Ka­xi­ca­ne de Ne­to es­tá aban­do­na­da

Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to su­ge­re que a al­deia on­de nas­ceu Ne­to se­ja tor­na­da um cen­tro de atrac­ção tu­rís­ti­ca

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ed­na Da­la |

A al­deia de Ka­xi­ca­ne, on­de nas­ceu o Fun­da­dor da Na­ção An­go­la­na, es­tá em es­ta­do de aban­do­no. A de­nún­cia é de Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, a viú­va do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, Agos­ti­nho Ne­to. A lo­ca­li­da­de dis­ta a cer­ca de 60 qui­ló­me­tros de Lu­an­da.

A viú­va do pri­mei­ro Pre­si­den­te de An­go­la, Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, la­men­tou on­tem o es­ta­do de aban­do­no da al­deia de Ka­xi­ca­ne, on­de nas­ceu An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to e os seus pro­ge­ni­to­res.

“Ka­xi­ca­ne es­tá com­ple­ta­men­te aban­do­na­da e é pre­ci­so fa­zer to­dos os es­for­ços pa­ra se re­cu­pe­rar, ten­do em con­ta que é um lo­cal his­tó­ri­co, não só pa­ra ele (Agos­ti­nho Ne­to) co­mo tam­bém dos pais, que fo­ram gran­des tra­ba­lha­do­res pa­ra a cau­sa de An­go­la”, dis­se Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, ao in­ter­vir na con­fe­rên­cia em ho­me­na­gem ao dia do He­rói Na­ci­o­nal, des­ti­na­da a ofi­ci­ais ge­ne­rais das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas e cor­po di­plo­má­ti­co.

Se­gun­do Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to, a al­deia po­dia ser­vir co­mo um “gran­de cen­tro de tu­ris­mo.” “Te­mos que fa­zer tu­do pa­ra con­ser­var es­te lu­gar”, sa­li­en­tou.

A viú­va de Agos­ti­nho Ne­to in­for­mou que a fun­da­ção que cui­da do le­ga­do do pri­mei­ro Pre­si­den­te sem­pre se de­ba­teu so­bre o as­sun­to e tem tra­ba­lha­do com a Unes­co e per­so­na­li­da­des in­di­vi­du­ais pa­ra a divulgação da his­tó­ria de vi­da de Ne­to pa­ra as ge­ra­ções vin­dou­ras. A viú­va dis­se ter es­pe­ran­ça que a si­tu­a­ção co­nhe­ça um fim an­tes do cen­te­ná­rio na­ta­lí­cio de Agos­ti­nho Ne­to, em 2022.

Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to dis­se que “Ne­to mor­reu jo­vem e não usu­fruiu na­da. Emo­ci­o­nou-me por­que é o pai dos meus fi­lhos e meu ma­ri­do, por­que ges­tos des­tes nem sem­pre se vêem pa­ra re­por a sua me­mó­ria e pen­sa­men­tos”, sa­li­en­tou, a pro­pó­si­to da ho­me­na­gem.

Na con­fe­rên­cia, o his­to­ri­a­dor e ca­te­drá­ti­co Fer­nan­do Jai­me con­si­de­rou que Agos­ti­nho Ne­to foi um ho­mem trans­ver­sal, pre­des­ti­na­do pa­ra li­de­rar, e que lu­tou to­da a sua vi­da pa­ra a li­ber­ta­ção de An­go­la e de Áfri­ca.

Ao fa­lar so­bre a tra­jec­tó­ria de Agos­ti­nho Ne­to en­quan­to po­e­ta, mé­di­co e es­ta­dis­ta, o his­to­ri­a­dor dis­se que “não é jus­to que não se co­nhe­ça com profundidade a fi­gu­ra pro­e­mi­nen­te do pri­mei­ro Pre­si­den­te an­go­la­no.”

Na con­fe­rên­cia, pre­si­di­da pe­lo co­man­dan­te do Exér­ci­to, Gou­veia de Sá Mi­ran­da, Fer­nan­do Jai­me re­cor­dou que Agos­ti­nho Ne­to, mes­mo de­pois da sequên­cia de en­car­ce­ra­men­tos, nun­ca se dei­xou aba­ter e a sua tra­jec­tó­ria é a his­tó­ria re­al dos an­go­la­nos.

O his­to­ri­a­dor abor­dou a vi­da de Ne­to em cin­co ver­ten­tes, num en­qua­dra­men­to que co­me­ça des­de 1922, da­ta do seu nas­ci­men­to, em Ka­xi­ca­ne, a 1944, al­tu­ra em que ter­mi­na a sua for­ma­ção, no Li­ceu Salvador Cor­reia, com 15 va­lo­res.

A se­gun­da eta­pa vai de 1944 a 1947, pe­río­do em que ter­mi­nou o li­ceu e par­tiu pa­ra Coim­bra (Por­tu­gal), pa­ra con­cluir os seus es­tu­dos, on­de se for­mou em Me­di­ci­na, em 1958, ca­san­do-se com Ma­ria Eu­gé­nia Ne­to.

Não é jus­to que não se co­nhe­ça, com profundidade, a fi­gu­ra pro­e­mi­nen­te do pri­mei­ro Pre­si­den­te

O his­to­ri­a­dor re­cor­dou que os pais fo­ram as su­as pri­mei­ras re­fe­rên­ci­as, a mãe foi sua pro­fes­so­ra até aos 8 anos e be­beu a ins­tru­ção re­li­gi­o­sa e o dom da pa­la­vra do seu pai, ten­do em con­ta que foi um gran­de ora­dor e dis­se que mui­tas ve­zes Ne­to imi­ta­va o pai.

Du­ran­te o en­con­tro, mar­ca­do por for­tes emo­ções da viú­va, que não se con­te­ve e der­ra­mou lá­gri­mas, Fer­nan­do Jai­me re­cor­dou que Ne­to era tra­ta­do pe­los mais ve­lhos co­mo An­to­ni­co e pe­los mais no­vos co­mo professor pe­que­no.

Pré­mio in­ter­na­ci­o­nal

A Fun­da­ção Agos­ti­nho Ne­to ou­tor­ga, no dia 17 des­te mês, o Pré­mio In­ter­na­ci­o­nal de In­ves­ti­ga­ção His­tó­ri­ca “Agos­ti­nho Ne­to”, no va­lor de 50 mil dó­la­res e lan­ça­men­to da obra pre­mi­a­da.

De ca­rác­ter bi­a­nu­al, o pré­mio en­con­tra-se na 2ª edi­ção de 2017-2018. Con­sis­te na pro­mo­ção e in­cen­ti­vo da in­ves­ti­ga­ção his­tó­ri­ca so­bre An­go­la, Bra­sil e su­as diás­po­ras. É co-or­ga­ni­za­do pe­la Fun­da­ção Agos­ti­nho Ne­to, pe­lo Ins­ti­tu­to Afro-bra­si­lei­ro de En­si­no Su­pe­ri­or, re­pre­sen­ta­do pe­la Fa­cul­da­de Zum­bi dos Pal­ma­res, com a par­ti­ci­pa­ção da UNES­CO no jú­ri.

Viú­va de Agos­ti­nho Ne­to

DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Viú­va do pri­mei­ro Pre­si­den­te par­ti­ci­pou nu­ma con­fe­rên­cia or­ga­ni­za­da pe­las FAA

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.