Nou­vel Élan, de Adolphe Mu­zi­to e RCD, de An­ti­pas Mbu­sa Nyamwi­si.

Se es­ta po­si­ção vin­gar, se­rá a pri­mei­ra vez que a opo­si­ção con­cor­re­rá co­li­ga­da.

Dos seis lí­de­res da opo­si­ção que es­ti­ve­ram reu­ni­dos em Bru­xe­las, ape­nas dois fo­ram con­fir­ma­dos pro­vi­so­ri­a­men­te co­mo can­di­da­tos à elei­ção pre­si­den­ci­al: Vi­tal Ka­merhe e Fé­lix Tshi­se­ke­di, ten­do os res­tan­tes si­do chum­ba­dos por de­ci­são do Tri­bu­nal Cons­ti­tu­ci­o­nal e sob pro­pos­ta da CENI.

Go­ver­no re­cu­sa in­ge­rên­cia ex­ter­na O Go­ver­no con­go­lês con­ti­nua re­ni­ten­te e aca­ba de rei­te­rar a re­cu­sa em acei­tar qual­quer in­ge­rên­cia, tan­to dos paí­ses vizinhos co­mo de ou­tros par­cei­ros bi­la­te­rais.

De acor­do com um co­mu­ni­ca­do li­do na te­le­vi­são pe­lo mi­nis­tro dos Ne­gó­ci­os Es­tran­gei­ros, Léo­nard She Oki­tun­du, o Go­ver­no foi sur­pre­en­di­do por “de­cla­ra­ções in­tem­pes­ti­vas de al­gu­mas au­to­ri­da­des es­tran­gei­ras re­la­ti­vas ao pro­ces­so elei­to­ral na RDC, on­de é fei­to um ape­lo a um pre­ten­so diá­lo­go com a opo­si­ção po­lí­ti­ca”.

“Su­bli­nha­mos que o pro­ces­so elei­to­ral em cur­so es­tá con­for­me à Cons­ti­tui­ção con­go­le­sa e ao Acor­do po­lí­ti­co glo­bal de 31 de De­zem­bro de 2016. Por is­so, o Go­ver­no man­tém e rei­te­ra a re­cu­sa de qual­quer in­ge­rên­cia, tan­to dos paí­ses vizinhos co­mo de ou­tros par­cei­ros bi­la­te­rais”, de­cla­rou Oki­tun­du.

Na mes­ma oca­sião, es­te res­pon­sá­vel su­bli­nhou que “o exe­cu­ti­vo con­go­lês não vai acei­tar qual­quer in­ter­fe­rên­cia, quan­do o mes­mo com­por­ta­men­to não é acei­tá­vel nou­tros paí­ses, por cau­sa das obri­ga­ções do Di­rei­to In­ter­na­ci­o­nal, em ge­ral, e da Con­ven­ção de Vi­e­na so­bre as re­la­ções di­plo­má­ti­cas, em par­ti­cu­lar, e que tam­bém não po­de ser to­le­ra­do na RDC.”

“Por is­so”, acres­cen­tou, “o Go­ver­no vai con­ti­nu­ar a de­nun­ci­ar a in­jus­ti­fi­cá­vel agi­ta­ção de al­guns go­ver­nos dos paí­ses vizinhos que agem com a co­ni­vên­cia de ou­tros par­cei­ros, em tor­no des­sa ques­tão de so­be­ra­nia.”

Re­cor­de-se que a RDC de­ci­diu or­ga­ni­zar as elei­ções sem qual­quer apoio ex­ter­no.

DR

Di­ri­gen­tes po­lí­ti­cos con­go­le­ses ame­a­çam boi­coi­tar a vo­ta­ção agen­da­da pa­ra De­zem­bro

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.