Mi­li­ta­res ter­mi­nam pre­pa­ra­ção pa­ra re­ce­ber “gi­gan­te” afri­ca­no

Ad­jun­to de Zo­ran Mac­ki re­al­ça bom mo­men­to com­pe­ti­ti­vo do 1º de Agos­to co­mo ar­gu­men­to pa­ra tra­var o po­de­rio do vi­ce-cam­peão do Con­go De­mo­crá­ti­co

Jornal de Angola - - DESPORTO - Ho­no­ra­to Sil­va

A res­pi­rar con­fi­an­ça no cres­ci­men­to com­pe­ti­ti­vo do plan­tel, o 1º de Agos­to ter­mi­na es­ta ma­nhã, no Es­tá­dio Fran­ça Nda­lu, a pre­pa­ra­ção do jo­go fren­te ao TP Ma­zem­be, ama­nhã às 17h00, no Es­tá­dio Na­ci­o­nal 11 de No­vem­bro, re­fe­ren­te à pri­mei­ra “mão” dos quar­tos-de-fi­nal da Li­ga dos Clu­bes Cam­peões Afri­ca­nos de fu­te­bol.

O cor­po téc­ni­co dos mi­li­ta­res do Rio Se­co, li­de­ra­do pe­lo sér­vio Zo­ran Mac­ki, pri­vi­le­gia, na úni­ca ses­são do dia, a con­so­li­da­ção dos as­pec­tos tác­ti­cos do jo­go, sem­pre com o fo­co na li­mi­ta­ção do ad­ver­sá­rio, cu­ja ma­triz as­sen­ta na pres­são al­ta e con­tac­to fí­si­co, pa­ra as saí­das rá­pi­das em ac­ções ofen­si­vas, de mo­do a ti­rar pro­vei­to do des­po­si­ci­o­na­men­to da de­fe­sa con­trá­ria, so­bre­tu­do após a per­da da bo­la no ata­que.

A com­po­nen­te tác­ti­ca da pre­pa­ra­ção dos tri-cam­peões an­go­la­nos, quer nos exer­cí­ci­os em es­pa­ço re­du­zi­do, quer na si­mu­la­ção de ac­ções de cam­po gran­de, com pos­se de bo­la, pa­ra pro­jec­ção do ata­que, tem re­ve­la­do cau­te­las qu­an­to à ca­pa­ci­da­de de re­ac­ção e re­a­jus­ta­men­to de­fen­si­vo, de mo­do a evi­tar que o úl­ti­mo re­du­to fi­que ex­pos­to a um even­tu­al con­tra-ata­que.

Aliás, a co­e­são de­fen­si­va des­ta­ca-se co­mo o tra­ço ca­rac­te­ri­za­dor do 1º de Agos­to mol­da­do por Mac­ki, ao so­frer 4 go­los, em seis jo­gos na fa­se de gru­pos, quan­do no re­cém­ter­mi­na­do Gi­ra­bo­la pas­sou com o no­tá­vel re­gis­to de 8 ten­tos con­sen­ti­dos, num to­tal de 28 jor­na­das.

Pa­ra tal, tem pe­sa­do o en­tro­sa­men­to en­tre o “ca­pi­tão” Da­ni Ma­sun­gu­na e Bo­bó, cen­tral de ele­va­da es­tam­pa fí­si­ca e apu­ra­do sen­ti­do de an­te­ci­pa­ção, co­mo os pi­la­res da mu­ra­lha pro­tec­to­ra da ba­li­za à guar­da de Tony Ca­ba­ça, o ac­ti­vo mais an­ti­go do bal­neá­rio ru­bro e ne­gro.

Nos cor­re­do­res la­te­rais, a apos­ta tem si­do, na au­sên­cia de Na­ta­el, le­si­o­na­do de lon­ga du­ra­ção, num ro­dí­zio. Na es­quer­da, Pai­zo sur­ge co­mo pri­mei­ra es­co­lha, es­col­ta­do por Gu­e­lor, um dos fac­to­res de equi­lí­brio e co­e­são da equi­pa, ape­sar de in­com­pre­en­di­do e ma­la­ma­do pe­los adep­tos, que es­pe­ra­vam de­le o re­gis­to ofen­si­vo de go­le­a­dor pu­bli­ci­ta­do ao ser­vi­ço do ASA.

Pa­ra o cor­re­dor di­rei­to, as ta­re­fas são con­fi­a­das aos ex­pe­ri­en­tes Isa­ac e Min­go Bi­le, que al­ter­nam a ti­tu­la­ri­da­de, me­di­an­te as ca­rac­te­rís­ti­cas do opo­si­tor e do ní­vel de exi­gên­cia do de­sa­fio, en­quan­to no meio cam­po, a cha­ma­da “ca­sa das má­qui­nas”, é de­ter­mi­nan­te o de­sem­pe­nho de Show e Má­rio, dois acha­dos da for­ma­ção do clu­be, co­or­de­na­dos pe­lo ni­ge­ri­a­no Ibu­kun, o fa­rol da equi­pa no lan­ça­men­to ata­que.

No úl­ti­mo ter­ço, pa­ra o as­sal­to à de­fe­sa con­trá­ria, Ge­ral­do sur­ge aber­to co­mo ex­tre­mo pu­ro, com a ta­re­fa de ali­men­tar a ver­ti­gem ofen­si­va, nu­ma es­tru­tu­ra in­te­gra­da por Mon­go, agi­ta­dor das ac­ções pe­lo cor­re­dor cen­tral, ao pas­so que Jac­ques, sem po­si­ci­o­na­men­to fi­xo, de­am­bu­la en­tre a área e a meia-lua, pa­ra fi­na­li­zar.

Con­fi­an­ça na equi­pa

Nu­ma al­tu­ra em que o cli­ma na tri­bo do fu­te­bol pa­re­ce agi­ta­do, no­me­a­da­men­te de­pois da che­ga­da do TP Ma­zem­be, com mui­tos adep­tos do ar­qui-ri­val Pe­tro de Lu­an­da a to­mar par­ti­do pe­los fo­ras­tei­ros, nos dis­cur­sos, em no­me de uma pre­ten­sa ri­va­li­da­de sem tré­guas, Ivo Tra­ça, trei­na­dor-ad­jun­to, tran­qui­li­za a "na­ção agos­ti­na".

“O gru­po es­tá a tra­ba­lhar bem e mui­to mo­ti­va­do. Va­mos jo­gar com um ad­ver­sá­rio for­te e mui­to po­de­ro­so em Áfri­ca. Mas, nós 1º de Agos­to tam­bém es­ta­mos a atra­ves­sar um bom mo­men­to des­por­ti­vo. Jo­gar com o TP Ma­zem­be dá ain­da mais mo­ti­va­ção aos jo­ga­do­res”, ga­ran­tiu.

A for­ça do his­to­ri­al do ad­ver­sá­rio é, se­gun­do o téc­ni­co, ape­nas um mo­ti­vo de res­pei­to e va­lo­ri­za­ção, por is­so es­tá lon­ge de in­ti­mi­dar: “É ver­da­de que é uma equi­pa for­te, mas não é im­ba­tí­vel. O 1º de Agos­to tam­bém é for­te e es­tá bem. Te­mos de man­dar. Lu­tar pa­ra ga­nhar es­se jo­go. Fa­zer tu­do pa­ra não de­frau­dar o país. Nes­te mo­men­to já não es­tão a ver só o 1º de Agos­to. Sei que os nos­sos miú­dos vão fa­zer um bom jo­go”.

Nos cor­re­do­res la­te­rais, a apos­ta tem si­do, na au­sên­cia de Na­ta­el, le­si­o­na­do de lon­ga du­ra­ção, num ro­dí­zio. Na es­quer­da, Pai­zo sur­ge co­mo pri­mei­ra es­co­lha, es­col­ta­do por Gu­e­lor

JOSÉ CO­LA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Jo­ga­do­res do tri-cam­peão an­go­la­no es­tão mo­ti­va­dos pa­ra en­fren­tar co­los­so do con­ti­nen­te

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.