Flo­res e so­nhos de An­go­la

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Sousa Jamba

Apre­ci­ei mui­to o dis­cur­so do Pre­si­den­te João Lourenço no úl­ti­mo Con­gres­so do MPLA. O mes­mo fez-me lem­brar flo­res. An­tes que eu se­ja acu­sa­do de um de­fei­to que foi ci­ta­do no mes­mo dis­cur­so – ba­ju­la­ção – de­vo di­zer que as flo­res têm a ver com um mo­men­to Prous­ti­a­no que ti­ve no Pla­nal­to.

Era no mo­men­to da cam­pa­nha; o can­di­da­to João Lourenço es­ta­va a fa­zer um dis­cur­so no Kui­to que foi trans­mi­ti­do ao vi­vo pe­la a Rá­dio Ye­tu. No Kat­chi­len­gue, a nos­sa al­deia Kat­chiun­go, o dis­cur­so ou­vi­a­se per­fei­ta­men­te. Eu es­ta­va a pre­pa­rar-me pa­ra ir al­mo­çar no Bai­lun­do em ca­sa da mi­nha so­bri­nha, Filomena Mar­ta Chim­bi­li. Es­ta­va a pen­sar no que le­var pa­ra a Me­na no al­mo­ço (na In­gla­ter­ra, on­de pas­sei uma boa par­te da mi­nha vi­da não se vai a um al­mo­ço ou jan­tar sem le­var qual­quer coi­sa pa­ra o an­fi­trião).

No­tei, lá no fun­do, per­to da es­co­la que o meu pai ti­nha fun­da­do em 1957, flo­res sil­ves­tres. Le­vei o pe­que­no rá­dio co­mi­go. Lá eu es­ta­va na pe­que­na ma­ta à pro­cu­ra de flo­res pa­ra a mi­nha so­bri­nha e o can­di­da­to João Lourenço a pro­por uma An­go­la on­de as pes­so­as te­ri­am que pro­du­zir e não pas­sar o dia debaixo de uma ba­na­nei­ra. Fiz um pos­ting a di­zer que gos­tei o que o João Lourenço ti­nha di­to e fui du­ra­men­te cri­ti­ca­do por vá­ri­as pes­so­as: sen­do da UNITA, não de­ve­ria di­zer al­go po­si­ti­vo do nos­so ri­val prin­ci­pal. Só que, com a ida­de e ex­pe­ri­ên­cia que ad­qui­ri no mun­do, pa­ra mim a ti­me que mais con­ta­va é An­go­la.

De­pois de ter ou­vi­do o dis­cur­so do can­di­da­to e apa­nha­do as flo­res pa­ra a mi­nha so­bri­nha, fui pa­ra o gran­de al­mo­ço es­pe­ran­do, cla­ro, que aque­le dis­cur­so iria ser­vir co­mo um es­bo­ço pa­ra a con­cre­ti­za­ção dos so­nhos de mui­tos an­go­la­nos. Des­ta vez, o pre­si­den­te João Lourenço acer­tou quan­do dis­se que os ma­les prin­ci­pais do MPLA e a na­ção eram o ne­po­tis­mo, ba­ju­la­ção, im­pu­ni­da­de, cor­rup­ção. Aqui não hou­ve ro­dei­os; o pri­mei­ro pas­so na re­so­lu­ção de um pro­ble­ma é iden­ti­fi­cá-lo com fri­e­za. Pa­ra nós da opo­si­ção, de re­pen­te o MPLA se tor­nou num ri­val mais for­mi­dá­vel, já que pa­re­ce ter aban­do­na­do ava­li­ar as coi­sas usan­do a pe­dra de to­que de sem­pre; te­mos que co­me­çar a fa­zer os nos­sos de­ve­res com se­ri­e­da­de, o que po­de­rá nos for­ta­le­cer.

A re­mo­de­la­ção nos go­ver­na­do­res das pro­vín­ci­as tam­bém es­tá dar mui­to que fa­lar. O go­ver­na­dor pro­vin­ci­al, te­o­ri­ca­men­te, é o re­pre­sen­tan­te do pre­si­den­te na pro­vín­cia; ele ou ela es­tá na li­nha da fren­te no pro­ces­so de con­cre­ti­zar das es­tra­té­gi­as. O go­ver­na­dor ide­al de­ve pos­suir aque­la com­bi­na­ção ra­ra de li­der/vi­si­o­ná­rio e ge­ren­te. Is­to sig­ni­fi­ca que na re­a­li­da­de o pre­si­den­te tem que se apoi­ar em vá­ri­os lí­de­res nas pro­vín­ci­as. Fa­la-se mui­to de par­ce­ri­as en­tre o pú­bli­co e o pri­va­do. Não me can­so de di­zer que a Fló­ri­da, o es­ta­do em que vi­vo nos Es­ta­dos Uni­dos, foi cons­truí­da por em­pre­sá­ri­os co­mo o Henry Fla­gler que, cla­ro, ope­ra­vam com a bên­ção do go­ver­no. O go­ver­no cria o cli­ma que fa­ci­li­ta as ope­ra­ções dos em­pre­sá­ri­os – em cer­tas ins­tân­ci­as, cla­ro, uma es­ti­mu­la­ção fi­nan­cei­ra.

De­pois do al­mo­ço na ca­sa da Me­na, na­que­la noi­te, de­ci­di re­gres­sar ao Hu­am­bo pas­san­do pe­lo o Kat­chiun­go pa­ra vi­si­tar o meu ir­mão mais ve­lho, Augusto Ma­teus. Pas­sa­mos uma par­te da cor­di­lhei­ra de Lum­ban­gan­da. À nos­sa di­rei­ta, ha­via as lu­zes do que era pra­ti­ca­men­te uma ci­da­de. Es­tá­va­mos pe­ran­te Ca­me­la – a al­deia que o em­pre­sá­rio Se­gun­da Amões trans­for­mou nu­ma lo­ca­li­da­de ir­re­co­nhe­cí­vel usan­do os seus pró­pri­os re­cur­sos.

Ve­nho acom­pa­nhan­do a evo­lu­ção da Ca­me­la des­de 2004 quan­do fui lá pe­la a pri­mei­ra vez. Ca­me­la fi­ca per­to de Ma­ni­co, a al­deia do meu avô Njam­ba. Há ve­zes que su­bo nas mon­ta­nhas a vol­ta da Ca­me­la pa­ra as al­dei­as de Ca­va­va, San­te­ria, Sa­chi­pan­gue­le etc pa­ra apre­ci­ar as pai­sa­gens da in­fân­cia do meu pai e ti­os. O Se­gun­da Amões, meu pa­ren­te, ti­nha trans­for­ma­do aqui­lo: sou­be que a es­tra­da, fei­ta por ele, já ul­tra­pas­sou Ca­va­va. Na pró­pria Ca­me­la, não é só a es­co­la, hos­pi­tal, es­ta­lei­ro que es­ta­vam a fun­ci­o­nar: já exis­te es­tru­tu­ras que es­tão a ge­rir fun­dos atra­vés do tu­ris­mo. Ca­me­la po­de ser re­pro­du­zi­da em vá­ri­os can­tos de An­go­la; não é pre­ci­so, nes­te ca­so, de in­ven­tar a ro­da – é só fa­ci­li­tar que o em­pre­sá­rio Se­gun­da Amōes re­pli­que o seu pro­jec­to.

Quan­do se fa­la de em­pre­sá­rio sé­rio e de­di­ca­do á An­go­la, não há me­lhor can­di­da­to do que o Se­gun­da Amões. Já es­ti­ve com o Se­gun­da Amões em lo­cais de imen­so con­for­to em vá­ri­as par­tes do mun­do; tam­bém já es­ti­ve com ele em reu­niões qua­se in­ter­mi­ná­veis com os ko­tas das al­dei­as que eram cép­ti­cos so­bre os seus pla­nos de co­mo a área de­ve­ria ser de­sen­vol­vi­da. Já es­ti­ve ao la­do do Se­gun­da nas al­dei­as pa­ra con­ven­cer as fa­mí­li­as que de­ve­ri­am man­dar os fi­lhos e fi­lhas pa­ra a es­co­la.

Lem­bro-me, até, de co­mo uma fa­mí­lia em pâ­ni­co cha­mou o Se­gun­da por­que de re­pen­te a sa­la ti­nha se tor­na­do nu­ma nas­cen­te a jor­rar água. O Se­gun­da te­ve que con­ven­cer a fa­mí­lia que em vez de ver aqui­lo co­mo um pro­ble­ma, eles de­ve­ri­am con­si­de­rar a água jor­ran­te uma ben­ção já que ela es­co­a­va nu­ma bai­xa que po­de­ria ser­vir pa­ra o cul­ti­vo de vá­ri­os pro­du­tos. Sim An­go­la pre­ci­sa de em­pre­sá­ri­os que en­ten­dem um ba­lan­ce­te, mas que po­dem re­sol­ver aque­les con­fli­tos com­pli­ca­dís­si­mos que vão sur­gin­do nu­ma so­ci­e­da­de em mu­dan­ça.

Es­tou a es­cre­ver es­ta cró­ni­ca cá em Jack­son­vil­le de ma­las fei­tas. Es­tou a ca­mi­nho de An­go­la, aon­de da­rei al­gu­mas pa­les­tras nu­ma fa­cul­da­de so­bre as mu­dan­ças no con­ti­nen­te Afri­ca­no, e de­pois, cla­ro, irei pa­ra a Ca­me­la. Qu­e­ro ir lá so­nhar, pro­cu­rar flo­res sil­ves­tres, ou­vir os can­tos dos pás­sa­ros, e ten­tar bei­jar aque­le sol azul do Lum­ban­gan­da. Is­to é pos­sí­vel gra­ças ao tra­ba­lho do Se­gun­da Amões e tan­ta gen­te que com ele co­la­bo­ra. En­quan­to es­pe­cu­las­se so­bre fi­gu­ras que usu­fruí­ram tan­to da na­ção An­go­la­na mais pre­fe­rem go­zar as su­as for­tu­nas cá fo­rá, tal­vez che­gou o tem­po do go­ver­no dar pri­o­ri­da­de á em­pre­sá­ri­os que vão ver­da­dei­ra­men­te cri­ar in­fra-es­tru­tu­ras pa­ra aon­de mes­mo nos, fi­lhos das diás­po­ra An­go­la­na, po­de­re­mos ir pa­ra so­nhar, pen­sar, e até mes­mo pro­cu­rar por flo­res sil­ves­tres com dis­cur­sos que ins­pi­ram no fun­do.

Des­ta vez, o pre­si­den­te João Lourenço acer­tou quan­do dis­se que os ma­les prin­ci­pais do MPLA e a na­ção eram o ne­po­tis­mo, ba­ju­la­ção, im­pu­ni­da­de, cor­rup­ção.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.