Cri­an­ças so­bre­vi­vem do li­xo

Uma das pre­fe­rên­ci­as dos “ca­ta­do­res” de re­sí­du­os são as gar­ra­fas de plás­ti­co, que são com­pra­das por ven­de­do­ras de be­bi­das ca­sei­ras

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA -

Cri­an­ças que mo­ram nas ime­di­a­ções da mai­or li­xei­ra a céu aber­to do mu­ni­cí­pio do Lo­bi­to, 30 qui­ló­me­tros a nor­te da ci­da­de de Benguela, so­bre­vi­vem nos úl­ti­mos di­as com a ven­da de re­sí­du­os só­li­dos, re­co­lhi­dos no lo­cal.

A mai­o­ria des­ses “ca­ta­do­res” de li­xo vi­ve em si­tu­a­ção de po­bre­za ex­tre­ma, em ca­se­bres cons­truí­dos a pou­cos me­tros da mai­or li­xei­ra a céu aber­to do Lo­bi­to, on­de to­dos os di­as lu­tam pe­la sua so­bre­vi­vên­cia, re­co­lhen­do re­sí­du­os pa­ra se­rem ven­di­dos.

Exem­plo dis­so são as gar­ra­fas de plás­ti­co que, ape­sar de se­rem no­ci­vas à saú­de, de­vi­do ao ris­co de con­ta­mi­na­ção, são apa­nha­das por cri­an­ças e adul­tos e ven­di­das às se­nho­ras, que as uti­li­zam co­mo re­ci­pi­en­te pa­ra kis­sân­gua (be­bi­da ca­sei­ra), co­mer­ci­a­li­za­da na via pú­bli­ca.

O so­ba da zo­na, Es­tê­vão So­li­ne, afir­mou que a po­pu­la­ção re­cor­re ao li­xo por ser a úni­ca for­ma de sub­sis­tên­cia. “Qua­se nin­guém tem ca­sa pró­pria, até por­que as ren­das es­tão fo­ra do al­can­ce das su­as pos­si­bi­li­da­des”, dis­se, sus­ten­tan­do que, em fun­ção dis­so, os po­pu­la­res são obri­ga­dos a cons­truir ca­se­bres nas pro­xi­mi­da­des da li­xei­ra.

A par des­ta re­a­li­da­de, há ain­da o pro­ble­ma da fal­ta de ener­gia eléc­tri­ca na área, en­quan­to a água é abas­te­ci­da de dois em dois di­as por um ca­mião-cis­ter­na. Ca­da re­ci­pi­en­te de 200 li­tros é ven­di­do a 300 kwan­zas, se­gun­do o an­cião.

Ques­ti­o­na­do so­bre a saú­de da­que­las pes­so­as, Es­tê­vão So­li­ne des­dra­ma­ti­za a si­tu­a­ção, sa­li­en­tan­do que não tem ha­vi­do ca­sos alar­man­tes e que a po­pu­la­ção tem re­cor­ri­do a um pos­to mé­di­co no bair­ro Mban­gu Mban­gu, si­tu­a­do a cer­ca de cin­co qui­ló­me­tros da zo­na on­de re­si­dem. A au­to­ri­da­de tra­di­ci­o­nal dis­se que os re­fe­ri­dos ci­da­dãos fa­zem quei­ma­das no sen­ti­do de mi­ni­mi­zar os múl­ti­plos e ne­ga­ti­vos efei­tos da acu­mu­la­ção de li­xo nas pro­xi­mi­da­des da área on­de vi­vem, em­bo­ra con­si­de­re in­su­fi­ci­en­tes os es­for­ços, de­vi­do à quan­ti­da­de de li­xo.

De acor­do com o so­ba, re­pre­sen­tan­tes da Ad­mi­nis­tra­ção Mu­ni­ci­pal do Lo­bi­to ain­da não apa­re­ce­ram, es­te ano, pa­ra dar tra­ta­men­to aos re­sí­du­os no mes­mo lo­cal, si­tu­a­do a 500 me­tros da es­tra­da na­ci­o­nal 100.

Os re­sí­du­os de­po­si­ta­dos na mai­or li­xei­ra a céu aber­to do Lo­bi­to não es­tão se­pa­ra­dos, con­for­me ori­en­ta o Pro­gra­ma das Na­ções Uni­das pa­ra o Am­bi­en­te (PNUA), vol­ta­do à pro­tec­ção do meio e à pro­mo­ção do de­sen­vol­vi­men­to sus­ten­tá­vel.

Por ou­tro la­do, a “su­ca­ta” (fer­ro, alu­mí­nio, co­bre e ou­tros me­tais), que os chi­ne­ses ad­qui­rem a qui­lo no mer­ca­do in­for­mal, é ou­tro mo­ti­vo que le­va cri­an­ças e adul­tos vul­ne­rá­veis à li­xei­ra do Lo­bi­to, em bus­ca de me­lho­res con­di­ções de vi­da, ape­sar dos ris­cos à saú­de.

Fer­ro, alu­mí­nio, co­bre e ou­tros me­tais que os chi­ne­ses ad­qui­rem a qui­lo é ou­tro mo­ti­vo que le­va cri­an­ças e adul­tos vul­ne­rá­veis à li­xei­ra do Lo­bi­to

EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Mai­or li­xei­ra a céu aber­to do mu­ni­cí­pio do Lo­bi­to é fre­quen­ta­da por mui­tas cri­an­ças e adul­tos

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.