Me­ce­nas e be­ne­fi­ciá­ri­os po­dem re­a­li­zar re­gis­tos

Min­jud reu­niu on­tem com em­pre­sá­ri­os, ju­ris­tas e agen­tes des­por­ti­vos na Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal so­bre a Lei do Me­ce­na­to

Jornal de Angola - - DESPORTO - Te­re­sa Luís

Três anos de­pois da pu­bli­ca­ção, em Diá­rio da Re­pú­bli­ca da Lei do Me­ce­na­to, em­pre­sá­ri­os e pes­so­as sin­gu­la­res po­dem ser re­gis­ta­das nas re­par­ti­ções fis­cais, na con­di­ção de me­ce­nas e be­ne­fi­ciá­ri­os, anun­ci­ou on­tem, Agui­nal­do Cris­tó­vão, di­rec­tor do Ga­bi­ne­te Ju­rí­di­co do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra (Min­cult).

O fac­to foi re­ve­la­do du­ran­te a Con­fe­rên­cia Na­ci­o­nal so­bre me­ce­na­to, de­cor­ri­da no Me­mo­ri­al An­tó­nio Agos­ti­nho Ne­to, nu­ma ini­ci­a­ti­va do Mi­nis­té­rio da Ju­ven­tu­de e Des­por­tos (Min­jud), que reu­niu em­pre­sá­ri­os es­tran­gei­ros e na­ci­o­nais, pre­si­den­tes de fe­de­ra­ções, res­pon­sá­veis da Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral Tri­bu­tá­ria e ju­ris­tas.

Se­gun­do Agui­nal­do Cris­tó­vão a Lei do Me­ce­na­to apli­ca­se a to­das as pes­so­as co­lec­ti­vas pú­bli­cas e pri­va­das ha­bi­li­ta­das pa­ra o efei­to, se­de­a­das ou não em ter­ri­tó­rio na­ci­o­nal, cu­ja fi­na­li­da­de é a ma­te­ri­a­li­za­ção das po­lí­ti­cas pú­bli­cas nos dis­tin­tos sec­to­res da so­ci­e­da­de.

“A lei pre­vê três ti­pos de li­be­ra­li­da­de: di­nhei­ro, pres­ta­ção de ser­vi­ços e bens. Mas só têm re­le­vân­cia se fo­rem dis­po­ni­bi­li­za­dos sem quais­quer con­tra­par­ti­das “, ex­pli­cou.

Em com­pen­sa­ção, 40 por cen­to das res­pon­sa­bi­li­da­des fis­cais dos em­pre­sá­ri­os são re­du­zi­das pe­lo Es­ta­do. Po­dem ser me­ce­nas pes­so­as co­lec­ti­vas, com a si­tu­a­ção fis­cal e con­tri­bui­ções no Ins­ti­tu­to de Se­gu­ran­ça So­ci­al re­gu­la­ri­za­das.

Por ou­tro la­do, pes­so­as co­lec­ti­vas ou sin­gu­la­res com ca­pa­ci­da­de e per­so­na­li­da­de ju­rí­di­ca, si­tu­a­ção fis­cal e con­ta­bi­li­da­de or­ga­ni­za­da po­dem ser be­ne­fi­ciá­ri­os da lei. O di­rec­tor do Min­cult acla­rou ain­da que os me­ce­nas têm a li­ber­da­de de es­co­lher os pro­jec­tos a se­rem apoi­a­dos, mas es­tá ve­ta­da a pu­bli­ci­da­de das em­pre­sas, em­bo­ra pos­sam ser re­fe­ren­ci­a­das.

“A im­ple­men­ta­ção da Lei do Me­ce­na­to é um de­sa­fio a ser efec­ti­va­do. Há me­ce­nas que po­dem ter du­pla fun­ção. Por exem­plo, se um gru­po em­pre­sa­ri­al cria uma fun­da­ção fo­ca­da no sec­tor so­ci­al. Nes­te ca­so o gru­po é o me­ce­nas e a fun­da­ção o be­ne­fi­ciá­rio que, por sua vez, vai aju­dar ou­tras pes­so­as”, es­cla­re­ceu Agui­nal­do Cris­tó­vão.

Du­ran­te a con­fe­rên­cia foi ain­da re­al­ça­do que a po­lí­ti­ca de pa­tro­cí­nio vai con­ti­nu­ar, e a Lei do Me­ce­na­to de­ve ser vis­ta co­mo mais um me­ca­nis­mo de fi­nan­ci­a­men­to: "é pre­ci­so evi­tar con­fu­sões en­tre pa­tro­ci­na­dor e me­ce­nas. Não há obri­ga­to­ri­e­da­de de se­rem me­ce­nas. Qu­em qui­ser con­ti­nu­ar co­mo pa­tro­ci­na­dor, há le­gis­la­ção pa­ra o efei­to".

No de­ba­te, ques­tões re­la­ci­o­na­das com a au­sên­cia de pu­bli­ci­da­de fo­ram le­van­ta­das.

Se­gun­do os em­pre­sá­ri­os, a lo­go mar­ca é o mai­or ca­pi­tal, e por es­ta ra­zão de­fen­dem a divulgação das mes­mas. “Pre­fi­ro con­ti­nu­ar co­mo pa­tro­ci­na­do­ra e ter a mi­nha mar­ca sem­pre re­pre­sen­ta­da. O fac­to de re­du­zi­rem 40 por cen­to da re­cei­ta fis­cal não é mo­ti­va­dor”, dis­se uma em­pre­sá­ria.

A apre­sen­ta­ção de pro­jec­tos, aná­li­se da co­mis­são de ava­li­a­ção e a apro­va­ção ou re­jei­ção são os pas­sos pe­los quais os pro­jec­tos vão pas­sar. De Ju­nho a De­zem­bro de ca­da ano, é o pe­río­do de ela­bo­ra­ção dos pro­gra­mas pa­ra o ano eco­nó­mi­co se­guin­te.

No mês de Fe­ve­rei­ro, as em­pre­sas de­vem de­cla­rar os bens e ser­vi­ços, en­quan­to os me­ce­nas de­vem fa­zer o re­gis­to, a apre­sen­ta­ção de pro­jec­tos e ges­tão dos mes­mos. O Es­ta­do, por sua vez, tem a obri­ga­ção de cri­ar a co­mis­são de ava­li­a­ção de pro­jec­tos e acom­pa­nhar a isen­ção de du­pla tri­bu­ta­ção.

“É pre­ci­so evi­tar con­fu­sões en­tre pa­tro­ci­na­dor e me­ce­nas. Não há obri­ga­to­ri­e­da­de de se­rem me­ce­nas. Qu­em qui­ser con­ti­nu­ar co­mo pa­tro­ci­na­dor, há le­gis­la­ção pa­ra o efei­to”

PAU­LO MULAZA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Em­pre­sá­ri­os aten­tos à ex­pla­na­ção de Agui­nal­do Cris­tó­vão so­bre os be­ne­fí­ci­os da lei

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.