CAR­TAS DOS LEI­TO­RES

Jornal de Angola - - OPINIÃO - ÂNGELA PIN­TO Ta­la­to­na me­lhor se­jam se­gui­dos por ou­tros ho­mens, em par­ti­cu­lar os afri­ca­nos. TE­RE­SA FRAN­CIS­CO Ca­zen­ga

A cor­rup­ção e as ins­ti­tui­ções

Fa­la-se ho­je mui­to de com­ba­te à cor­rup­ção. Sa­be-se que a cor­rup­ção é um dos mai­o­res ma­les da nos­sa so­ci­e­da­de. Te­mos ou­vi­do go­ver­nan­tes a di­zer que é pre­ci­so ex­tir­par a cor­rup­ção das nos­sas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do. Sei que não vai ser ta­re­fa fá­cil re­du­zir os ní­veis de cor­rup­ção no país, mas já é po­si­ti­vo que ha­ja um Go­ver­no que es­tá dis­pos­to a com­ba­tê-la com de­ter­mi­na­ção e co­ra­gem.

Os que sem­pre vi­ve­ram em An­go­la sen­ti­ram os efei­tos ne­fas­tos dos ac­tos de cor­rup­ção de pes­so­as que es­ta­vam li­ga­das ao po­der. Mui­ta gen­te so­freu por cau­sa da cor­rup­ção nas nos­sas ins­ti­tui­ções pú­bli­cas. Os ci­da­dãos que­rem ago­ra ver si­nais de ver­da­dei­ras mu­dan­ças nas ins­ti­tui­ções do Es­ta­do, no sen­ti­do de se aca­bar com prá­ti­cas ne­ga­ti­vas co­mo o en­ri­que­ci­men­to ilí­ci­to. Que à fren­te das ins­ti­tui­ções do Es­ta­do es­te­jam pes­so­as pa­tri­o­tas e ho­nes­tas. De­ve-se evi­tar a no­me­a­ção pa­ra car­gos pú­bli­cos e de ele­va­da res­pon­sa­bi­li­da­de de pes­so­as que no pas­sa­do de­ram pro­vas de que só sa­bem des­vi­ar fun­dos pú­bli­cos pa­ra seu pro­vei­to. E es­sas pes­so­as que ge­ri­ram mal ins­ti­tui­ções do Es­ta­do no pas­sa­do são co­nhe­ci­das. Não se de­ve in­sis­tir nos er­ros, no que a no­me­a­ções de pes­so­as pa­ra car­gos pú­bli­cos diz res­pei­to.

Mor­te de Ko­fi An­nan

Ko­fi An­nan, an­ti­go se­cre­tá­rio ge­ral da ONU, foi o pri­mei­ro ne­gro afri­ca­no a di­ri­gir uma or­ga­ni­za­ção da di­men­são da ONU (Or­ga­ni­za­ção das Na­ções Uni­das). Co­mo afri­ca­no, sin­to-me or­gu­lho­so do fac­to de Ko­fi An­nan, um gha­nen­se, ter di­ri­gi­do a ONU du­ran­te dois man­da­tos. Gos­ta­ria que ele vi­ves­se mais tem­po, ten­do em con­ta o co­nhe­ci­men­to pro­fun­do que ti­nha do mun­do. Ele lu­tou sem­pre por um mun­do me­lhor, por um mun­do de paz e por um mun­do em que to­dos ti­ves­sem uma vi­da dig­na. Te­mos de ter no mun­do mais ho­mens e mu­lhe­res co­mo Ko­fi An­nan. O nos­so mun­do an­da mui­to mal. Há mui­ta po­bre­za, mui­ta vi­o­lên­cia, mui­ta in­jus­ti­ça e mui­to des­pre­zo pe­la vi­da dos que vi­vem na po­bre­za e na mi­sé­ria. Que os es­for­ços fei­tos por Ko­fi An­nan pa­ra a cons­tru­ção de um mun­do ÁL­VA­RO JOÃO Sam­ba

Me­ren­da es­co­lar

Gos­ta­va que no pró­xi­mo Orçamento Ge­ral de Es­ta­do se pre­vis­se um au­men­to subs­tan­ci­al da ru­bri­ca re­la­ti­va à Edu­ca­ção, pa­ra que es­te sec­tor pu­des­se dar me­ren­da es­co­lar a to­das as es­co­las pú­bli­cas de An­go­la. Es­pe­ro que o Go­ver­no au­men­te as ver­bas pa­ra a Edu­ca­ção no sen­ti­do de as nos­sas cri­an­ças das es­co­las pri­má­ri­as te­rem pe­lo me­nos uma re­fei­ção nos es­ta­be­le­ci­men­tos de en­si­no em que es­tu­dam. É tam­bém im­por­tan­te que ha­ja di­nhei­ro pa­ra se cui­dar da hi­gi­e­ne nas es­co­las. Não é jus­to que os es­tu­dan­tes es­te­jam a es­tu­dar sem ca­sas de ba­nho.

Que se to­mem me­di­das pa­ra que no pró­xi­mo ano as nos­sas es­co­las pú­bli­cas do en­si­no pri­má­rio e se­cun­dá­rio te­nham ou­tras con­di­ções, pa­ra pro­fes­so­res e es­tu­dan­tes. É tem­po de co­me­çar­mos a ter um país em que as coi­sas fun­ci­o­nem.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.