Do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res são a se­gun­da cau­sa de mor­ta­li­da­de em hos­pi­tais

Es­pe­ci­a­lis­tas em Car­di­o­lo­gia de­fen­dem mai­or divulgação dos efei­tos da hi­per­ten­são, pa­ra que a po­pu­la­ção to­me cons­ci­ên­cia do pro­ble­ma car­di­o­vas­cu­lar e se­ja atin­gi­do o controlo e o bem-es­tar das pes­so­as

Jornal de Angola - - PRIMEIRA PÁGINA - Au­gus­to Cu­te­ta

Os pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res são ac­tu­al­men­te a se­gun­da mai­or cau­sa de mor­ta­li­da­de hos­pi­ta­lar no país, su­pe­ra­dos ape­nas pe­la ma­lá­ria, re­ve­lou, em Lu­an­da, o mé­di­co car­di­o­lo­gis­ta Mário Fer­nan­des.

O ex-pre­si­den­te da So­ci­e­da­de An­go­la­na de Do­en­ças Car­di­o­vas­cu­la­res (SADCV) e da Fe­de­ra­ção das So­ci­e­da­des de Car­di­o­lo­gia de Lín­gua Por­tu­gue­sa (FSCLP) dis­se que os pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res já ul­tra­pas­sa­ram os nú­me­ros de en­fer­mi­da­des co­mo a tu­ber­cu­lo­se e o VIH e a Si­da.

Da­dos da SADCV, re­fe­ren­tes ao ano 2015, es­ti­ma­vam que 1,28 por cen­to da po­pu­la­ção an­go­la­na, que era es­ti­ma­da em mais de 24 mi­lhões de ha­bi­tan­tes, mor­ri­am por cau­sa da hi­per­ten­são, en­quan­to a do­en­ça isqué­mi­ca do co­ra­ção ma­ta­va en­tre 4,65 por cen­to 5,35 de an­go­la­nos.

As es­ta­tís­ti­cas mais re­cen­tes di­vul­ga­das, apon­tam que 20 por cen­to da po­pu­la­ção an­go­la­na adul­ta so­frem de do­en­ças do co­ra­ção, com uma ten­dên­cia de su­bi­da de ca­sos.

Es­se epi­só­dio, em que as do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res cons­ti­tu­em a prin­ci­pal cau­sa de mor­te no mun­do, dá-se nu­ma al­tu­ra em que a SADCV com­ple­ta já oi­to anos. E o uni­ver­so lu­só­fo­no as­sis­te tam­bém a es­te fe­nó­me­no, com paí­ses co­mo o Bra­sil e Portugal, que, des­de os anos 90, já apre­sen­ta­vam a do­en­ça car­di­o­vas­cu­lar co­mo a prin­ci­pal cau­sa de mor­te, en­quan­to os ou­tros Es­ta­dos da CPLP ti­nham as en­fer­mi­da­des in­fec­ci­o­sas a li­de­rar as es­ta­tís­ti­cas.

A par­tir da úl­ti­ma dé­ca­da, a aná­li­se dos da­dos do Glo­bal Bur­den of De­se­a­se mos­tra que a do­en­ça car­di­o­vas­cu­lar se tor­nou tam­bém a prin­ci­pal cau­sa de mor­te em paí­ses co­mo An­go­la, Ca­bo Ver­de e Ti­mor-Les­te.

No ca­so­deAn­go­la­eMo­çam­bi­que, o mé­di­co afir­ma que se as­sis­te a um ver­ti­gi­no­so au­men­to de hi­per­ten­são ar­te­ri­al re­la­ci­o­na­da com ques­tões di­e­té­ti­cas e es­ti­lo de vi­da.

Mário Fer­nan­des ex­pli­cou que a in­ci­dên­cia das do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res cons­ti­tui aqui­lo que, do pon­to de vis­ta epi­de­mi­o­ló­gi­co se ape­li­dou de “si­tu­a­ção de du­plo far­do”, is­to é a tran­si­ção das en­fer­mi­da­des não trans­mis­sí­veis ou das in­fec­ci­o­sas trans­mis­sí­veis pa­ra as cró­ni­cas, mas na co­e­xis­tên­cia dos dois mun­dos.

Em fun­ção dos da­dos, o mé­di­co as­se­gu­ra que os es­pe­ci­a­lis­tas, co­mo par­cei­ros ac­ti­vos, es­tão ca­da vez mais dis­pos­tos a aju­dar o Exe­cu­ti­vo na pro­cu­ra de so­lu­ções pa­ra ate­nu­ar e com­ba­ter o im­pac­to ne­fas­to que o au­men­to das do­en­ças car­di­o­vas­cu­la­res po­de ter na so­ci­e­da­de, na eco­no­mia e nas fa­mí­li­as an­go­la­nas, em par­ti­cu­lar.

Es­tra­té­gi­as efi­ca­zes

Mário Fer­nan­des re­co­nhe­ce as li­mi­ta­ções im­pos­tas à eco­no­mia na­ci­o­nal, pe­la ac­tu­al con­jun­tu­ra in­ter­na­ci­o­nal, mas as­se­gu­ra que os car­di­o­lo­gis­tas as­su­mem o com­pro­mis­so pa­ra se de­di­ca­rem ao es­tu­do, à pes­qui­sa e à de­fi­ni­ção das me­lho­res es­tra­té­gi­as pa­ra abor­dar o pro­ble­ma.

Pa­ra pro­var es­ta von­ta­de, o ex-pre­si­den­te da SADCV fez referência ao lan­ça­men­to, du­ran­te o 4º Con­gres­so An­go­la­no de Car­di­o­lo­gia e Hi­per­ten­são, do Guia pa­ra a Ava­li­a­ção e Tra­ta­men­to da Hi­per­ten­são Ar­te­ri­al nos Cui­da­dos de Saúde Pri­má­ri­os em Paí­ses de Lín­gua Por­tu­gue­sa - 2018.

Fez-se, du­ran­te es­se even­to, um pro­gra­ma ci­en­tí­fi­co, ou­sa­do e de­sa­fi­an­te ca­paz de en­vol­ver to­dos os pro­fis­si­o­nais re­la­ci­o­na­dos com a do­en­ça car­di­o­vas­cu­lar e afins. “Acre­di­ta­mos que es­ta­mos em con­di­ções de dar o país um me­lhor tra­ta­men­to às do­en­ças do co­ra­ção.”

Em si­mul­tâ­neo com o re­fe­ri­do even­to, de­cor­reu igual­men­te o 3º Con­gres­so da Fe­de­ra­ção das So­ci­e­da­des de Car­di­o­lo­gia de Lín­gua Por­tu­gue­sa (FSCLP), em que par­ti­ci­pa­ram re­pre­sen­tan­tes de An­go­la, Bra­sil, Ca­bo Ver­de, Gui­né-Bis­sau, Moçambique, Portugal e São To­mé e Prín­ci­pe, além de es­pe­ci­a­lis­tas da Áfri­ca do Sul e de Cu­ba.

De­sa­fi­os da CPLP

Mário Fer­nan­des dei­xou quer a pre­si­dên­cia da FSCLP, quer a da SADCV. Em sua subs­ti­tui­ção, o por­tu­guês João Mo­rais pas­sou a exer­cer as fun­ções de pre­si­den­te da pri­mei­ra or­ga­ni­za­ção, en­quan­to o mé­di­co Ga­de Mi­guel é o no­vo res­pon­sá­vel má­xi­mo do gru­po an­go­la­no de car­di­o­lo­gis­tas.

Pa­ra o ca­so de An­go­la, o ac­tu­al pre­si­den­te da SADCV, Ga­de Mi­guel, con­si­de­rou enor­mes os de­sa­fi­os do gru­po de es­pe­ci­a­lis­tas, ten­do em con­ta que se tra­ta de uma so­ci­e­da­de que vem co­nhe­cen­do pro­ble­mas com a fal­ta de con­sen­so no que tem a ver com as es­co­las de for­ma­ção. “Nós per­de­mos mui­to com es­te pro­ble­ma. Na ver­da­de, de­ve­ría­mos ter uma pro­ba­bi­li­da­de de ga­nhar com is­so”, dis­se pa­ra avan­çar que, por is­so, há um pro­gra­ma com vis­ta ao apro­vei­ta­men­to das ex­pe­ri­ên­ci­as das di­fe­ren­tes es­co­las uni­fi­ca­das, uma vez que con­tri­bu­em imen­sa­men­te pa­ra a for­ma­ção de uma ideia e me­lho­rar o tra­ta­men­to dos do­en­tes.

Ou­tra gran­de pri­o­ri­da­de da no­va pre­si­dên­cia da SADCV é a me­lho­ria da co­mu­ni­ca­ção. “Pre­ci­sa­mos que se di­vul­gue ca­da vez mais o pro­ble­ma da hi­per­ten­são, pa­ra que a po­pu­la­ção to­me cons­ci­ên­cia do pro­ble­ma car­di­o­vas­cu­lar, te­nha um mai­or al­can­ce da nos­sa ac­tu­a­ção e is­so se traduzir no controlo e be­mes­tar dos do­en­tes”, dis­se Ga­de Mi­guel.

Li­ções de Portugal

Pa­ra abor­dar os pro­ble­mas de An­go­la e de ou­tras na­ções que se ex­pres­sam em por­tu­guês, re­a­li­zou-se o 3º Con­gres­so da FSCLP, na Es­co­la Na­ci­o­nal de Ad­mi­nis­tra­ção, em Lu­an­da, sob o lema “Car­di­o­lo­gia in­ter­dis­ci­pli­nar: uni­dos pe­lo co­ra­ção”. João Mo­rais, pre­si­den­te da So­ci­e­da­de de Car­di­o­lo­gia de Portugal, dis­se que o con­gres­so ser­viu pa­ra for­ta­le­cer os la­ços de ami­za­de e co­o­pe­ra­ção en­tre as di­fe­ren­tes or­ga­ni­za­ções afec­tas à fe­de­ra­ção.

O mé­di­co, que di­ri­ge, des­de sá­ba­do a or­ga­ni­za­ção in­ter­na­ci­o­nal, em subs­ti­tui­ção do an­go­la­no Mário Fer­nan­des, dis­se que o en­con­tro ser­viu igual­men­te pa­ra jun­tar vá­ri­as sen­si­bi­li­da­des de lín­gua por­tu­gue­sa e dis­cu­tir os pro­ble­mas em tor­no da Car­di­o­lo­gia.

Nes­sas dis­cus­sões, fi­cou cla­ro que Portugal não le­vou pa­ra o con­gres­so gran­des no­vi­da­des, mas su­ge­riu cer­tas pro­pos­tas pa­ra a re­so­lu­ção de pro­ble­mas car­di­o­vas­cu­la­res, que são abor­da­dos de ma­nei­ra di­fe­ren­te em ca­da ter­ri­tó­rio, mas co­muns aos paí­ses da CPLP.

En­tre es­ses pro­ble­mas, João Mo­rais apon­tou a ques­tão da for­ma­ção mé­di­ca, dis­tri­bui­ção dos car­di­o­lo­gis­tas às co­mu­ni­da­des e as gran­des pri­o­ri­da­des pa­ra a saúde car­di­o­vas­cu­lar, en­tre ou­tros, que se re­gis­tam em to­dos os paí­ses da co­mu­ni­da­de.

“Par­ti­lha­mos in­te­res­ses e di­fi­cul­da­des, bem co­mo as for­mas de re­sol­ver os pro­ble­mas exis­ten­tes”, dis­se o mé­di­co car­di­o­lo­gis­ta.

O mé­di­co por­tu­guês con­si­de­rou que o con­ti­nen­te afri­ca­no e An­go­la, em par­ti­cu­lar, têm gra­ves pro­ble­mas no que diz res­pei­to à saúde car­di­o­vas­cu­lar. Es­sas di­fi­cul­da­des pas­sam por du­as ver­ten­tes: o mau fun­ci­o­na­men­to dos ser­vi­ços de saúde e a fal­ta de con­di­ções

An­go­la ain­da tem pro­ble­mas com do­en­ças in­fec­ci­o­sas, que a nível da Eu­ro­pa, tam­bém exis­tem, mas em nú­me­ros mui­to re­du­zi­dos. Um dos ca­sos apon­ta­dos é fe­bre reu­má­ti­ca, co­mum en­tre os an­go­la­nos, en­quan­to os por­tu­gue­ses não os re­gis­tam há mais de 50 anos

DOMBELE BER­NAR­DO | EDI­ÇÕES NO­VEM­BRO

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.