Do­en­tes aten­di­dos por te­le­me­di­ci­na

Pro­jec­to pi­lo­to vai ser re­a­li­za­do, em bre­ve, na pro­vín­cia do Hu­am­bo, pa­ra den­tro de qua­tro anos ser es­ten­di­do a to­das as ci­da­des do país

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Augusto Cu­te­ta | |

Do­en­tes de uni­da­des sa­ni­tá­ri­as lo­ca­li­za­das em qual­quer par­te do país, on­de não exis­tam de­ter­mi­na­das es­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas, vão pas­sar a ser aten­di­dos à dis­tân­cia e em tem­po re­al, por es­pe­ci­a­lis­tas em di­ag­nós­ti­co e tra­ta­men­to, atra­vés do sis­te­ma de te­le­me­di­ci­na. O di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção do Mi­nis­té­rio da Saú­de, Wal­ter Pau­lo, ga­ran­tiu que es­tão cri­a­das as con­di­ções pa­ra que, nos pró­xi­mos di­as, o pro­jec­to ar­ran­que com a pro­vín­cia do Hu­am­bo. Dois hos­pi­tais de Lu­an­da fo­ram es­co­lhi­dos pa­ra a fa­se ex­pe­ri­men­tal. Mé­di­cos do Amé­ri­co Bo­a­vi­da e do Hos­pi­tal Pe­diá­tri­co Da­vid Ber­nar­di­no vão po­der tra­tar, à dis­tân­cia, do­en­tes das uni­da­des sa­ni­tá­ri­as da pro­vín­cia do Hu­am­bo. Den­tro de qua­tro anos, o pro­jec­to che­ga a to­do o país.

Do­en­tes as­sis­ti­dos em uni­da­des sa­ni­tá­ri­as sem de­ter­mi­na­das es­pe­ci­a­li­da­des mé­di­cas, lo­ca­li­za­das em qual­quer par­te do país, vão pas­sar a ser aten­di­dos à dis­tãn­cia e em tem­po re­al, por via do sis­te­ma de te­le­me­di­ci­na, anun­ci­ou, on­tem, em Lu­an­da, o di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção do Mi­nis­té­rio da Saú­de. Wal­ter Pau­lo, que fez o anún­cio du­ran­te o “En­con­tro pa­ra a de­fi­ni­ção de pro­jec­tos pri­o­ri­tá­ri­os pa­ra a agen­da em­pre­sa­ri­al e de ino­va­ção 20182022”, or­ga­ni­za­do pe­lo Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or, Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e Ino­va­ção, as­se­gu­rou que o pro­jec­to-pi­lo­to vai ser lan­ça­do, em bre­ve, na pro­vín­cia do Hu­am­bo. O di­rec­tor avan­çou que, nes­te mo­men­to, o Mi­nis­té­rio da Saú­de tem as con­di­ções cri­a­das pa­ra o ar­ran­que do pro­jec­to, que de­ve che­gar a to­das as pro­vín­ci­as num pe­río­do de qua­tro anos. “Es­se pro­jec­to, que va­mos lan­çar em bre­ve e fa­zer a sua mas­si­fi­ca­ção em três anos, vai apro­xi­mar os ser­vi­ços ca­da vez mais aos pa­ci­en­tes”, as­se­gu­rou o di­rec­tor Wal­ter Pau­lo. O res­pon­sá­vel acres­cen­tou que já exis­te tec­no­lo­gia, re­sul­tan­te de uma par­ce­ria com o Mi­nis­té­rio do En­si­no Su­pe­ri­or, Ci­ên­cia, Tec­no­lo­gia e Ino­va­ção e a In­fra­sat, equi­pa­men­tos e os lo­cais pa­ra o aten­di­men­to na pro­vín­cia-pi­lo­to (Hu­am­bo), cu­jos es­ta­be­le­ci­men­tos de Saú­de vão tra­ba­lhar com os hos­pi­tais pe­diá­tri­co Da­vid Ber­nar­di­no e Amé­ri­co Bo­a­vi­da, am­bos de Lu­an­da. A for­ma­ção con­tí­nua dos téc­ni­cos tam­bém es­tá as­se­gu­ra­da, uma vez que es­sas par­ce­ri­as es­tão a dar ou­tra di­nâ­mi­ca ao pro­jec­to, dis­se o di­rec­tor do Ga­bi­ne­te de Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção do Mi­nis­té­rio da Saú­de. Wal­ter Pau­lo es­cla­re­ceu que o me­ca­nis­mo vai fun­ci­o­nar no sis­te­ma de te­la, ins­ta­la­da nos dois la­dos. Com is­so, um do­en­te de Lon­gon­jo (Hu­am­bo) po­de ser as­sis­ti­do, em tem­po re­al, por um mé­di­co do Hos­pi­tal Amé­ri­co Bo­a­vi­da (Lu­an­da), au­xi­li­a­dos por uma tec­no­lo­gia do ti­po ví­deo-con­fe­rên­cia. Além do con­tac­to na ho­ra com o pa­ci­en­te, a te­le­me­di­ci­na per­mi­te que o mé­di­co vi­su­a­li­ze os re­sul­ta­dos das aná­li­ses, me­dir a pres­são ar­te­ri­al, ob­ser­var uma ra­di­o­gra­fia ou ou­tro exa­me e to­mar de­ci­sões em fun­ção do qua­dro do do­en­te. Com es­se pro­jec­to de ino­va­ção, que se jun­ta a um ou­tro que tem a ver com re­gis­to elec­tró­ni­co de uten­te, o Mi­nis­té­rio da Saú­de pre­ten­de re­for­çar a pres­ta­ção de ser­vi­ços de da­dos ao ci­da­dão, que é lan­ça­do den­tro de cin­co me­ses e pa­ra ser con­cluí­do em cin­co anos. Ou­tro pro­jec­to pri­o­ri­tá­rio do Mi­nis­té­rio da Saú­de a ní­vel da ino­va­ção es­tá re­la­ci­o­na­do com o ma­pe­a­men­to sa­ni­tá­rio do país, que per­mi­ti­rá que, em tem­po re­al, informações so­bre pa­ci­en­tes, do­en­ças, me­di­ca­men­tos e ou­tras si­tu­a­ções re­ais e particulares de uma uni­da­de de saú­de se­jam per­ce­bi­das por to­do o sis­te­ma na­ci­o­nal. Além des­te, até 2022, pre­ten­de-se a ní­vel das tec­no­lo­gi­as e ino­va­ção a im­ple­men­ta­ção do pro­jec­to “Car­tão do uten­te”, pa­ra pos­si­bi­li­tar que um pa­ci­en­te te­nha um se­gui­men­to du­ran­te to­da a vi­da, a par­tir de informações cons­tan­tes nes­se dis­po­si­ti­vo. Há ain­da o pro­jec­to de mo­ni­to­ri­za­ção e ava­li­a­ção via te­le­mó­vel, pa­ra ge­rar um sis­te­ma de aler­ta de saú­de, por exem­plo, so­bre os di­as de consulta, a ho­ra da to­ma dos me­di­ca­men­tos, en­tre ou­tros as­pec­tos que to­cam a vi­da do ci­da­dão e do seu es­ta­do de saú­de. Pa­ra pro­mo­ver a efi­cá­cia, efi­ci­ên­cia e trans­pa­rên­cia na ges­tão ad­mi­nis­tra­ti­va do sec­tor, Wal­ter Pau­lo re­ve­lou ain­da que o sec­tor da Saú­de vai lan­çar o pro­gra­ma de for­ma­ção do Ga­bi­ne­te de Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção e o “In­tra­net Min­sa”, den­tro de seis me­ses. Além des­ses pro­gra­mas, no qua­dro da co­mu­ni­ca­ção pre­ven­ti­va com o ci­da­dão, o Mi­nis­té­rio da Saú­de pre­ten­de cri­ar o “Por­tal de Saú­de”. To­ma­da de de­ci­sões Wal­ter Pau­lo ex­pli­cou que, no sec­tor da Saú­de, a in­for­ma­ção de­ve ser en­ten­di­da co­mo re­du­tor de in­cer­te­zas, ins­tru­men­to pa­ra de­tec­tar fo­cos pri­o­ri­tá­ri­os, co­nhe­ci­men­to da re­a­li­da­de so­ci­o­e­co­nó­mi­ca, de­mo­grá­fi­ca e epi­de­mi­o­ló­gi­ca, pro­pi­ci­an­do o pla­ne­a­men­to, ges­tão, or­ga­ni­za­ção e ava­li­a­ção nos vá­ri­os ní­veis do Sis­te­ma Na­ci­o­nal de Saú­de, fa­zen­do com que ac­ções se­jam re­a­li­za­das no sen­ti­do de con­di­ci­o­nar a re­a­li­da­de às trans­for­ma­ções ne­ces­sá­ri­as. Por is­so, sa­li­en­tou que o pro­ces­so de ges­tão do sec­tor exi­ge a to­ma­da de de­ci­sões de al­ta res­pon­sa­bi­li­da­de e re­le­vân­cia so­ci­al. As informações po­dem fun­ci­o­nar co­mo um meio pa­ra di­mi­nuir o grau de in­cer­te­za so­bre de­ter­mi­na­da si­tu­a­ção de saú­de, apoi­an­do o pro­ces­so de to­ma­da de de­ci­sões.

“De­ve­mos ter cla­re­za de que o que sus­ten­ta es­tas de­ci­sões são os va­lo­res, os fun­da­men­tos, os pres­su­pos­tos, a vi­são de mun­do e, par­ti­cu­lar­men­te, a con­cep­ção de mo­de­lo de aten­ção à saú­de da­que­les en­vol­vi­dos no pro­ces­so de ges­tão do sec­tor da Saú­de”, re­al­çou o res­pon­sá­vel. Wal­ter Pau­lo con­si­de­rou que a in­for­ma­ção em Saú­de não se re­fe­re so­men­te à pro­du­zi­da pe­lo sec­tor, uma vez que da­dos re­la­ci­o­na­dos com a qua­li­da­de de vi­da são im­por­tan­tes pa­ra a ava­li­a­ção do ní­vel de saú­de da po­pu­la­ção, en­tre os quais con­di­ções de­mo­grá­fi­cas, ali­men­ta­ção, edu­ca­ção, con­di­ções de tra­ba­lho e de em­pre­go, transporte, mo­ra­dia, sa­ne­a­men­to bá­si­co, la­zer se­gu­ran­ça e a aces­so aos ser­vi­ços de Saú­de.

MA­RIA AU­GUS­TA

Di­rec­tor da área de Tec­no­lo­gi­as de In­for­ma­ção do Mi­nis­té­rio da Saú­de apre­sen­tou pro­jec­tos do sec­tor

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.