Cho­co­la­te pa­ra pre­ve­nir pro­ble­mas do co­ra­ção

Jornal de Angola - - DESTAQUE -

Uma equi­pa de ci­en­tis­tas da Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge, In­gla­ter­ra, con­ce­beu um cho­co­la­te fun­ci­o­nal que não en­gor­da. Os ci­en­tis­tas le­va­ram a bom ter­mo a mis­são im­pos­sí­vel (ou as­sim nos pa­re­cia a to­dos) de cri­ar um cho­co­la­te que não en­gor­da, con­ta­bi­li­za só 38 ca­lo­ri­as e po­de ser con­su­mi­do di­a­ri­a­men­te, in­clu­si­ve por di­a­bé­ti­cos.

Co­mo se is­to, por si só, não fos­se já a oi­ta­va ma­ra­vi­lha do mun­do, os in­ves­ti­ga­do­res ga­ran­tem que 7,5 gra­mas diá­ri­as de Esthe­choc – é es­se o no­me do no­vo me­lhor amigo dos cho­co­la­tó­ma­nos – pa­re­ce dei­xar quem o co­me 20 anos mais no­vo, ao me­lho­rar a cir­cu­la­ção san­guí­nea e apor­tar ao or­ga­nis­mo mai­o­res ín­di­ces de an­ti­o­xi­dan­tes que atra­sam a pe­le flá­ci­da e o apa­re­ci­men­to de ru­gas.

"To­da a gen­te en­ve­lhe­ce, con­tu­do es­pe­ra-se que o pro­du­to nos aju­de a ter al­gum controlo so­bre es­sa evo­lu­ção ao abran­dar o en­ve­lhe­ci­men­to dos te­ci­dos e ini­bir os pro­ces­sos res­pon­sá­veis por ele", su­bli­nha o in­ves­ti­ga­dor Ivan Petya­ev, da Uni­ver­si­da­de de Cam­brid­ge, que du­ran­te dez anos es­tu­dou a fun­do os me­ca­nis­mos mo­le­cu­la­res do en­ve­lhe­ci­men­to, po­li­fe­nóis do ca­cau e ra­di­cais li­vres.

Es­tu­dos mos­tram que co­mer cho­co­la­te re­gu­lar­men­te, ali­a­do à pra­ti­ca de exer­cí­cio e de uma ali­men­ta­ção sau­dá­vel, re­sul­ta nu­ma mai­or re­du­ção do pe­so cor­po­ral.

Esthe­choc à par­te, po­de­mos sem­pre con­tar com a aju­da do cho­co­la­te ne­gro pa­ra ser­mos ma­gros e sau­dá­veis, des­de que pou­co pro­ces­sa­do e o mais na­tu­ral pos­sí­vel, com um mí­ni­mo de 70 por cen­to de ca­cau de mo­do a pre­ser­var os fla­vo­noi­des – um an­ti­o­xi­dan­te re­co­nhe­ci­do na pre­ven­ção da obe­si­da­de, di­a­be­tes e do­en­ça car­di­o­vas­cu­lar.

“Pa­re­ce con­tra­di­tó­rio, po­rém es­tu­dos ci­en­tí­fi­cos con­clu­em que as pes­so­as que fa­zem uma ali­men­ta­ção equi­li­bra­da, pra­ti­cam exer­cí­cio fí­si­co re­gu­lar e co­mem cho­co­la­te com frequên­cia con­se­guem uma mai­or re­du­ção do ín­di­ce de mas­sa cor­po­ral, lo­go do pe­so cor­po­ral”, apon­ta o nu­tri­ci­o­nis­ta Ale­xan­dre Fer­nan­des, au­tor do li­vro “Di­e­ta do Cho­co­la­te”.

É ób­vio que ex­ce­der-se to­dos os di­as po­de ar­rui­nar a di­e­ta, mas se­gun­do ele é pos­sí­vel per­der até seis qui­los em 21 di­as sem re­nun­ci­ar ao pra­zer. “Trei­ne a men­te, as emo­ções e o cor­po quan­do es­ti­ver a sa­bo­re­ar a quan­ti­da­de de cho­co­la­te per­mi­ti­da (di­fe­re de ho­mens pa­ra mu­lhe­res, do pe­so que se tem, do que se per­der).”

O se­gre­do, diz, é ter bom sen­so na ho­ra de es­co­lher, con­su­mir e apre­ci­ar (mui­to di­fe­ren­te de de­vo­rar). “Ao fim de al­gum tempo vai acos­tu­mar-se às pe­que­nas quan­ti­da­des e sen­tir-se or­gu­lho­so e con­for­tá­vel.”

Will Clower, re­pu­ta­do neu­ro­ci­en­tis­ta e nu­tri­ci­o­nis­ta nor­te-ame­ri­ca­no, con­fir­ma ser do ca­cau que pro­vém a maioria das pro­pri­e­da­des be­né­fi­cas do cho­co­la­te, co­mo as ca­te­qui­nas e epi­ca­te­qui­nas (ou­tras du­as es­pé­ci­es de an­ti­o­xi­dan­tes).

Tam­bém ele po­dia pas­sar o dia a ci­tar ex­pe­ri­ên­ci­as que com­pro­vam que o cho­co­la­te com ele­va­da per­cen­ta­gem de ca­cau “é bom pa­ra o co­ra­ção, a pe­le, o equi­lí­brio emo­ci­o­nal, a pre­ven­ção de do­en­ças on­co­ló­gi­cas, o atra­so da pro­gres­são da di­a­be­tes e até pa­ra ace­le­rar o me­ta­bo­lis­mo”.

A ci­ên­cia re­co­nhe­ce os efei­tos pro­tec­to­res do ca­cau na do­en­ça de Alzhei­mer e o seu po­ten­ci­al na pre­ven­ção do can­cro. Uma pes­qui­sa de in­ves­ti­ga­do­res ita­li­a­nos da Uni­ver­si­da­de de L’Aqui­la, di­vul­ga­da no por­tal de artigos de bi­o­me­di­ci­na PubMed, validou os efei­tos neu­ro­pro­tec­to­res e pre­ven­ti­vos do ca­cau na do­en­ça de Alzhei­mer.

Ou­tra,re­a­li­za­da­pe­loIns­ti­tu­to de Ci­ên­cia e Tec­no­lo­gia de Ali­men­tos e Nu­tri­ção, em Ma­drid, de­mons­trou o po­ten­ci­al dos po­li­fe­nóis do ca­cau na pre­ven­ção do can­cro.“Con­su­mi­do com mo­de­ra­ção é um eli­xir de alegria e pra­zer com a vi­da e os ou­tros”, su­bli­nha o nu­tri­ci­o­nis­ta Ale­xan­dre Fer­nan­des, lem­bran­do que a quan­ti­da­de de an­ti­o­xi­dan­tes no cho­co­la­te é cer­ca de oi­to ve­zes su­pe­ri­or à do mo­ran­go.

“Pro­mo­ve ain­da uma sen­sa­ção de re­la­xa­men­to e be­mes­tar ao aju­dar a pro­du­zir e li­ber­tar se­ro­to­ni­na no or­ga­nis­mo, além de ini­bir o ape­ti­te se con­su­mi­do em je­jum pe­la ma­nhã.”

DR

Pes­so­as com ali­men­tos equi­li­bra­dos, que fa­zem exer­cí­ci­os fí­si­cos e co­mem cho­co­la­te con­se­guem re­du­zir a mas­sa cor­po­ral

Newspapers in Portuguese

Newspapers from Angola

© PressReader. All rights reserved.