Nós e a vi­o­lên­cia se­xu­al

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Sou­sa Jam­ba

A en­tre­ga do pré­mio No­bel da Paz ao con­go­lês Den­nis Mukwe­ge fez lem­brar um acon­te­ci­men­to em No­va Ior­que nos anos 90 do sé­cu­lo pas­sa­do que me mar­cou bas­tan­te. Es­tá­va­mos nu­ma con­fe­rên­cia so­bre o am­bi­en­te em Áfri­ca quan­do uma mu­lher con­go­le­sa, bas­tan­te agi­ta­da, pe­gou no mi­cro­fo­ne e co­me­çou a fa­lar so­bre a for­ma co­mo as mu­lhe­res eram abu­sa­das se­xu­al­men­te no seu país. Quem es­ta­va a di­ri­gir a con­fe­rên­cia ten­tou ti­rar o mi­cro de­la mas a maioria do pú­bli­co (mu­lhe­res e ho­mens) in­sis­ti­ram que a se­nho­ra con­go­le­sa fa­las­se. Por al­guns mo­men­tos, ela fi­cou lá em frente a la­gri­mar. Um aca­dé­mi­co afro-ame­ri­ca­no foi ao la­do da se­nho­ra, abra­çou-lhe e dis­se que po­dia cho­rar e con­tar a sua his­tó­ria ao mes­mo tempo. Eu ti­nha vis­to a vi­o­lên­cia se­xu­al em vá­ri­os con­fli­tos afri­ca­nos de per­to. In­fe­liz­men­te, es­te foi sem­pre um as­sun­to ao qu­al mui­tos no con­ti­nen­te es­ta­vam in­di­fe­ren­tes.

Em 1998, em Lon­dres, fui con­vi­da­do pa­ra um con­ví­vio com ami­gos con­go­le­ses on­de vi uma gra­va­ção que me­xeu co­mi­go. Uns mi­li­ta­res in­va­dem uma ca­sa de gen­te co­no­ta­da com Mo­bu­tu e as vi­o­lam. As me­ni­nas vão pe­din­do que não se­jam mor­tas. Lo­go de­pois da que­da do Mo­bu­tu, um gru­po de pros­ti­tu­tas en­con­tra­das num ho­tel de Kinsha­sa é tor­tu­ra­do e su­jei­to a vá­ri­os maus tra­tos.

Fiz da cam­pa­nha que de­nun­ci­ou es­te acon­te­ci­men­to - mui­ta gen­te não es­ta­va a le­var a Am­nes­tia In­ter­na­ci­o­nal a sé­rio por­que se tra­ta­va de pros­ti­tu­tas. Lem­bro-me até de ter vi­si­ta­do a fa­le­ci­da gran­de psi­có­lo­ga, Hel­len Bam­ber, cu­ja fun­da­ção tra­ta­va ví­ti­mas de tor­tu­ra nas guer­ras.

Eu já vi mu­lhe­res a se­rem vi­o­la­das. Is­to foi num ho­tel no bair­ro Pla­te­au de Abid­jan na Cos­ta do Mar­fim du­ran­te a guer­ra ci­vil. Hou­ve um ti­ro­teio se­ve­ro e fu­gi­mos to­dos pa­ra a ba­se do ho­tel. Lá ha­via umas re­fu­gi­a­das li­be­ri­a­nas. Mi­li­ta­res, al­guns em­bri­a­ga­dos, ou­tros dro­ga­dos, ou­tros pos­suí­dos por aque­les de­mó­ni­os que trans­for­mam os ho­mens em ani­mais bru­tais ti­nham de re­pen­te ti­nham os seus pé­nis trans­for­ma­dos em bai­o­ne­tas. O lo­cal da vi­o­la­ção me­te me­do e no­jo ao mes­mo tempo. A bru­ta­li­da­de ge­ra san­gue, fe­zes, uri­na, vó­mi­tos.

Ana­li­san­do a tra­gé­dia das mu­lhe­res no Les­te do Con­go, fa­la-se mui­to do pou­co va­lor que tra­di­ci­o­nal­men­te se dá as mu­lhe­res. Is­to é ver­da­de mas há um as­pec­to - cha­ve: a cul­tu­ra na qu­al a hu­mi­lha­ção do ven­ci­do, atra­vés do seu cor­po, faz par­te das con­quis­tas da guer­ra. An­ti­ga­men­te, ha­via a tra­di­ção de pôr as ca­be­ças dos ven­ci­dos em es­ta­cas. Na Eu­ro­pa, a cru­el­da­de das guer­ras re­sul­tou no sur­gi­men­to de nor­mas que de­vem ser res­pei­ta­dos nu­ma guer­ra: a não hu­mi­lha­ção do ven­ci­do; a ideia de que al­guém po­de ser pro­ces­sa­do por ex­ces­sos du­ran­te a guer­ra. Em mui­tos paí­ses afri­ca­nos exis­te uma gri­tan­te fal­ta de ins­ti­tui­ções que po­dem fa­zer os ho­mens da guer­ra re­cu­ar nos seus pi­o­res ins­tin­tos.

Em mui­tos con­fli­tos afri­ca­nos há, co­mo fac­tor que mais mo­ti­va, ran­co­res na ba­se de et­ni­as. No Ru­an­da, du­ran­te o ge­no­cí­dio, os tut­sis eram co­nhe­ci­dos pe­lo os seus ad­ver­sá­ri­os co­mo "Inyenzhi" ou ba­ra­tas. No Les­te do Con­go, du­ran­te a guer­ra, eu ou­via his­tó­ri­as de mu­lhe­res (das ou­tras et­ni­as cla­ro) que su­pos­ta­men­te ti­nham den­tes nas va­gi­nas que, de­pois de se­du­zir um ho­mem, mor­di­am-lhe no mo­men­to -cha­ve. Ou­via-se his­tó­ri­as de mu­lhe­res que apa­ren­te­men­te me­ti­am água da ba­te­ria em pre­ser­va­ti­vos pa­ra fe­rir os pé­nis dos ho­mens. Ou­vin­do es­tas his­tó­ri­as, di­tas a miú­dos que não ti­nham até atin­gi­do a pu­ber­da­de mas que ti­nham os seus ka­lash­ni­kovs e ba­las, via-se a cri­a­ção de ver­da­dei­ros mi­só­gi­nos. Ain­da no Les­te do Con­go, na pro­vín­cia do Itu­ri, vi a prá­ti­ca de jo­vens ar­ma­dos be­be­rem um li­gui­do fei­to de uma mis­tu­ra que é tra­di­ci­o­nal­men­te da­da pa­ra tor­na­rem os cães de ca­ça mais agres­si­vos. Al­guns des­tes jo­vens iam pa­ra o com­ba­te com­ple­ta­men­te dro­ga­dos e cheio de ódio a tu­do que en­con­tra­vam à sua frente. Es­tes jo­vens não es­ta­vam in­te­res­sa­dos em co­mo a his­tó­ria iria lhes ver no fu­tu­ro ou mes­mo em pen­sar no ob­jec­ti­vo da sua guer­ra; eles que­ri­am li­qui­dar tu­do e to­dos.

A cam­pa­nha con­tra a vi­o­lên­cia se­xu­al vai ter que man­ter em men­te que as mu­lhe­res não são as úni­cas ví­ti­mas. Du­ran­te a guer­ra ci­vil no Sul do Su­dão, en­con­trei com vá­ri­as pes­so­as que me fa­la­ram da vi­o­lên­cia se­xu­al con­tra os ho­mens. No Les­te do Cha­de, num cam­po de re­fu­gi­a­dos na ci­da­de de Abe­che, fa­la­ram-me de ho­mens que ti­nham si­do vi­o­la­dos; em cer­tas cir­cuns­tân­ci­as, os ven­ce­do­res for­ça­vam os ven­ci­dos a te­rem re­la­ções se­xu­ais. Quem re­sis­tia apa­nha­va lo­go uma ba­la. Cla­ro que não são só os afri­ca­nos que ca­em na­que­le ti­po de bru­ta­li­da­de du­ran­te a guer­ra. To­do mun­do fi­cou em cho­que ao ver, em 2004, pri­si­o­nei­ros de guer­ra no Ira­que a se­rem hu­mi­lha­dos se­xu­al­men­te por mi­li­ta­res ame­ri­ca­nos no fa­mo­so cam­po Abu Graib. Mui­tos afir­ma­ram que es­te ti­po de com­por­ta­men­to não po­dia ser es­pe­ra­do de um exér­ci­to com es­tru­tu­ras tão so­fis­ti­ca­das co­mo o ame­ri­ca­no. É só pa­ra di­zer que os se­res hu­ma­nos são mes­mís­si­mos quan­do se tra­ta de de­pra­va­ção. Tem, sim, que ha­ver ins­ti­tui­ções e me­ca­nis­mos pa­ra ga­ran­tir que os di­rei­tos hu­ma­nos se­jam res­pei­ta­dos es­cru­pu­lo­sa­men­te.

A guer­ra do Les­te do Con­go foi uma guer­ra de ho­mens de guer­ra. Uma fi­gu­ra in­flu­en­te com o seu exér­ci­to (em mui­tos ca­sos apoi­a­dos por paí­ses vi­zi­nhos) con­tro­la­va os re­cur­sos na­tu­rais de um ter­ri­tó­rio e mon­ta­va ope­ra­ções pa­ra ex­pan­dir ou con­tro­lar o seu ter­ri­tó­rio. Quan­do es­ti­ve no Les­te do Con­go, os che­fes de vá­ri­os gru­pos ar­ma­dos ti­nham co­mo ba­se a ca­pi­tal do Ugan­da, Kam­pa­la. Lá, eles gos­ta­vam de man­ter en­con­tros no fa­mo­so Ho­tel Ni­le ou Spe­ke. Os che­fes de guer­ra vi­nham com fa­tos ita­li­a­nos, re­ló­gi­os suí­ços, per­fu­mes fran­ce­ses. Era di­fí­cil ima­gi­nar que es­sas fi­gu­ras fi­nís­si­mas es­ta­vam por trás de al­guns dos pi­o­res ac­tos do nos­so tempo.

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.