Ko­fi An­nan e a ONU

Jornal de Angola - - OPINIÃO -

Ko­fi An­nan , an­ti­go se­cre­tá­rio-ge­ral da Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das (ONU) foi on­tem a en­ter­rar na sua ter­ra na­tal. A mor­te de Ko­fi An­nan, gha­nen­se, aba­lou o mun­do, em par­ti­cu­lar a Áfri­ca, que se sen­tiu or­gu­lho­sa de ter um fi­lho, de­pois de Bou­tros Gha­li, à fren­te de uma das mais pres­ti­gi­a­das or­ga­ni­za­ções internacionais.

É jus­to que se pres­te ho­me­na­gem a Ko­fi An­nan que foi um se­cre­tá­rio-ge­ral das Na­ções Uni­das que te­ve de en­fren­tar si­tu­a­ções com­ple­xas mun­di­ais, co­mo a guer­ra no Ira­que. Não é por aca­so que, quan­do pas­sou as pas­tas a Ban Ki-mo­on, seu su­ces­sor, dis­se que es­te ha­via de ocu­par "o car­go mais im­pos­sí­vel do mun­do".

Ele sa­bia do que es­ta­va a di­zer. Não é fá­cil es­tar à fren­te, co­mo se­cre­tá­rio-ge­ral, de uma or­ga­ni­za­ção co­mo a ONU. Há vá­ri­os in­te­res­ses em jo­go que se con­fron­tam per­ma­nen­te­men­te na Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das, num con­tex­to em que o mun­do é ain­da do­mi­na­do pe­la von­ta­de de su­per­po­tên­ci­as, que não abrem mão dos seus in­te­res­ses es­tra­té­gi­cos.

Em­bo­ra se di­ga que as Na­ções Uni­das não re­sol­vem mui­tos dos pro­ble­mas mun­di­ais, a ver­da­de é que es­ta or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal é ain­da ne­ces­sá­ria, por­que é ca­paz , ape­sar de mui­tas das su­as fra­gi­li­da­des, em ter­mos de ac­tu­a­ção, de mi­ti­gar mui­tos pro­ble­mas que ocor­rem no mun­do, co­mo cri­ses hu­ma­ni­tá­ri­as, de­cor­ren­tes de con­fli­tos ar­ma­dos.

Sem as Na­ções Uni­das os pro­ble­mas no mun­do se­ri­am pi­o­res e inú­me­ros. É ver­da­de que a ONU se acha li­mi­ta­da na sua ac­tu­a­ção em mui­tos ca­sos, não po­den­do re­sol­ver to­dos os pro­ble­mas que ocor­rem no mun­do. Mas não se de­ve dei­xar de se atri­buir im­por­tân­cia a uma or­ga­ni­za­ção da di­men­são das Na­ções Uni­das, que mui­tas vi­das sal­vou em vá­ri­as par­tes do mun­do. Ko­fi An­nan foi a en­ter­rar, mas a sua obra de ho­mem que se pre­o­cu­pou com as pes­so­as nun­ca se­rá es­que­ci­da. É pre­ci­so que ha­ja no mun­do, em Áfri­ca ou em ou­tra par­te do mun­do, pes­so­as que, no exer­cí­cio de car­gos em or­ga­ni­za­ções internacionais, pri­o­ri­zem a de­fe­sa do bem-es­tar dos se­res hu­ma­nos.

Mi­lhões de pes­so­as, ho­mens, mu­lhe­res e cri­an­ças, con­ti­nu­am a so­frer em vir­tu­de de con­fli­tos e de cri­ses hu­ma­ni­tá­ri­as. De­ve con­ti­nu­ar a ha­ver uma in­ter­ven­ção per­ma­nen­te de or­ga­ni­za­ções internacionais pa­ra re­sol­ver mui­tos pro­ble­mas que afli­gem a hu­ma­ni­da­de. A ONU é uma gran­de or­ga­ni­za­ção mun­di­al em qu­em os po­vos do mun­do de­po­si­tam mui­ta con­fi­an­ça. Os po­vos do mun­do acre­di­tam que a ONU é uma or­ga­ni­za­ção ca­paz de con­tri­buir pa­ra tor­nar o mun­do num lu­gar bom pa­ra se vi­ver. Afi­nal não te­mos ou­tro mun­do pa­ra vi­ver, pe­lo que te­mos de nos pre­o­cu­par em lu­tar pa­ra que os seus ha­bi­tan­tes te­nham ca­da vez me­nos pro­ble­mas a en­fren­tar.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.