De­cla­ra­ção de fa­lên­cia do BESA con­ti­nua vá­li­da

Jornal de Angola - - ECONOMIA -

O go­ver­na­dor do Ban­co Na­ci­o­nal de An­go­la (BNA), José de Li­ma Mas­sa­no, re­cu­sou-se on­tem a co­men­tar as de­cla­ra­ções do ex-pre­si­den­te da Co­mis­são Exe­cu­ti­va do BESA, Ál­va­ro So­bri­nho, em en­tre­vis­ta à TPA, se­gun­do as quais a fa­lên­cia do BESA foi uma de­ci­são po­lí­ti­ca.

In­ter­ro­ga­do so­bre o as­sun­to, José de Li­ma Mas­sa­no, que na al­tu­ra tam­bém era o go­ver­na­dor do BNA, re­me­teu os jor­na­lis­tas pa­ra os do­cu­men­tos di­vul­ga­dos pe­lo BNA na al­tu­ra em que a fa­lên­cia do BESA foi de­cla­ra­da.

Num co­mu­ni­ca­do da­ta­do de 4 de Agos­to de 2014, o BNA in­for­mou à opi­nião pú­bli­ca que, “em con­sequên­cia da de­gra­da­ção da sua car­tei­ra de cré­di­to, que afec­tou os seus ní­veis de li­qui­dez e de sol­va­bi­li­da­de”, o BESA pe­diu, num pri­mei­ro mo­men­to, a in­ter­ven­ção do Es­ta­do com a emis­são de uma ga­ran­tia so­be­ra­na.

De mo­do a ga­ran­tir a pro­tec­ção dos de­po­si­tan­tes e o cum­pri­men­to das de­mais res­pon­sa­bi­li­da­des do BESA, bem co­mo as­se­gu­rar a con­tí­nua es­ta­bi­li­da­de do sis­te­ma fi­nan­cei­ro na­ci­o­nal, pros­se­gue o do­cu­men­to, nos ter­mos do ar­ti­go 110 da Lei das Ins­ti­tui­ções Fi­nan­cei­ras, o con­se­lho de ad­mi­nis­tra­ção do BNA de­li­be­rou a adop­ção de me­di­das ex­tra­or­di­ná­ri­as de sa­ne­a­men­to do BESA, ten­do pa­ra o efei­to pro­ce­di­do à no­me­a­ção de ad­mi­nis­tra­do­res pro­vi­só­ri­os pa­ra a ins­ti­tui­ção.

No co­mu­ni­ca­do, o BNA ex­pli­ca que as me­di­das vi­sa­vam a re­po­si­ção da sus­ten­ta­bi­li­da­de fi­nan­cei­ra e ope­ra­ci­o­nal do ban­co, har­mo­ni­zan­do-as com as nor­mas pa­ra o exer­cí­cio da ac­ti­vi­da­de ban­cá­ria, não con­tem­plan­do, a in­ter­ven­ção do Es­ta­do no ca­pi­tal des­se ban­co ou o en­vol­vi­men­to de fun­dos pú­bli­cos.

Os ac­ci­o­nis­tas do Ban­co Eco­nó­mi­co, que ab­sor­veu os ac­ti­vos do an­ti­go BESA, tam­bém re­a­gi­ram às de­cla­ra­ções pres­ta­das por Ál­va­ro So­bri­nho ao pro­gra­ma “Gran­de En­tre­vis­ta” da TPA, con­si­de­ran­do-as “fal­sas e ca­lu­ni­o­sas”. Num co­mu­ni­ca­do de im­pren­sa quar­ta-fei­ra, os ac­ci­o­nis­tas afir­ma­ram que Ál­va­ro So­bri­nho men­tiu na for­ma co­mo apre­sen­tou os fac­tos e na ale­ga­ção de fal­ta de so­li­da­ri­e­da­de fa­ce às di­fi­cul­da­des que o ban­co pas­sou a en­fren­tar no mer­ca­do a par­tir de 2012.

Tam­bém con­si­de­ra­ram ser men­ti­ra que Pau­lo Cas­so­ma, apon­ta­do pe­lo em­pre­sá­rio co­mo au­tor de ame­a­ças pa­ra que as­su­mis­se a res­pon­sa­bi­li­da­de pe­lo que acon­te­ceu ao ban­co, o te­nha fei­to, em 2013 ou 2014, sen­do se­cre­tá­rio-ge­ral do MPLA, por­quan­to só as­su­miu o pos­to de­pois do con­gres­so de 2016.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.