Igre­jas ile­gais fe­cham por­tas a par­tir do pró­xi­mo mês

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Edi­val­do Cris­tó­vão

O Es­ta­do vai en­cer­rar, a par­tir do pró­xi­mo mês, as con­fis­sões re­li­gi­o­sas que ac­tu­am ile­gal­men­te em An­go­la. O di­rec­tor na­ci­o­nal dos As­sun­tos Re­li­gi­o­sos do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, Fran­cis­co de Cas­tro Ma­ria, lem­brou que fo­ram da­dos 30 di­as pa­ra as con­fis­sões re­li­gi­o­sas re­gu­la­ri­za­rem a si­tu­a­ção, fin­do os quais, as me­di­das pre­vis­tas na lei vão ser apli­ca­das nos pra­zos es­ta­be­le­ci­dos. Fa­lan­do à margem da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Problemática do Fe­nó­me­no Re­li­gi­o­so em An­go­la, que de­cor­re des­de on­tem e en­cer­ra ho­je, em Lu­an­da, o res­pon­sá­vel dis­se que a me­di­da pas­sa a ser apli­ca­da 30 di­as após à pu­bli­ca­ção no Diá­rio da Re­pú­bli­ca, a 4 de Outubro, do De­cre­to Exe­cu­ti­vo Con­jun­to nú­me­ro 1/18, daí a es­co­lha do mês de No­vem­bro. O Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra tem re­gis­ta­do 84 igre­jas e 1.106 aguar­dam re­co­nhe­ci­men­to le­gal. Exis­tem igre­jas que fo­ram ex­tin­tas por cau­sa da anu­la­ção das pla­ta­for­mas ecu­mé­ni­cas que con­tro­la­vam cer­ca de 2006 con­fis­sões.

As con­fis­sões re­li­gi­o­sas que ac­tu­am ile­gal­men­te em An­go­la co­me­çam a ser en­cer­ra­das a par­tir de No­vem­bro, dis­se on­tem, em Lu­an­da, o di­rec­tor na­ci­o­nal dos As­sun­tos Re­li­gi­o­sos do Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra, Fran­cis­co de Cas­tro Ma­ria.

De acor­do com Fran­cis­co de Cas­tro Ma­ria, fo­ram da­dos 30 di­as pa­ra as con­fis­sões re­li­gi­o­sas re­gu­la­ri­za­rem a si­tu­a­ção, fin­do o pe­río­do de mo­ra­tó­ria, as me­di­das pre­vis­tas na lei vão ser apli­ca­das nos pra­zos es­ta­be­le­ci­dos.

Fa­lan­do à margem da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Problemática do Fe­nó­me­no Re­li­gi­o­so em An­go­la, que de­cor­re des­de on­tem e en­cer­ra ho­je, em Lu­an­da, o res­pon­sá­vel dis­se que a me­di­da pas­sa a ser apli­ca­da 30 di­as à pu­bli­ca­ção no Diá­rio da Re­pú­bli­ca, a 4 de Outubro, do De­cre­to Exe­cu­ti­vo Con­jun­to nú­me­ro 1/18, daí a es­co­lha do mês de No­vem­bro.

O Mi­nis­té­rio da Cul­tu­ra tem re­gis­ta­do 84 igre­jas e 1.106 aguar­dam re­co­nhe­ci­men­to le­gal. O di­rec­tor do INAR su­bli­nha que exis­tem igre­jas que fo­ram ex­tin­tas por cau­sa da anu­la­ção das pla­ta­for­mas ecu­mé­ni­cas que con­tro­la­vam cer­ca de 2006 con­fis­sões.

Em seu en­ten­der, o nú­me­ro de igre­jas ile­gais no país po­de che­gar a qua­tro mil, na me­di­da em que “exis­tem mui­tas fo­ra do nos­so controlo”.

Cas­tro Ma­ria afir­mou que a Igre­ja Mun­di­al es­tá a tra­ba­lhar de for­ma ile­gal, por fa­zer par­te das con­fis­sões que ac­tu­a­vam sob res­pal­do das pla­ta­for­mas ecu­mé­ni­cas, con­cre­ta­men­te pe­lo Con­se­lho Na­ci­o­nal das Igre­jas Cris­tãs de An­go­la (CONICA).

“To­das as igre­jas ile­gais têm a pos­si­bi­li­da­de de cons­ti­tuir até ao pró­xi­mo mês os pro­ces­sos pa­ra le­ga­li­zar, atra­vés de uma co­mis­são ins­ta­la­do­ra e de­pois sub­me­te­rem ao Ins­ti­tu­to Na­ci­o­nal dos As­sun­tos Re­li­gi­o­sos pa­ra pos­te­ri­or re­co­nhe­ci­men­to”, aler­tou. Cas­tro Ma­ria anun­cia que as igre­jas ile­gais se­rão en­cer­ra­das

Cas­tro Ma­ria afir­mou que mais de 50 por cen­to das igre­jas im­plan­ta­das no país são es­tran­gei­ras, pro­ve­ni­en­tes da Re­pú­bli­ca De­mo­crá­ti­ca do Con­go, Bra­sil, Ni­gé­ria e Se­ne­gal.

Os re­qui­si­tos pa­ra abrir uma con­fis­são re­li­gi­o­sa, pas­sa pri­mei­ro pe­lo al­can­ce de cem mil as­si­na­tu­ras re­co­nhe­ci­das pre­sen­ci­al­men­te no no­tá­rio, em pe­lo me­nos 12 pro­vín­ci­as, por fiéis mai­o­res de ida­de e uma de­cla­ra­ção de bens dos lí­de­res re­li­gi­o­sos.

“Além do re­que­ri­men­to que a co­mis­são ins­ta­la­do­ra da con­fis­são re­li­gi­o­sa de­ve emi­tir ao Mi­nis­té­rio da Jus­ti­ça e dos Di­rei­tos Hu­ma­nos, com do­cu­men­tos de cer­ti­fi­ca­ção de ad­mis­são pa­ra evi­tar du­pli­ci­da­de de no­mes.

Fran­cis­co de Cas­tro Ma­ria in­for­mou que des­de o ano de 2000 não foi pos­sí­vel a le­ga­li­za­ção de mais igre­jas, por cul­pa das con­fis­sões re­li­gi­o­sas, que ti­ve­ram di­fi­cul­da­des em reu­nir cem mil as­si­na­tu­ras, de­vi­da­men­te re­co­nhe­ci­das pe­lo no­tá­rio.

Li­ber­da­de re­li­gi­o­sa

Du­ran­te a aber­tu­ra da Con­fe­rên­cia In­ter­na­ci­o­nal so­bre a Problemática do Fe­nó­me­no Re­li­gi­o­so em An­go­la, a mi­nis­tra da Cul­tu­ra dis­se que o Es­ta­do an­go­la­no, por ser lai­co, exi­be uma neu­tra­li­da­de e im­par­ci­a­li­da­de em re­la­ção à prá­ti­ca re­li­gi­o­sa. Ca­ro­li­na Cerqueira afir­mou que o Exe­cu­ti­vo não apoia, nem dis­cri­mi­na qual­quer con­fis­são re­li­gi­o­sa, des­de que as­su­ma o seu pa­pel e não aten­te con­tra os di­rei­tos dos ci­da­dãos con­sa­gra­dos na Cons­ti­tui­ção da Re­pú­bli­ca.

“Se por um la­do de­fen­de­mos a li­ber­da­de re­li­gi­o­sa, por ou­tro la­do, te­mos cons­ci­ên­cia de que a re­li­gião e as con­fis­sões re­li­gi­o­sas não de­vem in­ter­fe­rir nos as­sun­tos do Es­ta­do”, dis­se Ca­ro­li­na Cerqueira, pa­ra quem as igre­jas são par­cei­ras pri­vi­le­gi­a­das do Es­ta­do, ar­gu­men­tan­do que “pos­su­em a im­por­tan­te mis­são de con­tri­buir pa­ra a har­mo­nia so­ci­al e pa­ra o apa­zi­gua­men­to do es­pí­ri­to dos ci­da­dãos”.

“Não é ad­mis­sí­vel que con­ti­nu­e­mos a ve­ri­fi­car a exis­tên­cia de de­no­mi­na­ções re­li­gi­o­sas que não te­nham re­gis­to e exer­çam ac­ti­vi­da­des co­mer­ci­ais ou que aten­tem con­tra os di­rei­tos hu­ma­nos e con­tra os prin­cí­pi­os da ur­ba­ni­da­de e da boa con­vi­vên­cia”, dis­se.

A mi­nis­tra da Cul­tu­ra ape­lou pa­ra a sal­va­guar­da do res­pei­to pe­los prin­cí­pi­os da prá­ti­ca re­li­gi­o­sa se­cu­lar, se­ja no do­mí­nio es­pi­ri­tu­al, se­ja no apoio so­ci­al aos mais ca­ren­ci­a­dos.

O en­con­tro que en­cer­ra ho­je con­ta com as pre­sen­ças de res­pon­sá­veis re­li­gi­o­sos, bis­pos e pas­to­res de igre­jas de An­go­la, Bra­sil, Fran­ça, Portugal e Moçambique.

MA­RIA AUGUSTA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.