Sis­te­ma fi­nan­cei­ro in­ver­te ten­dên­cia de de­gra­da­ção

José de Li­ma Mas­sa­no anun­cia re­cu­pe­ra­ção da es­ta­bi­li­da­de no lan­ça­men­to do re­la­tó­rio “Ban­ca em Aná­li­se 2017”, da De­loit­te

Jornal de Angola - - ECONOMIA - Vic­to­ri­no Joaquim

O sis­te­ma fi­nan­cei­ro an­go­la­no ten­de a in­ver­ter o ín­di­ce de es­ta­bi­li­da­de ao lon­go do se­gun­do se­mes­tre des­te ano, de­cla­rou on­tem o go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), ci­tan­do ins­ti­tui­ções co­mo o Ban­co Mun­di­al e o Fun­do Mo­ne­tá­rio In­ter­na­ci­o­nal.

José de Li­ma Mas­sa­no, que fa­la­va du­ran­te a divulgação do re­la­tó­rio “Ban­ca em Aná­li­se 2017”, da em­pre­sa de con­sul­to­ria De­loit­te, afir­mou que a re­cu­pe­ra­ção sur­ge de­pois de um pro­ces­so de de­gra­da­ção da es­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma fi­nan­cei­ro que se ve­ri­fi­ca­va des­de 2015.

Ape­sar das pre­vi­sões de me­lho­ria, dis­se o res­pon­sá­vel, a vul­ne­ra­bi­li­da­de ma­cro­e­co­nó­mi­ca que ain­da se ob­ser­va, in­cre­men­ta a res­pon­sa­bi­li­da­de do BNA na pre­ven­ção, ges­tão e re­so­lu­ção dos de­sa­fi­os que se le­van­tam ao sis­te­ma fi­nan­cei­ro.

O go­ver­na­dor apon­tou, co­mo par­te des­sas res­pon­sa­bi­li­da­des, a cri­a­ção do Fun­do de Ga­ran­tia dos De­pó­si­tos, um ins­tru­men­to de pro­tec­ção dos de­po­si­tan­tes que é usa­do por 120 paí­ses no mun­do e per­mi­te a re­cu­pe­ra­ção de de­pó­si­tos efec­tu­a­dos pe­los cli­en­tes em ca­so de in­sol­vên­cia de de­ter­mi­na­das ins­ti­tui­ções de­po­si­tá­ri­as, sen­do es­te mais um mar­co im­por­tan­te na cre­di­bi­li­za­ção do Sis­te­ma Fi­nan­cei­ro do país.

Mal­pa­ra­do du­pli­cou

José de Li­ma Mas­sa­no anun­ci­ou que o rá­cio de cré­di­to mal­pa­ra­do mais do que du­pli­cou nos úl­ti­mos três anos, de 11 por cen­to em De­zem­bro de 2015, pa­ra 26 por cen­to no de­cur­so des­te ano.

Es­sa evo­lu­ção de­ve-se ao au­men­to das di­fi­cul­da­des de re­em­bol­so dos em­prés­ti­mos por par­te das fa­mí­li­as e das em­pre­sas, es­tas, mais sen­ti­das nos sec­to­res do co­mér­cio, cons­tru­ção e ac­ti­vi­da­des imo­bi­liá­ri­as, apon­tou o go­ver­na­dor.

Ac­ti­vos em al­ta

O es­tu­do re­ve­la que o va­lor to­tal dos ac­ti­vos das ins­ti­tui­ções fi­nan­cei­ras as­cen­deu a 10.129.800 mi­lhões de kwan­zas em 2017, o que cor­res­pon­deu a um cres­ci­men­to de 3,00 por cen­to fa­ce a 2016.

De acor­do com o es­tu­do, o to­tal do re­sul­ta­do lí­qui­do do sec­tor ban­cá­rio na­ci­o­nal re­gis­tou, em 2017, um de­crés­ci­mo de 6,00 por cen­to em re­la­ção ao ano an­te­ri­or, cain­do pa­ra os 158.910 mi­lhões de kwan­zas.

José Ba­ra­ta, só­cio e lí­der do Sec­tor Fi­nan­cei­ro da De­loit­te An­go­la, que apre­sen­tou o es­tu­do, re­fe­riu que, “no âm­bi­to da ac­ti­vi­da­de ban­cá­ria, as­sis­ti­mos em 2017, uma tra­jec­tó­ria mis­ta no com­por­ta­men­to dos prin­ci­pais in­di­ca­do­res do sec­tor”.

Ob­ser­vou-se um au­men­to glo­bal do to­tal dos ac­ti­vos e dos ca­pi­tais pró­pri­os dos ban­cos, mas o cré­di­to lí­qui­do con­ce­di­do a cli­en­tes, o pro­du­to ban­cá­rio e os re­sul­ta­dos lí­qui­dos dos ban­cos re­gis­ta­ram um de­crés­ci­mo, afir­mou.

Es­ta foi a 13ª edi­ção do re­la­tó­rio que, além de abor­dar o de­sem­pe­nho do sec­tor fi­nan­cei­ro, ava­lia as pers­pec­ti­vas de evo­lu­ção, bem co­mo de­sa­fi­os do sec­tor, cons­ti­tuí­do por cer­ca de 30 ban­cos.

SAN­TOS PEDRO| EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Go­ver­na­dor do BNA na apre­sen­ta­ção do “Ban­ca em Aná­li­se”

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.