Cor­po de Ben-Ben ve­la­do ho­je no ex-RI-20

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Ade­li­na Iná­cio

O mi­nis­tro da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, Fran­cis­co Queiroz, afir­mou on­tem, em Lu­an­da, que a trans­la­da­ção dos res­tos mor­tais do ge­ne­ral Ar­lin­do Chen­da Pe­na “BenBen” de Pre­tó­ria, Áfri­ca do Sul, pa­ra An­go­la cor­res­pon­de à von­ta­de do Pre­si­den­te João Lourenço de re­con­ci­li­ar a fa­mí­lia an­go­la­na e re­for­çar a uni­da­de de to­dos os an­go­la­nos.

Em de­cla­ra­ções à im­pren­sa, mo­men­tos de­pois da che­ga­da dos res­tos mor­tais de BenBen, fa­le­ci­do a 19 de Ou­tu­bro de 1998 na Áfri­ca do Sul, ví­ti­ma de do­en­ça, Fran­cis­co Queiroz con­si­de­rou que o ac­to se re­ves­te de gran­de dig­ni­da­de pa­ra a me­mó­ria de um ofi­ci­al que atin­giu o grau de che­fe do Es­ta­do-Mai­or Ge­ne­ral ad­jun­to das For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas e pa­ra a hon­ra da Pá­tria.

Ho­ras an­tes, em Pre­tó­ria, du­ran­te a re­cep­ção dos res­tos mor­tais de Ben-Ben, o mi­nis­tro an­go­la­no dis­se que o ges­to do Go­ver­no sul-afri­ca­no de per­mi­tir a trans­la­da­ção dos res­tos mor­tais do ge­ne­ral pa­ra a sua ter­ra na­tal es­tá em li­nha com os pro­fun­dos la­ços de ami­za­de que unem os po­vos de An­go­la e da Áfri­ca do Sul.

Pa­ra as For­ças Ar­ma­das An­go­la­nas (FAA), dis­se, o ac­to re­ves­te-se de um gran­de sig­ni­fi­ca­do mi­li­tar, por­que se tra­ta de “um ca­ma­ra­da de ar­mas que tom­bou por do­en­ça e que não te­ve as hon­ras mi­li­ta­res fú­ne­bres que lhe cor­res­pon­di­am”.

Es­ta­do do cor­po

O mi­nis­tro ex­pli­cou que o cor­po de Ben-Ben so­freu um tra­ta­men­to ini­ci­al e fi­cou du­ran­te dois anos num pro­ces­so de con­ge­la­ção e mu­mi­fi­ca­ção que du­rou até ao mo­men­to da sua trans­la­da­ção.“Se­gun­do as informações que me de­ram quan­do o cor­po foi exu­ma­do, apre­sen­ta­va con­di­ções ra­zoá­veis de con­ser­va­ção. Quer di­zer que as téc­ni­cas que fo­ram usa­das pa­ra a con­ser­va­ção do cor­po são mui­to efi­ca­zes”, con­tou Fran­cis­co Queiroz, que en­tre­tan­to afas­tou a hi­pó­te­se de aber­tu­ra da ur­na.

“As pes­so­as que as­sis­ti­ram à exu­ma­ção do cor­po e à aber­tu­ra do cai­xão con­fir­mam que es­tá bem con­ser­va­do e des­ta­ca­ram um as­pec­to: ele es­ta­va far­da­do e a far­da es­ta­va mui­to bem vi­sí­vel e con­ser­va­da”, acres­cen­tou.

O as­ses­sor pa­ra as Re­la­ções Internacionais do Pre­si­den­te sul-afri­ca­no con­fir­mou que o pe­di­do pa­ra a trans­la­da­ção dos res­tos mor­tais do ge­ne­ral Ben-Ben pa­ra An­go­la foi fei­to pe­lo Che­fe de Es­ta­do an­go­la­no, João Lourenço. Khu­lu Mba­ka ad­mi­tiu que o pro­ces­so não foi fá­cil pa­ra as au­to­ri­da­des sul-afri­ca­nas. “Ti­ve­mos que en­con­trar pes­so­as que co­nhe­ci­am (o fa­le­ci­do) e ti­ves­sem informações so­bre os res­tos mor­tais do ge­ne­ral Ben-Ben”, dis­se.

Khu­lu Mba­ka dis­se que o Pre­si­den­te sul-afri­ca­no, Ciryl Ra­mapho­sa, acre­di­ta que es­te pro­ces­so vai aju­dar na re­con­ci­li­a­ção na­ci­o­nal e na con­so­li­da­ção da paz em An­go­la. Acres­cen­tou que a Áfri­ca do Sul acre­di­ta tam­bém que as re­la­ções bi­la­te­rais vão ser for­ti­fi­ca­das e enal­te­ci­das.

O pre­si­den­te da UNITA con­si­de­rou o ac­to um im­por­tan­te pas­so pa­ra a re­con­ci­li­a­ção do país. “Te­mos to­dos que re­co­nhe­cer não só o fac­to de ter si­do pos­sí­vel ho­je tra­zer o cor­po do ge­ne­ral Ben-Ben a An­go­la, co­mo tam­bém tu­do se pro­ces­sou de uma for­ma bas­tan­te rá­pi­da, quan­do ao lon­go des­se tem­po to­do pa­re­cia ser im­pen­sá­vel fa­zer­se”, dis­se Isaías Sa­ma­ku­va.

Pa­ra o lí­der do mai­or par­ti­do da opo­si­ção, o pró­xi­mo pas­so de­ve­rá ser o da re­cu­pe­ra­ção dos res­tos mor­tais do fun­da­dor da UNITA, Jo­nas Ma­lhei­ro Sa­vim­bi, fa­le­ci­do a 22 de Fe­ve­rei­ro de 2002. Sa­ma­ku­va re­co­nhe­ceu, no en­tan­to, que a exu­ma­ção e inu­ma­ção de Sa­vim­bi não se­rá pos­sí­vel ain­da es­te ano por­que há ques­tões que têm de ser agi­li­za­das. “Por is­so, es­ta­mos a olhar pa­ra um pe­río­do pa­ra além do fim do ano”, dis­se.

Pa­ra Araú­jo Pe­na, ir­mão mais no­vo de Ben-Ben, a trans­la­da­ção dos res­tos mor­tais do ge­ne­ral é uma ho­me­na­gem à sua mãe, que te­rá es­cri­to uma car­ta ao Pre­si­den­te da Re­pú­bli­ca so­li­ci­tan­do o cor­po. “Is­so é re­con­for­tan­te pa­ra uma mãe que per­deu três fi­lhos em cir­cuns­tân­ci­as dra­má­ti­cas e ver o seu fi­lho a ser se­pul­ta­do na sua ter­ra na­tal”, afir­mou.

Araú­jo Chen­da Pe­na re­co­nhe­ceu que o Pre­si­den­te João Lourenço fez os con­tac­tos com as au­to­ri­da­des sul-afri­ca­nas de­vi­do a um pe­di­do da fa­mí­lia, em par­ti­cu­lar da mãe, Ju­dith Pe­na.

VI­GAS DA PURIFICAÇÃO | EDIÇÔES NO­VEM­BRO

Res­tos mor­tais de Ben-Ben se­pul­ta­dos na ter­ra na­tal no Bié

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.