Cam­pa­nha de ven­da de se­los de ta­xa de cir­cu­la­ção

De No­vem­bro a De­zem­bro, téc­ni­cos da AGT jun­tam-se aos re­gu­la­do­res de trân­si­to

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - André dos An­jos

A Ad­mi­nis­tra­ção Ge­ral aT­ri­bu­tá­ria (AGT) anun­ci­ou pa­ra No­vem­bro o ar­ran­que de uma cam­pa­nha ex­tra­or­di­ná­ria de ven­da de se­los da ta­xa de cir­cu­la­ção re­fe­ren­te a 2017, em que os au­to­mo­bi­lis­tas em fal­ta com es­sa obri­ga­ção fis­cal fi­cam dis­pen­sa­dos do pa­ga­men­to da mul­ta de 50 por cen­to so­bre o va­lor da ta­xa.

A in­for­ma­ção foi avan­ça­da ter­ça-fei­ra à im­pren­sa por téc­ni­cos das di­rec­ções dos Ser­vi­ços An­ti-frau­de e de Ca­das­tro da AGT, Bráu­lio Fer­nan­des e Ed­son Mar­tins, res­pec­ti­va­men­te.

A cam­pa­nha, que de­cor­re em to­do o país e ter­mi­na em De­zem­bro, de acor­do com Bráu­lio Fer­nan­des, vai ser feita nas es­tra­das, em co­la­bo­ra­ção com a Po­lí­cia de Trân­si­to, cu­jos agen­tes, no âm­bi­to das su­as atri­bui­ções, vão in­ter­pe­lar os au­to­mo­bi­lis­tas e en­ca­mi­nhar os que não apre­sen­ta­rem o se­lo da ta­xa de cir­cu­la­ção a um téc­ni­co tri­bu­tá­rio des­ta­ca­do no lo­cal.

Os au­to­mo­bi­lis­tas que fo­rem apa­nha­dos em fal­ta, adi­an­tou, po­dem ad­qui­rir o se­lo no lo­cal, pa­gan­do-o atra­vés de um ter­mi­nal de pa­ga­men­to au­to­má­ti­co (TPA) dis­po­ní­vel no lo­cal, num mul­ti-cai­xa ou num bal­cão de ban­co pró­xi­mo.

Os que pa­ga­rem no lo­cal, pros­se­guiu, fi­cam isen­tos das pe­na­li­za­ções pre­vis­tas por lei, que vão do pa­ga­men­to de uma mul­ta de 50 por cen­to so­bre o va­lor cor­res­pon­den­te ao se­lo, a ou­tra, de 150 uni­da­des de cor­rec­ção fis­cal (UCF) - equi­va­len­te a 9.240 kwan­zas -, apli­ca­da pe­la Po­lí­cia.

Bráu­lio Fer­nan­des lem­brou que as co­bran­ças das ta­xas de cir­cu­la­ção se re­por­tam ao ano an­te­ri­or e que as re­fe­ren­tes a 2017, que de­vi­am ter si­do pagas até 31 de Abril, re­gis­tam pou­ca ade­são dos au­to­mo­bi­lis­tas, si­tu­a­ção que se man­tém pra­ti­ca­men­te inal­te­ra­da, seis me­ses de­pois da en­tra­da em vi­gor da fa­se de co­bran­ças co­er­ci­vas.

Pa­ra a cam­pa­nha 2017, se­gun­do Ed­son Mar­tins, da Di­rec­ção do Ca­das­tro da AGT, fo­ram pro­du­zi­dos 780 mil se­los, com as pro­jec­ções a apon­ta­rem pa­ra re­cei­tas na or­dem de 5,5 mil mi­lhões de kwan­zas.

Dez me­ses de­pois do iní­cio da cam­pa­nha, com a fa­se de co­bran­ça co­er­ci­va in­cluí­da, re­fe­riu, as re­cei­tas não pas­sam dos 2.6 mil mi­lhões de kwan­zas, o que re­pre­sen­ta cer­ca de 60 por cen­to das pro­jec­ções ini­ci­ais da AGT.

A ten­dên­cia da fu­ga ao pa­ga­men­to da ta­xa de cir­cu­la­ção, de acor­do Ed­son Mar­tins, não é de ago­ra. Na cam­pa­nha re­fe­ren­te a 2016, so­bra­ram cer­ca de 70 por cen­to dos 801 mil se­los co­lo­ca­dos à dis­po­si­ção dos au­to­mo­bi­lis­ta­se,em­con­sequên­cia dis­so, dos 4,3 mil mi­lhões de kwan­zas pre­vis­tos, fo­ram ar­re­ca­da­dos ape­nas 1,08 mil mi­lhões de kwan­zas.

“A AGT en­ten­de ser ne­ces­sá­rio apri­mo­rar o me­ca­nis­mo de fis­ca­li­za­ção das co­bran­ças tri­bu­tá­ri­as na via pú­bli­ca, apro­vei­tan­do a fa­se de co­bran­ça co­er­ci­va da ta­xa de cir­cu­la­ção, que se se­gue ao pe­río­do de­ter­mi­na­do pa­ra a co­mer­ci­a­li­za­ção nor­mal dos se­los”, dis­se Bráu­lio Fer­nan­des.

Du­ran­te a cam­pa­nha, dis­se, além da co­mer­ci­a­li­za­ção de se­los, os téc­ni­cos tri­bu­tá­ri­os vão fa­zer tra­ba­lhos de sen­si­bi­li­za­ção des­ti­na­dos a re­for­çar a cons­ci­ên­cia dos au­to­mo­bi­lis­tas em re­la­ção aos seus de­ve­res fis­cais.

“A AGT en­ten­de ser ne­ces­sá­rio apri­mo­rar o me­ca­nis­mo de fis­ca­li­za­ção das co­bran­ças na via pú­bli­ca, apro­vei­tan­do a fa­se de co­bran­ça co­er­ci­va da ta­xa de cir­cu­la­ção”

MA­RIA AUGUSTA | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Téc­ni­cos da AGT Ed­son Fer­nan­des (es­quer­da) e Bráu­lio Mar­tins

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.